Jornal da Praia

PUB

Queda dos Salários Reais

Sexta, 18 de Agosto de 2017 em Editorial 61 visualizações Partilhar

Queda dos Salários Reais

Os salários caíram anualmente em Portugal 0,7% entre 2009 e 2016 (corrigidos pela inflação), segundo um estudo publicado em Bruxelas e efectuado pela Confederação Europeia de Sindicatos, em parceria com o Instituto Sindical Europeu.

Na verdade, o nosso país é um dos países da União Europeia onde desde há oito anos os trabalhadores ganham menos.

Não é com novos incentivos ao empreendedorismo e com a criação de empregos precários e de baixos salários que iremos certamente sair da pobreza onde nos encontramos há muito tempo mergulhados.

Só com uma política de verdadeiros incentivos ao empreendedorismo e ao pleno emprego, justamente remunerado, terá um papel relevantíssimo no desenvolvimento económico do país e do bem-estar das suas populações.

O neoliberalismo, é inimigo do sindicalismo e dos aumentos salariais, não havendo volta a dar à forma de haver soluções que ultrapassem de maneira digna este paradigma.

A política e os políticos, devem enveredar por caminhos onde a economia social e os investimentos empresariais de base local e regional, sejam uma realidade sustentável que gere riqueza em prol do povo.

As dívidas soberanas monstruosas e impagáveis terão forçosamente de ser renegociáveis e parcialmente perdoadas, para que a crise económica e financeira possa ser ultrapassável, e as forças laborais devidamente remuneradas, e por isso tem razão o economista Thomas Piketty, quando apela aos políticos europeus, no seu livro “O Capital”, no sentido de se aumentar os salários dos trabalhadores, mas na prática os principais partidos políticos europeus “continuam casados com o neoliberalismo”.

“A riqueza se fez de muitas pobrezas”, defendia Senéca, professor de retórica na Antiga Roma, e por isso para compreendermos bem a questão do crescimento económico convergente com o bem-estar social, não podemos pugnar por uma política de baixos salários e destruição dos direitos dos trabalhadores, porque não podem os trabalhadores em pleno seculo XXI serem considerados apenas como números, como unidades abstractas, sujeitos a regras comuns, “onde não contam as particularidades, nem os aspectos pessoais”. As suas atitudes não se podem medir exclusivamente por critérios economicistas e estatísticos, mas por princípios morais e éticos que regem universalmente as relações entre os homens, “no trabalhador se deve ver, antes de mais, a pessoa humana, e esta exige que seja respeitada com a sua dignidade” acima de tudo.

O Diretor,
Sebastião Lima
diretor@jornaldapraia.com