Jornal da Praia

PUB

A RUA DE JESUS E A CENTRALIDADE DA CIDADE

Sexta, 29 de Setembro de 2017 em Opinião 131 visualizações Partilhar

A RUA DE JESUS E A CENTRALIDADE DA CIDADE

Nestas eleições autárquicas, tem estado muito em voga, se se deve ou não abrir a Rua de Jesus ao trânsito, de modo a tornar mais viva e movimentada a rua principal da Praia da Vitória. Como já se viu, muitas pessoas têm dado a sua opinião sobre o assunto e todos os partidos políticos têm ideias e projetos acerca dessa questão, tida como central para desenvolvimento do centro histórico da cidade. Como vivemos numa democracia, e talvez não levem a mal esta opinião, deixo-a aqui, nos parágrafos seguintes, para memória futura e eventual reflexão.

Em primeiro lugar, e não sendo geógrafo, penso que o conceito de centralidade é mais complexo do que aquilo que podemos crer. Numa cidade, a centralidade dos espaços é volátil, mudando consoante os interesses privados. Redefine-se a importância dos lugares na cidade, de acordo com as intenções de investimento. A Câmara não é responsável pela mudança dos tempos e das vontades. A centralidade dos espaços muda também em virtude da procura dos cidadãos. São os cidadãos que dão, na minha opinião, valor às ruas, avenidas e outros espaços da cidade.

Em segundo lugar, acham que é impossível se mover a reestruturação do espaço urbano para outras direções? A redefinição da centralidade decorre dos objetivos de todos os agentes responsáveis pela dinamização do espaço urbano.

Em terceiro lugar, dentro da cidade, a rua central ou principal, historicamente vista como tal, pode passar a competir com novas ruas e novos centros, que surgem como novos pólos de atração e desenvolvimento. Isso não é, a meu ver, errado, mas proveitoso.

Indo agora ao âmago da questão. O centro da Praia da Vitória encontra-se hoje, localizado depois da Praça Francisco Ornelas da Câmara, agregando, sobretudo, a zona dos bares e da marina. É aqui, aliás, que decorre a maior parte dos eventos durante a Festa da Praia, e onde as pessoas gostam de estar, a conviver. A Rua de Jesus, a não ser quando há desfiles, não tem qualquer tipo de atividade durante as festas, sendo, a determinada hora da noite, uma zona de passagem para as pessoas que estacionaram o seu carro junto ao Tribunal.

A dinamização que a zona dos bares providencia à cidade faz com que numa sexta-feira ou num sábado à noite, as ruas da Praia estejam bem compostas. Lá está, foram os cidadãos, neste caso os mais jovens, que fazendo jus à sua procura, trouxeram ânimo a uma zona da cidade. Se as pessoas não encontram na Rua de Jesus algo que as atraia, obviamente não passarão tempo nela. Coloca-se o problema do comércio e da dinamização.

Apesar de tudo o que disse anteriormente, continuo a ser favorável a que a Rua de Jesus esteja fechada, até mesmo por razões históricas e pelo traçado da mesma. Não é com a abertura ao trânsito que se dinamizará aquela rua, porque os carros passam, mas não ficam as pessoas. Olham para as poucas montras que existem e o passeio está feito. O que é preciso é dinamizar a rua, com novas atividades e realização de eventos, e dotar o comércio local de boas condições para que abram ou mantenham as suas lojas na rua principal da Praia. Dou dois exemplos do que podia decorrer na Rua de Jesus, e que atraía mais pessoas, de certeza. Em primeiro lugar, e que já é comum a outras cidades, abrir-se um Centro de Atividades, onde as pessoas pudessem ir ler um livro, pudessem ter uma sala de jogos disponível, pudessem ler o jornal, tivessem uma biblioteca disponível. Outra sugestão era estar na linha da frente para atrair eventos e festivais que trouxessem as pessoas para a rua, como por exemplo, o Festival de Estátuas Vivas, exposições de arte ou até apresentações de livros.

Temos de ser criativos para impulsionar a vinda de pessoas para a Rua de Jesus, sem antes termos na ideia, de que a centralidade é algo que muda com o tempo. A Praia não é deserta, não está é povoada de gente no lugar onde todos queriam que estivesse. Mas não é errado, só é diferente e próprio das mudanças que uma cidade sofre.

Emanuel Areias