Jornal da Praia

PUB

PARA RUI NOGUEIRA DE TODO O TRABALHO REALIZADO, A AJUDA AO PRÓXIMO, FOI O QUE MAIS ALEGRIA LHE DEU

Sexta, 15 de Setembro de 2017 em Entrevista 137 visualizações Partilhar

PARA RUI NOGUEIRA DE TODO O TRABALHO REALIZADO, A AJUDA AO PRÓXIMO, FOI O QUE MAIS ALEGRIA LHE DEU

A 31 de março, na nossa edição n.º 493, iniciámos uma série de entrevistas aos presidentes de junta de freguesia do concelho da Praia da Vitória, no âmbito das eleições autárquicas do próximo dia 01 de outubro. O propósito do nosso trabalho, foi simplesmente dar o devido destaque ao generoso trabalho desenvolvido por mulheres e homens, que bastas vezes, em prejuízo das suas vidas pessoais e familiares, colocam o melhor si próprios na mais nobre de todas as causas – servir as populações que neles confiaram.

Utilizando como simples critério a ordenação toponímica da designação de cada freguesia, nas últimas 11 edições, estivemos na Agualva, com Noé Costa, nos Biscoitos, com Cecília Melo, no Cabo da Praia, com Mônica Brum, na Fonte do Bastardo, com Júlia Faria, nas Fontinhas, com Bruno Ávila, nas Lajes, com César Toste, no Porto de Martins, com Rita Branco, nas Quatro Ribeiras, com Rui Castro, em Santa Cruz, com Carlos Armando Costa, em São Brás, com Nuno Meneses, e hoje, terminamos na Vila Nova, com Rui Nogueira. A todos eles, o Jornal da Praia endereça uma palavra de agradecimento pela disponibilidade em nos receber e pela entrevista que gentilmente nos concederam.

Neste nosso último trabalho rumamos à Vila Nova, uma das mais dinâmicas freguesias do concelho em termos culturais e desportivas, profundamente devota do Divino Espírito Santo, que aqui assume um carácter impar, ao encontro, de Rui Nogueira, 55 anos, reformado e presidente da junta de freguesia há 12 anos, num elenco autárquico constituído por Vasco Lima, nas funções de secretário e presentemente candidato a presidente pelo PS nas próximas eleições e Luciano Lima nas funções de Tesoureiro.

De forma descontraída e numa boa disposição contagiante, Rui Nogueira, faz uma retrospetiva dos seus 3 mandados, realçando a obra feita, as dificuldades de percurso e a incessante preocupação em ajudar o próximo, que segundo nos diz, “mais do que a obra edificada”, lhe proporciona enorme alegria e lhe enche o coração.

Jornal da Praia (JP) – Como caracteriza em termos gerais o seu mandato?

Rui Nogueira (RN) – Excelente a meu ver, mas é uma opinião e como todas as opiniões subjetiva, admitindo com a maior naturalidade democrática que possam existir opiniões divergentes.

Alegra-me especialmente ter verificado a entrega e dedicação que todos os membros desta junta de freguesia, quer a equipa executivo quer os elementos da assembleia deliberativa desde o primeiro dia, em 2005, até ao presente, se empenharam em prol da nossa freguesia e das suas gentes, muitas vezes, em claro prejuízo das suas vidas pessoais e familiares.

Ao longo de todo este tempo muito foi feito, mas nunca se faz tudo e como é natural muito ainda está por fazer. Isto é bom, porque permite que os próximos jovens que entrarem, sejam eles quais forem, independentemente da sua filiação ou cor partidária, dar continuidade a um trabalho orientado para o crescimento da freguesia e bem-estar dos seus residentes.

JP – De todo o trabalho realizado, qual é aquele que do seu ponto de vista, marca a sua presidência, assumindo-se essencial no progresso e desenvolvimento da Vila Nova?

RN – Poderia apresentar uma extensa lista, no entanto e indo ao encontro da sua pergunta, destaco o trabalho realizado nas Escaleiras e Porto de Pescas. Não só estas propriamente ditas, mas também toda a intervenção na zona envolvente. Esta intervenção veio dotar toda aquela zona de outra dignidade, tornando-a mais bonita e aprazível, constituindo um chamariz não só de locais mas também de forasteiros à nossa freguesia.

Destaco também o Centro Multi-Serviços onde alberga a RIAC, Creche, ATL, Centro Comunitário e Apoio ao Domicílio.

Destaco ainda a cozinha Regional na Sociedade Filarmónica, a instalação de um Posto de Farmácia na Junta de Freguesia, que apresenta-se como uma mais-valia não só para a Vila Nova como ainda para as freguesias vizinhas.

Muito mais poderia destacar – mas, o que efetivamente me marcou – foi todo o apoio prestado ao nível da habitação degradada e o acompanhamento e resolução dos problemas da nossa população, por vezes de carácter particular. Este tipo de trabalho, ao nível da solidariedade e da ajuda ao próximo, mais do que a obra edificada, deu-me particular alegria e encheu-me o coração.

Foram três mandatos muito difíceis, mas modéstia à parte, penso terem sido bem conseguidos. E a prova disso, é a renovação da confiança dos vilanovenses ao longo destes últimos 12 anos.

JP – No início deste seu último mandato mostrou-se determinado em resolver os problemas relacionados com a antiguidade da rede de esgotos da freguesia, apontando a construção de uma ETAR. Esta questão está completamente resolvida e se sim de que forma?

RN – Foi uma das preocupações constantes desta Junta de Freguesia e da Camara Municipal da Praia da Vitória. O processo está presentemente em andamento, pois já foi apresentada candidatura ao PO (Programa Operacional), para que se possa dar início a tão esperada obra. Esta questão sempre foi e acredito que continuará a ser uma das grandes prioridades da freguesia e da sua junta, e um dia, a obra será uma realidade para imensa satisfação minha e de todos os meus conterrâneos.

JP – Outros dos vários projetos que há 4 anos afirmou ir empenhar-se na sua concretização foi a reconstrução da Casa do Passal e o melhoramento do Porto de Pescas. Estes projetos foram concretizados e que valências trouxeram à freguesia?

RN – Em relação ao Porto de Pescas, a realidade fala por si, de resto como tive a oportunidade de destacar atrás. Acrescento que esta intervenção consistiu na proteção da rocha junto à estrada de acesso ao porto, no levantamento do muro junto à casa de aprestos, na forragem das casas em pedra. A gruta existente na rocha foi melhorada, assim como os respetivos acessos. A infraestrutura é utilizada por todos os pescadores, os quais se têm manifestados satisfeitos com as condições aí oferecidas para a execução da sua labuta.

Em relação ao Passal, a verdade é que já podia estar pronto há muito tempo, mas por um conjunto de razões que neste momento penso ser inoportuno referir ainda encontra-se por concluir. Posso todavia adiantar, que será construído um Centro de Catequese. Confesso que o gostaria de ter inaugurado, mas infelizmente e por motivos alheios a esta Junta tal não foi possível. Resta-me a satisfação de saber que neste momento está tudo bem encaminhado.

JP – Quais são as principais dinâmicas desportivas e culturais da freguesia?

RN – Na componente desportiva e cultural somos uma freguesia riquíssima. Desde logo, o quarto clube mais antigo da ilha em atividade pertence-nos – Sport Club Vilanovense – 64 anos de existência ininterrupta com escalões de formação. A seguir aos clubes das cidades, a Vila Nova, é a que nunca interrompeu o seu percurso. Depois temos a escolinha de Surf da Vila Nova, cuja monitora é a senhora Bernardete Rosa.

O pavilhão, também está a funcionar e muito bem, com grupos de jovens a praticar desporto, bem como a terceira idade e as crianças da Escola Básica e Jardim de Infância.

Em termos culturais, as nossas festas estão sempre ativas e contamos com várias festividades, sendo elas: Festa da Senhora da Ajuda em honra de São Pedro e São Paulo; A Festa de São João e a Festa do Sagrado Coração de Jesus. A festa do Espírito Santo, é o ponto mais alto, sendo os seus bodos, o ex-libris da freguesia. Toda a comunidade se junta em ato de fé e preservando com muito amor esta tradição.

Temos ainda três escritores que recentemente e neste mandato já lançaram 4 livros, para não falar em tantos outros que já faleceram, como o senhor Chico Roco, Fortunato Melo André, etc. etc.

Por fim mas não em último, gostaria de salientar a nossa Filarmónica, que celebrou os seus 60 anos, sendo premiada com uma farda nova.

JP – No passado manifestou o desejo de implementar um grupo de teatro na freguesia, no sentido valorizar não só as artes cénicas, mas também prolongar, para além do carnaval, a “vida” da sala de espetáculos da freguesia. Como é que estamos relativamente a isso?

RN – A sala da espetáculos ao contrário do que muita gente pensava, que era só para o Carnaval, tem sido ultimamente bastante utilizada. No espaço de 1 mês foram lançados 2 livros naquele espaço, de 2 jovens escritores desta freguesia. Foi também realizada uma gala de mérito e excelência, onde homenageamos algumas figuras e empresas locais.

Em relação ao grupo de teatro, continua a ser um desejo nosso, inclusivo já contactamos algumas pessoas e neste momento o projeto encontra-se em fase de estudo.

JP – Os Censos 2011 atribuíram à Vila Nova 1.678 habitantes, uma redução de 2,95% em relação aos Censos de 2001. Por outro lado a população sénior (65 e mais anos) cresceu 14,29%. No passado apontou o PDM (Plano Diretor Municipal) como um obstáculo sério à fixação de casais jovens. Neste âmbito que diligências foram feitas no sentido de obviar este obstáculo e por conseguinte travar esta tendência de envelhecimento?

RN – Ainda nem fez um mês, estivemos em reunião com a Camara Municipal da Praia da Vitoria para debatermos este problema, inclusive está a ser, ou melhor, já esta preparado para entregar na CMPV o que pretendemos e achamos importante para a fixação destes casais jovens na freguesia. É preciso no entanto realçar, que nos últimos anos, têm-se vindo a fixar muitos novos casais na freguesia, o que nos satisfaz de sobremaneira, porém continuaremos a envidar todos os esforços para que esta tendência de envelhecimento se altere e possamos cada vez mais captar novos casais.

JP – Como tem sido o relacionamento institucional da sua junta de freguesia com a Câmara Municipal e o Governo Regional?

RN – Uma das marcas características da minha personalidade é a forma sincera e aberta como me relacione com as pessoas, dando-me bem com todos. Na qualidade de presidente de junta adote a mesma conduta numa postura de serviço à minha freguesia.

O relacionamento tem sido muito bom, quer com a Câmara Municipal quer com o Governo Regional, aliás como penso ser o de todas as restantes freguesias, já que todos temos o mesmo objetivo comum, trabalhar em prol das populações que em nós confiaram.

JP – O atual secretário da junta, Vasco Lima, é o candidato do Partido Socialista à Junta de Freguesia. Sempre disse que “quem vier a seguir terá coisas a fazer e a refazer”. Caso o Vasco Lima mereça a confiança dos vilanovenses, terá mais a fazer ou a refazer?

RN – O Vasco Lima é um jovem dinâmico, interessado e preocupado com a sua freguesia. Ele tem imensas ideias, e se o povo o eleger irá continuar a fazer muito por esta nossa linda comunidade.

É importante manter limpo e a funcionar o que já foi feito, mas quanto ao “refazer”, isto será obviamente com ele ou com qualquer outro candidato que o povo livre e soberanamente possa escolher. É importante melhorar e a equipa que ganhar se entender “refazer”, por mim tudo bem, desde que seja para o melhor da freguesia. O Rui, cá estará para apoiar, aplaudir e publicamente parabenizar seja ele quem for. Uma garantia vos dou, não vou sentir inveja e deixar de louvar aquele que faça algo importante para o bem da nossa freguesia.

JP – Para terminar, existe alguma mensagem que gostasse de deixar aos residentes da Vila Nova em particular e aos praienses em geral?

RN – Tenho sim. Primeiro, dizer que a freguesia e o concelho, estão acima de qualquer interesse pessoal e corporativo. Depois, salientar que acredito nos jovens e nas suas capacidades, sendo necessário dar-lhes oportunidades para mostrarem o seu valor.

Ao povo da minha freguesia gostaria de agradecer, a confiança que tiveram em mim e na minha equipa, nestes três mandatos. Reafirmar que ao longo destes 12 anos – por vezes muito difíceis – tudo fizemos para que a Vila Nova crescesse, sem olhar à cor política, porque felizmente, apoiamos todas as instituições, todas as pessoas que nos bateram à porta, nos entregamos de corpo e alma a esta missão. Pois, foi para isso que os Vilanovenses nos elegeram.

Quanto ao futuro, a Deus pertence, espero e desejo que façam uma campanha limpa porque a freguesia precisa de todos nós. O povo escolherá quem achar melhor.

Obrigada a todos os que me apoiaram, que estiveram ao meu lado, a todos os que me criticaram, desejo-lhes tudo de bom e não guardo rancor de ninguém.

Obrigado ao jornal da Praia e muito sucesso!

JP/Foto: Rui Sousa

NE: Entrevista publicada na edição impressa n.º 503 de 18 de agosto de 2017