Jornal da Praia

PUB

Eleições Autárquicas

Sexta, 15 de Setembro de 2017 em Editorial 406 visualizações Partilhar

Eleições Autárquicas

Já se respira num ambiente de plena campanha eleitorial para as eleições autarquicas agendadas para o dia 1 Outubro de 2017, e são frequentes as iniciativas dos partidos políticos - infelizmente de cariz nacional, pois a Constituição da Republíca Portuguesa proíbe a existência de partidos politicos regionais, ao invés do que sucede nos países do mundo mais evoluidos democrática e economicamente - a apelarem ao voto nas listas dos seus cadidatos, fazendo de tudo ao seu alcance para  grangearem eleitores.

São cerca de um milhar os candidatos que participam nas eleições autarquicas na Ilha Terceira, e estas eleições são aquelas em que os populares melhor se revêm, pois estão em causa a governação das freguesias e dos concelhos, por isso o povo entusiasma-se e empenha-se com mais persistência e actuação, por estar em causa o desenvolvimento das suas freguesias e concelhos.

Os candidatos que forem eleitos para a governação ou oposição das autarquias locais, não devem tratar-se a si mesmos com consideração desmedida, salvaguardando os seus interesses pessoais e familiares, em detrimento dos verdadeiros interesses sociais, porque "homens sem coração sensível" não servem para ocupar cargos públicos e políticos.

É facto notório que a forma de se governar mal, tem como causa essencial a falta de bons colaboradores e conselheiros, pois por vezes pode acontecer infelizmente ao politico eleito não se rodear dos mais dignos, dos mais capazes e dos mais beneméritos, porque estes não são parentes, não são amigos, não são recomendados, e assim ficam de fora, para prejuízos de tudo e de todos.

Por isso resta-nos a esperança que os candidatos eleitos – para a governação ou para oposição dos poderes locais – estejam sempre inspirados no cumprimento do seu dever cívico, trilhando sempre os caminhos da verdade e do progresso, pois só assim se consegue chegar a metas justas.

A democracia não é, nem pode ser sinónimo do exercicio de uma tirania partidária, e para quem chega ao poder não há caminhos feitos, mas, apenas caminhos a construir para o bem das comunidades.

O Diretor,
Sebastião Lima
diretor@jornaldapraia.com