Jornal da Praia

PUB

O MIÚDO

Quarta, 04 de Outubro de 2017 em Opinião 350 visualizações Partilhar

O MIÚDO

Teimam e querem fazer crer que o miúdo deve ser menorizado face à realidade que o envolve. Sempre sofri na pele, por tentar ingressar com valor nos meios dos mais velhos, uma vez que a minha menoridade pressupunha que também teria pensamentos e ideias menores.

Acontece-me imensas vezes, reivindicarem pouca importância àquilo que os miúdos desta vida podem fazer de melhor do que uma pessoa mais velha. Desesperam aqueles que tentam associar a experiência de vida ao conhecimento e o conhecimento à experiência. Em tudo na vida, não interessa a idade, mas o valor da pessoa. Na sociedade prevalece a ideia de que existem coisas alcançáveis à medida dos anos que vivemos. Odeio esse pensamento mesquinho e inútil, próprio de quem é arrogante e emproado em demasia.

O miúdo, formado e atinado, consegue pensar pela sua cabeça. Não é doutrinado e instruído. Não é sacrificado em benefício de outrem. O miúdo, às vezes, é mais discreto e competente do que o suposto idóneo ser, de rosto firme, reconhecido pela sociedade. O miúdo não é parvo nem é acanhado. Não o é por ser miúdo.

Sei que há quem se chateia imenso porque existem jovens com pensamentos estruturados. Que têm consciência social, filosófica, política. Isso maça quem quer ser dono das coisas.

Convivemos, os miúdos, com a espera eterna do momento que os outros nos dão para falar. Perdem-se, entretanto, ideias úteis. Calem-nos por irritação de não quererem ver valor em quem é mais novo. Andamos por aí embarcados nesta corrente de pensamento, que é de todos os séculos e longitudes.

Emanuel Areias