Jornal da Praia

PUB

CLÁUDIA MARTINS QUER “DEVOLVER A VITÓRIA AO CENTRO HISTÓRICO” DA CIDADE

Sexta, 11 de Agosto de 2017 em No Concelho 426 visualizações Partilhar

CLÁUDIA MARTINS QUER “DEVOLVER A VITÓRIA AO CENTRO HISTÓRICO” DA CIDADE

Em dia de feriado municipal no concelho da Praia da Vitória, o PSD depois de formalizar a sua candidatura aos órgãos autárquicos da Praia da Vitória, no tribunal judicial da cidade, na passada segunda-feira, 07 de agosto, apresentou nesta tarde de sexta-feira, 11 de agosto, no exterior do Restaurante “La Barca”, no final da nova avenida marginal em frente à baía da Praia da Vitória, publicamente os seus candidatos às eleições autárquicas do próximo dia 01 de outubro.

A sessão que iniciou-se com um momento musical nas vozes de Evandro Mendes e Jéssica Silva, apresentou os 14 candidatos (7 efetivos e 7 suplentes) do PSD à Camara Municipal da Praia da Vitória, que surgiram por ordem decrescente de lugar na lista. Assim o primeiro nome a ser chamado foi José Fernando Gomes, Economista, seguiu-se Kathleen Aguiar, Jurista, Délia Serpa, Assistente Técnica, Jorge Ávila, Empresário Agrícola, Filomena Canedo, Assistente Técnica, Rui Martins, Professor, Amélia Borges, profissional de Turismo, o candidato Luís Ruivo, Engenheiro de Sistema de Energias, não pode estar presente, passando-se para Diana Silva, Bancária, Marília Coelho, Enfermeira, Tiago Borges, Engenheiro Civil, Rui Espínola, Professor e finalmente Cláudia Martins, Assessora Parlamentar no Parlamento Europeu, que apareceu ao lado do presidente do partido Duarte Freitas.

No uso da palavra, Teresa Quadros, mandatária da candidatura, disse ter aceitado este desafio porque é urgente devolver à Praia da Vitória o “desenvolvimento económico e social de outrora”, que tem vindo a perder nos últimos 12 anos.

Por sua vez, Clélio Meneses, candidato à presidência da Assembleia Municipal, diz que a sua candidatura é mais do que uma candidatura partidária e constitui um ato cívico, de quem sendo verdadeiramente amigo da Praia não “pode ficar indiferente“ perante o seu rumo atual. Segundo afirmou, “esta é uma candidatura” contra a “gestão que cria dependências”, contra “o fazer por fazer sem visão estratégica”, contra “as promessas que iludem as pessoas”, contra “uma Praia morta, sem vida e relevância”, contra “as desculpas fáceis com os americanos” e contra “uma Praia submissa às chefias socialistas”, sejam elas locais, regionais ou nacionais. Salientou ainda a coragem de Cláudia Martins, ao assumir uma candidatura numa Praia “democraticamente amordaçada”, a quem reconheceu competência e humildade para encetar um novo projeto de mudança.

Duarte Freitas, presidente do PPD/PSD, afirmou que Cláudia Martins é uma cidadã do mundo que nestas eleições “não precisa da vitória, mas que a Praia precisa muito da sua vitória, para contando com a sua categoria e experiência, lhe dar oxigênio, libertando-a desta asfixia democrática”.

Antes do discurso de Cláudia Martins, foram apresentados os 10 candidatos às presidências das juntas de freguesia, a saber:
Agualva – Hélio Rocha
Biscoitos – Luís Vieira
Cabo da Paia – Veria Sousa
Fonte do Bastardo – José Nemésio
Fontinhas – Paulo Sousa
Lajes – César Toste
Porto Martins – Fábio Fagundes
Santa Cruz – Berto Cabral
São Brás – Cristina Borges
Vila Nova – Paulo Fagundes

Cláudia Martins, começou por fazer um paralelismo entre a batalha de 11 de agosto de 1829, travada na baía que tinha pelas costas, entre forças absolutistas e liberais e que valeu à então vila hoje cidade o título de “Vitória”, transformando-a num baluarte da liberdade, para se apresentar com um projeto de mudança “que pretende soltar as amarras dos nossos jovens, das nossas empresas e das nossas instituições”, devolvendo “aos praienses o espaço de pensarem, opinarem e participarem livremente nos destinos da sua terra”.

Mostrou-se convicta que “dar continuidade ao rumo em que se encontra o nosso Concelho, não é colocar a Praia no rumo certo. É alinhar, sim, numa política que tem deixado o concelho, e a sua cidade definhar, num marasmo, sem vida, sem gente”. Para Cláudia Martins, acreditar no futuro, passa por uma aposta forte em setores como o Turismo, a Cultura, a Agricultura e o Desporto, “sem nunca esquecer as questões socais”, que diz “infelizmente perduram no nosso concelho”.

Assumiu o compromisso de “devolver a Vitória ao centro histórico” e às empresas que lá estão e que se venham lá a fixar. Para tal, apresenta-se com um plano dividido em duas vertentes: a da mobilidade e a de redução dos encargos às empresas naquela zona da cidade.

Na vertente mobilidade, diz querer reabrir a rua de Jesus ao trânsito, reorganizar a circulação automóvel citadina e repensar o sistema de parquímetros, eventualmente substituindo-o por estacionamento condicionado. Diz ainda, pretender uma ligação entre a cidade e os dois principais pontos de entrada na ilha, porto oceânico e aeroporto.

Na vertente de redução de encargos, diz pretender reduzir algumas taxas municipais no sentido de oferecer às empresas ali instaladas condições mais atrativas e simultaneamente fomentar a fixação de novas empresas. Pretende também apostar nas energias renováveis no centro histórico, para que a Praia da Vitória seja uma cidade de futuro.

Na componente turística, afirmou que “apostar no Turismo, é apostar naquele que é o nosso melhor cartão-de-visita – a nossa Cultura”. Para isso e no sentido de devolver à Praia “projeção e notoriedade que merece e que outrora teve”, pretende que a Praia da Vitória seja a próxima “cidade europeia da Cultura” em 2027. Ainda no que diz respeito à cultura pretende criar um “Museu do Concelho”, com uma exposição permanente da base das Lajes.

Acrescentou que o seu “compromisso de trabalho também passa por devolver a vitória aos jovens do concelho, que têm vivido amordaçados em troca de promessas que nunca lhes tiram o título de estagiário ”. Prometeu criar uma bolsa de emprego, capaz de fazer a ligação entre as ofertas de emprego existentes e as qualificações dos jovens, através de um gabinete próprio de acompanhamento individualizado destes jovens, para que se possa fazer uma efetiva transição destes programas em que se encontram para o mercado de trabalho.

Comprometeu-se também com a Agricultura, passando pela valorização dos seus produtos, assumindo que no seu mandato a Câmara, as empresas municipais, os protocolos firmados e os apoios concedidos, terão como premissa a preferência por produtos do concelho. Disse ainda que iria trabalhar de perto todas as instituições e as escolas do concelho “para que tirem o maior proveito de todas as oportunidades europeias, de que é exemplo o novo programa europeu de distribuição de Fruta, vegetais e leite nas escolas, que obriga a que o financiamento europeu seja utilizado na aquisição de produtos locais”.

Na área social, que elegeu como prioritária, comprometeu-se a constituir um Conselho Municipal de Ação Social, com o objetivo de encontrar uma verdadeira plataforma comum de intervenção, com a Câmara como um verdadeiro parceiro. Disse ir também criar um fundo Municipal de emergência social, a ser utilizado em situações excecionais, urgentes e de extrema carência, com regras muitos claras. Ainda na área social e no que diz respeito à população sénior, afirmou ir implementar em conjunto com as instituições do setor, um “Provedor do Idoso” e um “Selo de boas práticas no tratamento de idosos” a atribuir às instituições com melhor desempenho na área. Referiu ainda ir lançar o “Cartão 65+” congregando descontos fruto de parcerias da Câmara com as empresas e instituições do concelho, porque “povo que esquece os mais velhos é o povo sem futuro e sem passado”, disse.

JP – Online