Jornal da Praia

PUB

Monsenhor Mateus das Neves

Quinta, 27 de Setembro de 2007 em Editorial 994 visualizações Partilhar

Monsenhor Mateus das Neves, ou melhor Monsenhor Mateus da Conceição Rocha das Neves, nasceu no seio de uma família distinta da então Vila da Praia da Vitória em 26 de Setembro de 1907, e faleceu no dia 1 de Janeiro de 1984, no Hospital de Angra do Heroísmo.

 

No dia 26 de Setembro do corrente ano, a Câmara Municipal da Praia da Vitória e a Santa Casa da Misericórdia da Praia da Vitória, celebraram de forma digna as cerimónias da comemoração do centenário do nascimento do Monsenhor Mateus das Neves, descerrando uma lápide em sua homenagem, junto do antigo hospital desta cidade, seguindo-se a Eucaristia Solene na Igreja Matriz de Santa Cruz às 19H00 e pelas 20H30 houve lugar a uma sessão solene nos Paços do Concelho, cujo o orador é o Senhor Dr. Manuel da Costa Freitas, seguindo-se a apresentação da segunda edição da obra o “Poente”, da autoria do Monsenhor Mateus das Neves, pessoa ilustre, extremamente educado e delicado, dotado de uma grande cultura e personalidade, Monsenhor Mateus das Neves é sem dúvida alguma um marco de referência, não só a nível do sacerdócio, mas também a nível cultural da nossa terra.

 

Formado em música, também se destacou como poeta e escritor de grande nível, segundo os “moldes clássicos” e das suas obras destacam-se desde já “Macau entroncamento de dois mundos”, “O Poente”, “Trindades”, “Crepúsculo” e “Contos e Casos”.

 

Monsenhor Mateus das Neves notável pregador, formou-se no Seminário de S. José de Macau, foi o padre Machado de Lima, missionário e natural das Cinco Ribeiras que o levou em 1921 para aquele território Português da Ásia, onde foi ordenado sacerdote a 20 de Julho de 1930.

 

Foi também um músico distinto, formou-se no Conservatório Nacional de Lisboa.

 

Foi pároco de S. Loubros, vindo depois para a Metrópole, nomeadamente para a Covilhã, onde se evidenciou como músico e jornalista.

 

Mais tarde seguiu para Angola, fixando-se em Benguela, em cuja diocese se incardinou, ali foi professor de Português e de Música no liceu local, e foi nomeado vigário geral da Diocese, chegando a vigário capitular.

 

No resto da sua vida regressou à sua terra Natal, a Praia da Vitória, após a proclamação da independência de Angola em 1975, e continuou o seu profícuo trabalho, foi chefe da redacção do Jornal União, capelão da Casa de Repouso de Angra do Heroísmo para que foi nomeado a 28 de Novembro em 1977, foi pároco provisório de S. Bento, em Angra do Heroísmo, e capelão do Lar D. Pedro V, na Praia da Vitória (23.01.1980).

 

O Jornal da Praia não pode deixar de se solidarizar nesta justa homenagem a esse grande intelectual, a esse perfeito homem de bem, a esse Praiense de boa raiz, para que a sua memória perdure como exemplo a seguir pelas gerações vindouras.

 

Sebastião Lima