Jornal da Praia

PUB

AFIRMA NUNO MENESES: “DE UMA FORMA GERAL PENSO QUE ESTE FOI UM MANDATO CONSEGUIDO”

Domingo, 03 de Setembro de 2017 em Entrevista 746 visualizações Partilhar

AFIRMA NUNO MENESES: “DE UMA FORMA GERAL PENSO QUE ESTE FOI UM MANDATO CONSEGUIDO”

Confrontando com as freguesias de Fontinhas, Vila Nova, Agualva e a vila das Lajes no concelho da Praia da Vitória e com a Vila de São Sebastião no concelho de Angra do Heroísmo, a freguesia de São Brás, apresenta uma área de 5,30 Km2 e uma população residente de 1.088 habitantes (Censos 2011).

A esforços do Padre Alfredo Alves Lucas, o curato de São Brás foi elevado a freguesia a 17 de fevereiro de 1951 e recebeu da diocese de Angra do Heroísmo o título de Paróquia a 1 de março de 1958. Dez anos depois de ter sido nomeado cura de São Brás, vindo de São Mateus, por iniciativa do Padre Lucas é benzido o cemitério local em 1948. Unanimemente reconhecido como o “pai de São Brás”, a sua memória encontra-se perpetuada para o futuro com um busto no adro da Igreja e com a atribuição do seu nome à principal artéria da freguesia, numa iniciativa da junta de freguesia.

Em termos socioeconómicos as principais atividades produtivas da freguesia é a agricultura e a pecuária. Arquitetonicamente, a freguesia caracteriza-se por um parque habitacional fortemente enraizado na arquitetura do “Ramo Grande”, onde é possível observar excelentes exemplares em ótimo estado de conservação. A Igreja de São Brás, construção do século XV, constitui o monumento de maior interesse histórico da freguesia.

Nuno Meneses, 35 anos, professor, assume há 8 anos a presidência da Junta de Freguesia de São Brás, numa equipa constituída por Elmano Veríssimo como secretário e Marco Toste na qualidade de tesoureiro.

Satisfeito com o grau de execução das propostas sufragadas há 4 anos, Nuno Menes, considera que a opção de garantir o funcionamento do centro de ocupação de tempos livres para as crianças, com uma das decisões mais importantes do seu mandato, num exercício de funções públicas, que entende afirmar-se pela tomada de decisões orientadas por critérios de servir as populações e as suas necessidades.

Candidato a um terceiro mandato, o jovem autarca propõe-se a dar continuidade ao trabalho até agora desenvolvido, assim como a lançar novos projetos e ideias a bem da freguesia e das suas populações.

Jornal da Praia (JP) – Como caracteriza em termos gerais o seu mandato?

Nuno Meneses (NM) – De uma forma geral penso que este foi um mandato conseguido. Há quatro anos comprometemo-nos a executar um conjunto significativo de propostas e penso que podemos considerar que o grau de execução dessas mesmas propostas foi muito satisfatório. Como é normal, queremos fazer sempre mais e melhor, mas temos também de ter noção de que apesar de termos tido orçamentos aprovados que nos deram algum conforto financeiro, os tetos a que estávamos sujeitos eram também um elemento limitador a que nos tivemos naturalmente de sujeitar. Contudo penso que governar é isso mesmo, fazer opções que permitam responder com critério àquelas que são as necessidades mais prementes da freguesia, para o seu bom funcionamento, e para garantir a qualidade de vida das pessoas.

JP – De todo o trabalho realizado, qual é aquele que do seu ponto de vista, marca a sua presidência, assumindo-se essencial no progresso e desenvolvimento de São Brás?

NM – Nem sempre as obras mais vistosas são as mais importantes! Se tivesse de eleger a decisão que tive de tomar e que definiu também uma opção em detrimento de outras, elegeria a opção que foi feita, em articulação com a Câmara Municipal da Vitória, para garantir o funcionamento do centro de ocupação de tempos livres para crianças, que temos a funcionar em São Brás. Ter sido possível garantir o seu funcionamento durante este mandato, foi quanto a mim, para além do garante do funcionamento da Escola Básica 1/JI de São Brás com um número significativo de alunos, também a garantia do acompanhamento das crianças depois do horário do término das aulas. Penso que uma decisão tão simples como esta, teve um impacto enorme na qualidade de vida dos casais jovens da freguesia e dos seus filhos.

JP – Estão criadas as condições para que este funcionamento possa continuar a ser garantido, ou é algo que terá ser visto ano após ano, conforme o número de alunos?

NM – A decisão de manter a Escola Básica 1/JI de São Brás em funcionamento é uma decisão que cabe única e exclusivamente à tutela e, até agora, nunca esteve em cima da mesa. O que é certo é que para nós, o seu funcionamento é importantíssimo para a freguesia, mas acima de tudo para os pais e para as próprias crianças. Contudo, sabemos que uma escola com um número muito diminuto de inscritos, pode, do ponto de vista pedagógico, não ser tão proveitosa para os alunos. Foi por isso que se procurou também ter uma atuação proativa, no sentido de, por um lado precaver esse possível decréscimo, por outro, criar condições que tornassem a escola viável e apetecível para os diversos intervenientes no processo educativo.

JP – Em termos de atividade económica a freguesia de São Brás é predominantemente agrícola. Qual a importância de iniciativas como as “Jornadas Agrícolas” que se realizaram aqui em março passado, para a comunidade local de agricultores?

NM – O setor primário nomeadamente associado à agricultura continua ainda a ter um peso importante na economia das famílias que aqui vivem, de maneira que a escolha de São Brás para a realização das décimas jornadas foi naturalmente feliz e terá sido proveitosa, não só, mas também, para os agricultores de São Brás. Sabemos que o setor não atravessa o melhor período da sua história mais recente, principalmente ao nível do setor leiteiro, onde o fim das quotas, associado a um conjunto de fatores externos criaram uma desregulação do mercado e uma enorme dificuldade para o agravamento da capacidade do escoamento da produção. O desafio será certamente o de continuar a produzir um produto de qualidade, que é o que nós sabemos fazer melhor. Claro que a jornadas são um momento importante para se promover a reflexão sobre as práticas de cada agricultor, de forma a que saiam ideias e energia renovada para seguir em frente, na defesa da agricultura do nosso concelho, da nossa ilha e da nossa região.

JP – Quais são as principais dinâmicas desportivas e culturais da freguesia?

NM – A freguesia de São Brás, apesar da sua dimensão, é bastante dinâmica do ponto de vista desportivo e cultural.

Ao nível do desporto federado, temos uma equipa de Futsal a competir, graças ao empenho de um grupo de jovens que tem sido capaz de, de uma forma criativa, dotar a estrutura dos recursos financeiros necessários para garantir a participação neste nível de competição. Depois, e graças ao pavilhão polidesportivo construído em 2009, tem sido possível a prática desportiva por parte de grupos informais de jovens, assim como a dinamização da atividade física no âmbito do programa “Freguesias Ativas” e da ginástica destinada ao público sénior.

Em termos culturais temos a Filarmónica União de São Brás e o Grupo de Folclórico da Casa do Povo de São Brás (que este ano festejou as suas Bodas de Prata) que se mantêm ativos durante todo o ano, contribuindo para a formação musical assim como para o perpetuar das nossas tradições.

Para além destes grupos com atividade continuada ao longo do ano, existem quatro grupos de carnaval na freguesia, e tem sido hábito também, já há alguns anos, a realização de uma marcha popular que se estreia sempre pela altura do São João.

JP – Qual o papel da junta de freguesia nestas dinâmicas?

NM – Cada vez mais o movimento associativo ganha expressão, sendo considerado uma mais-valia no desenvolvimento da sociedade. Este reflete o comportamento social dominante nas próprias comunidades e é visto como uma forma de juntar interesses comuns, defendendo pontos de vista de forma global.

É comum ouvir-se dizer que a freguesia de São Brás é uma freguesia bastante dinâmica para a dimensão que tem.

Naturalmente que a Junta de Freguesia se orgulha das suas associações e instituições que têm ao longo do tempo - com maior ou menor dificuldade - tido a capacidade de se irem renovando, reinventando e, assim, subsistirem.

Por essa razão, pela importância que têm e pela mais-valia que representam, têm sido pela Junta de Freguesia acarinhadas, pois, não temos nunca intenção de as substituir ou competir com aqueles que são os objetos sociais dessas instituições, mas antes, apoiá-las e colaborar no cumprimento da sua missão. Fizemos aprovar um regulamento de conceção de apoios às associações sem fins lucrativos da freguesia de São Brás, precisamente para contribuirmos financeiramente com os seus planos de atividades, o que se tem revelado uma ajuda simbólica, mas estimulante para o crescimento das mesmas.

JP – Em abril passado decorreu a “Onda Cultural de São Brás”, assinalada por entre outras iniciativas por um ciclo de conversas intituladas “Vamos Falar de...”. Do que falaram, que impacto teve e que importância atribui a esta iniciativa na preservação do património material e imaterial da freguesia?

NM – A Onda Cultural de São Brás é uma iniciativa que nasce nesta freguesia em 2008 e que resulta da colaboração entre Junta de Freguesia de São Brás e Câmara Municipal da Praia da Vitória. É uma iniciativa que já vai na sua 10ª edição, e tem tido como principal objetivo descentralizar as atividades culturais dos centros urbanos, trazendo-as aos meios rurais.

Este ano, à semelhança do ano passado, associamo-nos também à Casa do Povo de São Brás, que teve a iniciativa de, em conjunto com a Junta de Freguesia, iniciar os ciclos de conversas “Vamos Falar de:”. Nesta medida e graças à aceitação que esta iniciativa tem tido por parte da população, resolvemos manter este formato.

No dia 22 de abril deu-se início aos serões intitulados “Vamos falar de:”, onde o tema foi a Viola da Terra, com a presença do Professor Lázaro Silva, e do construtor de Violas da Terra, António Mota, tendo atuado as Violas da Terra do Ramo Grande e o Grupo Folclórico de São Brás.

A preparação do programa de 28 e 29 de abril contou ainda com a colaboração da Tertúlia Tauromáquica Praiense, onde o tema em destaque foi os touros e as touradas, tendo sido o primeiro dia reservado à explicação de “Como ver uma corrida de praça à Portuguesa” pelo Dr. Vasco Lucas e o segundo dia sido reservado a um debate alargado sobre a tauromaquia com os Palestrantes Dr. Vasco Lucas da “Associação portuguesa de criadores de toiros de lide” e o Dr. Hélder Milheiro da “Plataforma protoiro”.

São serões temáticos, de grande interesse, onde é possível beber o enorme conhecimento dos intervenientes e onde é também possível beber o enorme conhecimento dos intervenientes e onde é também possível friamente e com um certo distanciamento, apreciar as nossas tradições, perceber como tem vindo a ser feita a sua evolução, analisando-se o passado o presente e perspetivando-se o seu futuro e o caminho a seguir para que assim permaneça a sua longevidade.

Sem querer ser pretensioso, acho que posso dizer que estes revelam-se momentos de reflexão importantes, feitos por gente que ama a sua Terra e a sua Cultura.

JP – Aquando da “Onda Cultural” foi apresentado o roteiro turístico “São Brás a Pé”. Em que consiste este roteiro e que adesão é que tem recebido?

NM – Tem sido sempre nossa preocupação a de intervir em áreas de importância fundamental como o Turismo e o Lazer.

O Roteiro Turístico de São Brás apresentado, é apenas um exemplo disso. Não temos a pretensão de pensar que São Brás venha a tirar diretamente grandes dividendos de um aumento dos fluxos turísticos para a Terceira, até porque esse é um setor de atividade que não tem expressão na nossa freguesia. Acredito sim que podemos contribuir para a promoção do destino “Terceira” como um todo e é nessa perspetiva que surge o Roteiro Turístico da freguesia de São Brás.

Hoje dispomos de um parque de lazer fantástico e de um trilho pedestre de interesse reconhecido bastante procurado por locais, mas essencialmente por visitantes nacionais e estrangeiros. Nesta medida penso que o roteiro turístico “São Brás a Pé” é um instrumento importante de divulgação da nossa freguesia e dos pontos de maior interesse.

JP – A Zona de Lazer de São Brás recebeu em tempos o “Festival Azure”, o que determinou a sua ida para Santa Bárbara?

NM – Na realidade o “Festival Azure” realizou-se durante quatro edições na Zona de Lazer de São Brás. Embora fosse um festival de música, aliava uma componente de contacto com a natureza e de preservação do meio ambiente, onde a sustentabilidade era também um tema que não passava em claro a quem participava no evento, sendo isso visível na decoração do espaço, nos workshops que se realizavam, e, enfim nas dinâmicas que se criavam até mesmo dentro da própria freguesia. A Junta de Freguesia entendeu o projeto desde o seu início e acedeu colaborar com a organização para que fosse possível a sua realização, cedendo o espaço e dando algum apoio não financeiro.

O que é certo é que a logística do festival era bastante grande e da parte da organização houve necessidade de rever o conceito, decisão que nos foi apresentada e que naturalmente aceitamos.

JP – Sim, mas no âmbito da revisão do conceito que lhe foi apresentado, qual o motivo ou motivos que levaram à deslocalização para Santa Bárbara?

NM – O principal motivo prendeu-se, segundo a organização, com a necessidade de garantir a sustentabilidade financeira do festival. Como disse, procuravam diminuir a logística necessária, o que passaria pela opção de recorrer a um recinto mais pequeno, que contribuísse para a redução de despesas fixas que de outra forma seriam difíceis de ultrapassar. Como da nossa parte nunca houve apoio financeiro para o festival, acabámos por compreender a decisão.

JP – Como tem sido o relacionamento institucional da sua junta de freguesia com a Câmara Municipal e o Governo Regional?

NM – Se considerarmos o quadro de competências que a lei transfere para uma Junta de Freguesia, percebemos que a nossa capacidade de atuação é muito diminuta em relação àquelas que são as legítimas expetativas da população. Para conseguirmos dar resposta a essas solicitações, é vital uma colaboração efetiva entre Junta de Freguesia, Município e Governo Regional. Esse relacionamento tem sido, felizmente, e para bem das pessoas, muito cordial, saudável e profícuo o que me deixa muito satisfeito.

JP – Segundo os censos de 2011, São Brás regista uma população de 1.088 habitantes. Comparativamente a 2001, verificou-se um crescimento de 7,51%, sendo que na faixa etária dos 25 aos 64 anos, este crescimento foi de 24,80%. Esta tendência de crescimento da população continua a registar-se hoje?

NM – A freguesia de São Brás tem sido um local apetecível para muitos casais jovens que procuram constituir família. Penso que a sua localização geográfica é uma mais-valia pela proximidade às duas cidades da ilha. No entanto, o facto de ser um local pacato, mas ao mesmo tempo com as   valências   que  encontramos  em freguesias de maior dimensão, tornou-se um chamariz que fez aumentar o número de famílias e de pessoas, principalmente nessa faixa etária. Hoje continua a registar-se essa tendência, contudo esse processo terá sofrido uma desaceleração, pois o “boom” da construção que se observou até 2009, sensivelmente, só agora começa a retomar e isso tem evidentemente reflexo também em São Brás.

JP – Foi recentemente anunciado como candidato a um novo mandato. Caso venha a ser reeleito, o novo mandato será essencialmente de continuidade ou também há novos projetos e ideias?

NM – Sim. Serei de novo candidato. Legalmente, é-me permitido fazer mais um mandato enquanto Presidente, e atendendo a esse facto, acho que posso ainda contribuir com o meu trabalho, empenho, dedicação e energia a favor da comunidade de São Brás. Estou disponível para isso caso veja renovada a confiança dos habitantes de São Brás no próximo dia 1 de outubro. Proponho-me a liderar um projeto que passará também pela continuidade do trabalho desenvolvido até a este momento. Mas se é verdade que o que foi conseguido é para mim motivo de satisfação, considero que existem novos projetos e ideias que conseguiremos ainda concretizar a bem da freguesia.

JP – Para terminar, existe alguma mensagem que gostasse de deixar aos residentes de São Bás em particular e aos praienses em geral?

NM – Sim! Gostaria de manifestar o meu apreço por todos quantos abdicam do seu tempo para se dedicarem ao bem comum e, igualmente, faço o apelo a todos, sobretudo aos mais jovens, para que continuem a contribuir de forma decisiva para o progresso das suas freguesias, porque assim estaremos a garantir o futuro de todos, ou seja, o futuro do nosso concelho.

JP/Foto: Rui Sousa

NE: Entrevista publicada na edição impressa n.º 502 de 04 de agosto de 2017.