Jornal da Praia

PUB

A POLÍTICA E OS SEUS INCONVENIENTES

Terça, 26 de Setembro de 2017 em Opinião 209 visualizações Partilhar

A POLÍTICA E OS SEUS INCONVENIENTES

A política serve para melhorar a vida das pessoas, serve para que os humanistas sobressaiam, serve para que a liberdade seja privilegiada e para que a sociedade se desenvolva num caminho de estabilidade. Muitas vezes contraria-se os princípios a que a política devia corresponder por interesse pessoal ou por meia dúzia de votos.

As pessoas não deviam fixar-se na inutilidade que é uma cor, e ver nessa cor o critério prioritário da sua decisão. A política é mais do que partidos políticos, são pessoas e são ideias. Mas também são circunstâncias. Sou muito fiel ao pensamento de que a política é volátil. Obriga-se a lidar com ciclos.

Assistimos a cenários de peleja verbal, a amizades corrompidas pela força maligna da política e a interesses pessoais fortemente instalados em torno dos meandros da política. São as pessoas que definem a maturidade do nosso regime. Vemos pessoas que privilegiam o combate à diplomacia, o ataque ao debate. Assistimos a discursos de partidos que defendiam hoje uma coisa por estarem no poder, e amanhã o seu contrário, por já não estarem. Como se para se ser uma boa oposição, fosse obrigatório ser sempre do contra e a favor do não.

As pessoas é que fazem a política, ao votar, e legitimam, assim, os seus representantes. Esses representantes não podem ver nas pessoas números e uma contabilização estatística. Cada pessoa não é um mero voto. Nem cada pessoa é um amigo, por apoiar, ou um inimigo, por não apoiar. Cada pessoa é uma pessoa. Um ser humano, um membro ativo de uma comunidade, que merece respeito.

A peleja verbal é sintoma de que tudo vale na política. Vale atacar a pessoa, vale trazer o passado para o presente. Vale injuriar e gozar com o adversário. O debate entra num caminho sem saída, onde as ideias e propostas ocupam o segundo plano, e o concurso do ataque mais baixo ganha destaque.

As amizades deviam ser prioritárias nas relações humanas, e por consequência, na política. Vemos cisões totais em relações de amizade, em virtude de um projeto que se defende, que é contrário ao do amigo. Isso é mentalmente sensato? Coloca-se em causa uma relação de amizade, em virtude de eleições e triunfos pessoais? Parece-me um pensamento infantil.

A política não é de ninguém. Se é suja é porque alguém a sujou. Se é feia é porque alguém a fez assim. Se é horrível é porque alguém assim quis. E a culpa dela ser deste jeito é de todos nós, que passamos pelas coisas, olhamos e ignoramos. É culpa de todos nós porque não votamos e esperamos que outros possam decidir por nós. A política é suja, feia e horrível porque nós não a limpamos, nem a fazemos ser mais bonita.

Enquanto não percebermos que a política não rima com inimizade e com a negação absoluta do que o outro diz só porque sim, não avançamos. Enquanto não entendermos que o importante é o dia posterior às eleições, onde todos são iguais, os que votaram no vencedor e os que votaram nos derrotados, não avançamos. As eleições não são um concurso de seitas, onde quem sai vencedor governa o território, fragmentando-o e marginalizando quem não é seu partidário. Política somos todos nós, com todas as diferenças associadas, mas com liberdade racional para afirmar as nossas convicções.

Emanuel Areias