Jornal da Praia

PUB

ATÉ SEMPRE PADRE LIMA!

Sábado, 07 de Outubro de 2017 em Opinião 683 visualizações Partilhar

ATÉ SEMPRE PADRE LIMA!

A Associação dos Antigos Alunos do Liceu de Angra do Heroismo promoveu, com a cooperação da Câmara Municipal de Angra, a instalação de pedestal encimado pelo rosto esculpido do Padre Lima, Monsenhor José de Lima Amaral de Mendonça. A escultura é da autoria da artista terceirense Ana Ávila Simões, e documenta o sorriso com que o Padre Lima sempre tinha para com os seus alunos e as pessoas em geral. O evento ocorreu a 19 do mês de Agosto, ficando a escultura no exterior da antiga sede da Juventude Escolar Católica (JEC), hoje do Instituto Histórico da Ilha Terceira, ao cimo da Ladeira de São Francisco, junto ao portão que dá acesso ao Museu de Angra.

Para os mais novos convirá recordar que apenas existia um Liceu na Ilha, sediado no antigo Convento Franciscano onde hoje funciona o Museu de Angra, pelo que os alunos da Praia ou arranjavam alojamento na “cidade” como então se dizia, pois a Praia era ainda Vila, ou vinham e iam diariamente na carreira (autocarro) ou no carro da Base das Lajes que transportava os filhos dos militares.

O Padre Lima, ainda que Monsenhor e Cónego, era assim conhecido e tratado pela generalidade dos que o conheciam, pela sua simplicidade e trato amistoso. Que nos perdoem os profissionais da saúde física e espiritual, mas desabafar com ele era um bálsamo que enchia o coração e dispensava químicos!

Picoense de nascimento em 1928, na freguesia das Bandeiras, concelho da Madalena, foi Pároco Coadjutor na Matriz da Vila da Madalena apenas escassos nove meses, após o que foi nomeado professor do Seminário de Angra (durante quase um quarto de século) e professor de Religião e Moral no Liceu Nacional de Angra do Heroismo e da Escola de Magistério Primário, onde contactou e formou várias gerações que, mantendo ou não a Fé, não esqueceram o Sacerdote exemplar, o Homem de Valores, o Mestre pleno de Humanidade. Cónego, Deão do Cabido, Monsenhor, Protonotário Apostólico, foi chamado às funções de Vigário Geral da Diocese em 1974, por D. Aurélio Escudeiro, então Bispo daquela. Enfrentou tempos muito difíceis e delicados para a Igreja e os Açores, e, sem prejuizo do Bispo Beirão de Alcains, grande parte da acção que permitiu manter à tona a Barca da Igreja nestas Ilhas do Atlântico Norte deve-se ao carácter e firmeza do seu Vigário Geral, Picoense “de aguentar de remos” como dizia o ilustre Advogado Faialense Dr Manuel Linhares de Andrade.

Em 1988 foi condecorado pela Presidência da República como Comendador da Ordem da Instrução Pública; em 2000 recebeu da Câmara Municipal de Angra do Heroismo a Medalha de Ouro de Honra; em 2009 foi condecorado com a Insígnia Autonómica de Mérito Cívico: em 2013, ano do seu falecimento, a Junta de Freguesia de Santa Luzia, onde residia, colocou na fachada de sua casa Azulejo com a sua efígie; e em 2016 o Municipio da Madalena do Pico atribuíu o seu nome à antiga rua dos Biscoitos naquela Vila.

Ainda hoje muitos dos que tiveram a honra de com ele privar se interrogam porque foi a Igreja tão avara nos seus privilégios, deixando perder para o Bispado um Homem e Sacerdote da estatura do Padre Lima. Jornal da Praia não o esquece, e por isso esteve presente no evento que honra esta Ilha onde exerceu o seu múnus, os Açores de que foi filho Ilustre, e a Igreja que serviu até ao limite das suas forças.

E que a doação desta escultura à cidade de Angra e á Ilha em geral, e mesmo aos Açores, possa relembrar a deliberação praiense de erigir um busto do Rev. Padre Cândido Botelho Falcão, tomada há mais de vinte anos, e infelizmente nunca cumprida. Permitimo-nos lembrar que temos escultora nesta nossa Terceira...

Cota Moniz

NE: Texto publicado na edição impressa n.º 505 de 29 de setembro de 2017.