Jornal da Praia

PUB

NÃO PODEMOS IGNORAR!...

Sexta, 06 de Outubro de 2017 em Opinião 257 visualizações Partilhar

NÃO PODEMOS IGNORAR!...

Sim! … Não podemos ignorar a existência de algo que chamado por “estado de espirito” como o saudoso José de Almeida, Dr., líder carismático da Frente de Libertação dos Açores respondia quando lhe perguntavam o que era a FLA.

Sim! ... Não podemos ignorar a existência da Frente de Libertação dos Açores quando, “vemos, ouvimos e lemos” o interesse que a mesma desperta não só nos açorianos, mas, nos portugueses, e na comunidade política internacional.

A FLA, não é um fenómeno, que exerça uma acção dos sentidos ou que possa impressionar a nossa sensibilidade física ou moral. Não foi nem é um facto ou acontecimento raro e espantoso, é uma realidade. É um sentimento de cidadania de liberdade de democracia de fraternidade existente no subconsciente de um Povo, que o é, há quinhentos anos.

O “movimento independentista açoriano” não se pode apelidar de “separatista” pois como acima afirmamos, existe no conteúdo do seu ideal do seu sentimento de liberdade, de reconhecimento ao direito que lhe dá a “Carta dos Direitos do Homem”, a fraternidade que está bem expressa quando os seus responsáveis os seus militantes, referem que, querem uma independência com Portugal, e não contra Portugal e o seu povo.

Os partidários açorianos da independência da sua Pátria “AÇORES”, são muitos mais do que alguns sectores políticos possam imaginar. Temo-los de todos os quadrantes políticos partidários que, por qualquer razão o escondem num acto que para não é incompreensível.

É nos dado conhecer publicamente, os mais activos militantes e responsáveis pela presença da FLA, publicamente quer em contacto directo e pessoal com a sociedade, bem assim, com a tomada de posição política, objecto de comunicados, conferências de imprensa. Artigos de opinião em diversos órgãos de comunicação social escrita não só açoriana.

Não “podem ignorar os nossos leitores” a última tomada de posição do Directório da FLA, tomada em carta (registada e com aviso de recepção” enviada a sua Exª o senhor Presidente da República Portuguesa, conhecida as suas declarações e conselhos em relação ao abandona da oposição da Comissão de Economia na Assembleia Legislativa dos Açores.

Tal posição foi comunicada aos Parlamentos Açoriano, da República (a grupos parlamentares e deputados per si) Governo dos Açores e Governo Central Português), Embaixadas acreditadas em Portugal. Instituições políticas internacionais. Vários outros destinatários e, Comunicação Social açoriana e portuguesa (TV, Rádio, Jornais).

Porque os açorianos “não podem ignorar” a actuação de um movimento que quer a sua emancipação como Povo, devendo-lhes dois dos parágrafos da carta referida:

…“a FLA, Frente de Libertação dos Açores, em nome do Povo Açoriano, uma vez que mais ninguém o faz, ou fará, vem, por este meio, adverti-lo de que, na nossa opinião, as questões não se resolvem com os seus específicos interesses e preocupações, especialmente os que não serão da Sua conta. Mas se Vossa Excelência se quiser entreter, a si e ao povo de Portugal, com interesses e preocupações relativos aos Açores e ao Povo Açoriano, achamos que as deverá direccionar, por exemplo, para com a resolução da questão da contaminação dos solos e aquíferos na ilha Terceira, causada pela ocupação da Base das Lajes pelos Estados Unidos da América, ocupação resultante de um acordo feito por Portugal, para Portugal e pelos interesses de Portugal” ….

… “Em nome do Povo Açoriano, a FLA, mais do que interesse e preocupação, exige da Sua parte, Senhor Presidente de Portugal, acção imediata. Exigimos divulgação dos dados e estudos existentes. Exigimos que Portugal assuma a responsabilidade do resultado de um tratado que assinou em seu nome, interesse e proveito, às custas e vitimização dos Açores e do Povo Açoriano. Exigimos financiamento e resolução para um processo de descontaminação desta catástrofe de que o estado Português é responsável, perante os Açores e o Povo Açoriano”.

E porque continuamos “vendo ouvindo e lendo” “não podemos ignorar”

PS. Infelizmente parece-nos que os órgãos de comunicação social, embora vendo ouvindo e lendo, não podiam ignorar… excepção para a SIC que deu como recebido o email enviado.

José Ventura*
(*) Por opção, o autor não respeita o acordo ortográfico.

NE: Artigo publicado na edição impressa n.º 505 de 29 de setembro de 2017.