Jornal da Praia

PUB

Eng. Correia da Cunha

Quarta, 04 de Outubro de 2017 em Editorial 118 visualizações Partilhar

Faleceu aos 90 anos de idade, no passado dia 13 de Setembro, um ilustre alto funcionário público, o Engenheiro José Gabriel Mendonça Correia da Cunha, homem da confiança do Drº. Mota Amaral, e membro do Primeiro Governo Regional da Região Autónoma dos Açores, e a quem foi incumbida a tarefa de dirigir com toda a vontade “indomável e indomada” a reconstrução depois do abalo sísmico de 1980, que assolou drasticamente a Ilha Terceira, entre outras ilhas.

Correia da Cunha, como vulgarmente era conhecido, nasceu a 25.04.1927, na cidade de Lisboa, licenciou-se em Agronomia pelo Instituto Superior de Agronomia de Lisboa e também tirou a licenciatura em Geografia, pela Universidade de Lisboa.

Político exemplar, homem de lisura nos seus procedimentos, nomeadamente no papel importantíssimo que desempenhou na chefia do Gabinete de Apoio à Reconstrução, sedeado então em Angra do Heroísmo, desenhando um método eficaz para a reconstrução, minimizando os sacrifícios e os perigos a que estavam mergulhados os sinistrados, principalmente no princípio da reconstrução.

Correia da Cunha, respeitado, admirado e acarinhado por todos foi um homem “com muito valor, com ideias definidas, que não era fácil, mas que tinha um caracter forte”, segundo a análise do Drº. Álvaro Monjardino.

Correia da Cunha ficará ligado para sempre à história dos Açores, perdendo estes uma grande figura, por isso é dever do Jornal da Praia registar nas suas páginas estes factos que ficarão sem dúvida na história desta Região Autónoma para que possam ser apreciados pelas gerações vindouras, que não podem esquecer este exemplo de infinita dedicação ao serviço dos açores e da sua autonomia.

Para Correia da Cunha a governação de uma comunidade tinha por objectivo primordial uma comunhão devida entre governantes e governados, assente na ideia de fraternidade e que se destinava unicamente a proporcionar aos homens o bem-estar familiar, social e económico.

Correia da Cunha teve um papel importantíssimo aquando do terramoto de 1980 para que o Congresso dos Estados Unido da América do Norte não aprovasse legislação para facilitar a emigração dos Açorianos sinistrados para aquele país, porque entendia muito bem que os açores não eram uma aldeia latino-americana ao serviço de Washington, e assim impediu que a Terceira se despovoasse na altura do sismo de 1980, ao invés do que aconteceu no Faial aquando da erupção do vulcão dos Capelinhos.

À família enlutada, o Jornal da Praia apresenta os mais sinceros cumprimentos.

O Diretor,
Sebastião Lima
diretor@jornaldapraia.com