Jornal da Praia

PUB

VESTÍGIOS DA NOSSA HISTÓRIA: ERMIDA DA SENHORA DA GRAÇA

Quarta, 27 de Setembro de 2017 em Opinião 1555 visualizações Partilhar

VESTÍGIOS DA NOSSA HISTÓRIA: ERMIDA DA SENHORA DA GRAÇA

Não foi um trabalho fácil fazer a recolha de informação da História da Ermida da Senhora da Graça, na Vila de São Sebastião, pois está cheia de estórias da História que confundem lendas com realidade. Contudo, é esta riqueza entre a realidade factual e a memória oral coletiva que deu interesse e força a este meu artigo.

A nossa História é rica em lendas, são elas que dão a Portugal muito da força e garra que os primeiros portugueses tiveram ao fundar este país, assim aconteceu o mesmo com os nossos egrégios avós ao povoar esta Ilha.

A 2 de março de 1450, o Infante D. Henrique doava a capitania da Terceira (na época Ilha de Jesus Cristo) ao flamengo Jácome de Bruges, que se tornou assim no 1º Capitão-Donatário da Ilha. Era o início do povoamento da Terceira. Na Carta de Doação, o Infante outorgava a capitania a Jácome de Bruges para que “ele a povoe de qualquer gente que lhe aprouver, que seja de fé católica e santa de Nosso Senhor Jesus Cristo”.

Segundo Gervásio Lima, a 1 de janeiro de 1451, 10 meses depois da doação, o Capitão Jácome de Bruges chegava à Terceira com dois navios. De Guimarães, de Aveiro, de Lagos, do concelho de Vieira e do Porto, acompanharam o Capitão Bruges, os nobres senadores: João Bernardes, Gonçalo Anes da Fonseca, João da Ponte, João Leonardes e João Coelho, estes últimos importantes na História desta ermida. Além desses, vieram alguns frades franciscanos, como Frei João da Ribeira, trabalhadores e artífices, que, acampando no Vale do Paúl ou Planície dos 5 picos, chamaram a este sítio Sant’Ana da Porta Alegre ou do Porto Alegre, onde edificaram os primeiros abrigos e erigiram o 1º templo com a imagem de Sant’Ana que os acompanhara ao longo da viagem. A construção da Ermida de Sant’Ana 1454. Um ano depois começava a construção da Matriz de São Sebastião.

A Ermida da Senhora da Graça deve ter começado a sua construção logo após 1455. Pelo mesmo tempo estabeleceu-se no Arrabalde da vila de S. Sebastião, João Leonardes, um dos 5 senadores trazidos por Bruges, casado com Catarina rodrigues Dias, de quem teve muitos filhos, parece que tomou ali a sua primeira casa. Também João da Ponte, outro companheiro do capitão Bruges, fez assento no Arrabalde, e teve larga descendência.

Já de João Coelho, outro companheiro de Bruges, sabe-se que tomou a sua casa no Porto Judeu, desde o Vale até ao varadouro dos barcos, avançando acima das Ladeiras, e foi este o 1º terreno que nesta ilha tomou, e o único que passou aos seus descendentes. E neste sítio se aposentou com grosso tráfico de lavoura até que, sendo dividida a ilha em duas capitanias, por desgostos que teve com João Vaz Corte-Real, o 1º capitão de Angra, se viu obrigado a ausentar-se, deixando a terra aos filhos.

Os primeiros povoadores começaram os trabalhos agrícolas, preparando-se para a cultura dos cereais e do pastel, o qual desde foi logo semeado, o melhor que pudesse ser, para mandar a Flandres. Nesta altura a Duquesa de Borgonha, que tinha a Flandres como capital, era portuguesa, D. Isabel de Portugal, irmão do Infante D. Henrique. D. Isabel casou-se com Filipe, O Bom, Duque da Borgonha e Conde da Flandres, com quem foi feliz. Já em Flandres, quando soube que se preparava a colonização dos Açores, D. Isabel insistiu com os irmãos para que aceitassem colonos flamengos. Tratou diretamente da escolha de colonos. Tornou-se assim responsável pelo povoamento das ilhas. Jácome de Bruges foi escolhido por ela e o pastel era algo que eles compravam e precisavam e assim começou a produzir-se este tipo de planta tintureira para exportar. Era preciso fazer o dinheiro entrar na Ilha.

Vamos agora entrar na parte das histórias e lendas da Ermida da Senhora da Graça, que são tão fascinantes e ricas. Segundo uma das lendas, há muitos séculos atrás, alguns marinheiros castelhanos vindos duma das suas atribuladas viagens, desembarcaram pelo Porto Martins, precisavam de mantimentos. Estavam desejosos de encontrar alimentos e água que os pudesse saciar. Estavam esgotados. Ao chegarem à Terceira, começaram logo à procura de comida e de água para matarem a sede. Mas não a encontraram e, ao verem um campo semeado de tremoço com as vagens verdes e tenras, começaram a apanhá-las e a comê-las rapidamente, tal era a fome e a sede. Um deles, estranhando o gosto, exclamou: — Oh! Bela favita, mas ela é um pouco amarguita! - Estavam no Arrabalde, em S. Sebastião. Embora já tivessem comido algumas vagens de tremoço, continuavam com sede. Olharam em volta e não encontraram poço nenhum. Desesperados, ergueram as mãos aos céus e pediram então a Nossa Senhora que lhes deparasse uma fonte, prometendo que haviam de construir uma ermida a Nossa Senhora das Graças em louvor pela “graça” alcançada. Imediatamente a água começou a brotar e os marinheiros mataram a sede e curaram-se de muitas doenças. E como prometeram, ali se levantou, anos mais tarde, uma ermida. Quanto à realidade desta lenda, sim era possível os espanhóis terem desembarcado cá, mesmo que fossemos território português, porque as caravelas paravam aqui para abastecer. Apesar de ser lenda, pode ter algum fundo de verdade.

Outra das lendas, a mais conhecida, e aquela que terá mais fundo de verdade histórica, diz que após o desembarque nas imediações do Porto Novo, por ali haver uma pequena ribeira e vindo nesta expedição o conhecido frei João de Deus, fora ele que achara a fonte da Graça, a água que matava a sede dos marinheiros. Estávamos a 2 de fevereiro, Dia da Nossa Senhora da Graça. E assim Frei João passou a ser Frei João da Ribeira e a Ribeira passou a chamar-se de Frei João. E por este rico presente que lhe fizera a Mãe de Deus, Frei João celebrara ali a 1ª missa. E naquele lugar que passou a ser de veneração religiosa, construiu-se a Ermida da Senhora da Graça, a Virgem Maria que lhes tinha concedido a graça, a senhora da graça, que já era de grande veneração naquele tempo.

A água da fonte, por se pensar que tinha virtude, passou a chamar-se de Água Santa de Nossa Senhora das Graças e mereceu o nome porque, não só saciou e curou os ditos marinheiros, mas, durante muitos anos, muitos terceirenses. Dizia-se que curava sete moléstias e vinha gente de freguesias distantes para levar a água que curaria as suas doenças. O que podemos dizer do meio destas estórias é que segundo se julga, esta Ermida foi mandada edificar por Frei João da Ribeira. Os primeiros mordomos da Ermida foram Fernão Afonso até 1536 e Gonçalo Anes até 1552. Mesmo que haja quem defenda que a Ermida foi construída em 1568 por João Fernandes dos Ferrais e sua mulher, o que não acredito, pois os documentos provam que é anterior a isso. Acredito pois que a família Fernandes dos Ferrais tenha ajudado nalguma obra e na manutenção da Ermida, podendo ter sido, naquele século XVII, uma espécie de patronos.

O Orago de Nossa Senhora da Graça era bastante venerado, vindo pessoas de toda a Ilha. Nos inícios do século XVII, a 24 de maio de 1614, o nordeste da Terceira sofreu um terramoto, que destruiu a Praia e abalou São Sebastião, na chamada 1ª Caída da Praia. Votou a Câmara sebastianense fazer no dia 24 de maio, aniversário do sismo, uma procissão como as de El-Rei (neste tempo era o último rei espanhol que governou Portugal, Filipe IV de Espanha, III de Portugal), e com efeito assim se praticou por mais de um século, mesmo depois da Restauração da Independência em 1640 e a saída dos espanhóis do Monte Brasil a 6 de março de 1642.

Durante este período, o grande mordomo desta Ermida foi o Capitão Manuel Martins Fanais, que, em 1643, a restaurou, paramentou, acrescentando o púlpito e amurou o adro. Nesta época, construiu-se um excelente retábulo e o magnífico sacrário que hoje se encontra na Igreja Matriz. O Capitão Manuel Martins Fenais foi mordomo até 1650. O século XVIII foi calmo para esta ermida. Depois das revoluções liberais e do papel da Ilha e dos fortes como baluartes da salvação nacional, entre 1828 a 1834, a Ermida de Nossa Senhora da Graça caiu em esquecimento, vítima dos tempos que se viviam.

Por quase 20 anos, esta Ermida teve fechada ao culto, até que o padre José Ferreira Drummond, tio e padrinho do nosso ilustríssimo Francisco Ferreira Drummond, um hábil organista, que maior influência exerceu na formação espiritual de Francisco, de quem foi o 1º mestre, introduziu na Ermida os melhoramentos necessários com a contribuição de generosas dádivas. Não podemos esquecer que naquele tempo a família Drummond estava então intimamente ligada ao magistério primário e à governação da Vila de São Sebastião por várias décadas. A ermida da Senhora da Graça renascia de novo. A graça da Ermida estava de novo visível.

Já no século XX, em 1950, a Ermida sofreu novas obras de beneficiação, pois o altar carecia de ser substituído, bem como o púlpito. A Sacristia estava em ruínas e as portas encontravam-se desconjuntadas, tendo-se formado uma comissão presidida pelo Padre Joaquim Esteves para restaurar este templo. Renovava-se para um novo ciclo. Hoje em dia, a Junta de Freguesia concluiu novas obras de beneficiação que deram uma nova vida a esta Ermida.

A Ermida da Senhora da Graça tem uma só porta com uma janela mais acima e na frente está o adro, que é de diminutas dimensões vedado por um muro. Na parte interior, encontra-se o altar com o seu retábulo em arco, onde estão as imagens do orago, de Santa Luzia e de São Brás. O chão é todo lajeado a cantaria. A festa em honra da Senhora da Graça é festejada a 2 de fevereiro.

A Ermida da Senhora da Graça continua a ser o retrato vivo da relação entre Frei João da Ribeira e a Terceira, a sua religiosidade e a sua crença naquela graça que recebeu. Envolta em mistérios e lendas, a História da Ermida da Nossa Senhora da Graça mostra-nos a importância de preservar o património e a memória do nosso passado, mostrando-nos o percurso feito pelos nossos antepassados aos chegarem a esta terra e a sua força e garra para criar condições para que se vivesse e apreciasse a vida na Terceira.

Francisco Miguel Nogueira

NE: Texto publicado na edição impressa n.º 504 de 15 de setembro de 2017.