Jornal da Praia

PUB

VESTÍGIOS DA NOSSA HISTÓRIA: O FORTE DE S. FERNANDO

Quarta, 02 de Agosto de 2017 em Opinião 1143 visualizações Partilhar

VESTÍGIOS DA NOSSA HISTÓRIA: O FORTE DE S. FERNANDO

O Forte de S. Fernando, atualmente em completa ruína, foi construído na ponta do mesmo nome, na freguesia do Porto Martins. Este forte defendia a baía de S. Fernando, e juntamente com o Forte de S. Francisco, protegia a costa sul da Terceira, principalmente entre os finais do séc. XVI e os inícios do séc. XIX.

Ciprião de Figueiredo, Corregedor dos Açores, mandou erigir o Forte de S. Fernando, em 1581, preocupado com a defesa do Sul da Terceira. Os Açores viviam um período onde eram severamente atacados por piratas e corsários e era necessário proteger as mercadorias. A Terceira, especificamente Angra, era um dos portos de escala mais importantes para o comércio português, sendo, por isso, uma das regiões mais flageladas do Atlântico Norte.

No último quartel do séc. XVI, a Angra afluíam mercadorias da Ásia, África e Américas, tornando esta região, um alvo para as restantes potências europeias. Esta situação agravou-se, quando em 1580, morreu o Cardeal D. Henrique e Filipe II de Espanha invadiu o nosso país, e assumiu-se, também, como Rei de Portugal. Ora o Império Espanhol e Filipe II tinham muito inimigos, que usaram a desculpa da União Ibérica, para atacar os Açores. Foi um período difícil e conturbado da História da nossa terra. Nesta mesma altura, a Terceira pôs-se ao lado do candidato português D. António, Prior do Crato, tornando-se, também, um “pequeno” grande problema para a Coroa espanhola.

Foi num contexto de necessidade de defesa permanente, que o Forte de S. Fernando foi construído, assim como os Fortes de S. Francisco, de Nossa Senhora da Nazaré, de S. Tiago e o de S. Bento, na enseada do actual Porto Martins, fazendo uma linha de protecção da zona sul da Ilha. Este Forte era, também, importante na protecção de toda a baía de S. Fernando, que era uma zona de fácil desembarque. O Forte, além de ser rodeado de rocha baixa, que o cercava completamente, ficava à distância do mar de apenas uns metros, o que dava-lhe uma posição estratégica de destaque.

Em 1772, apesar de não haver muitas informações e relatos sobre o Forte, conseguimos saber que ainda estava de pé, tendo sido abalado com o terramoto de Junho de 1800 e com a violenta crise sísmica de janeiro de 1801. Com as invasões francesas e a fuga da família real portuguesa para o Brasil (novembro de 1807), a política de defesa da Terceira foi abandonada. Apenas 6 aos depois, em 1813, deu-se início a uma nova fase na política de defesa da Ilha, que ganhou novo fôlego em 1818, quando foi decidida uma grande reforma na estrutura militar dos Açores, consequência da ocupação de Montevideu, na América Espanhola, por parte das tropas portuguesas e do medo de uma possível represália castelhana. Data desta altura a construção e reparação da linha de fortificações terceirenses.

Durante todo o período de afirmação liberal (1820-1834), o Forte de S. Fernando terá sido utilizado para protecção da costa terceirense e já na segunda metade do séc. XIX, sofreu obras de reparação, pois era necessário defender a baía de S. Fernando. A partir de então, o país entrou numa fase de estabilidade política e o Forte deixou de ser utilizado, apesar de vermos reiterada a sua importante posição estratégica e de defesa. Os anos de abandono levaram o Forte a entrar em completa ruína, como aconteceu com as várias fortificações que existiam na zona do Porto Martins, o que é de lamentar.

Com a destruição e degradação dos Fortes, um importante tesouro dos terceirenses desapareceu e, com isso, a memória de várias batalhas em nome da nossa independência. A História da linha de Fortes do Porto Martins, destruídos ao longo das últimas décadas, é atualmente preservada, com a colocação de painéis alusivos à planta do próprio Forte, junto da sua anterior localização. Esta área pode e deve ser valorizada turisticamente, em especial durante os meses de maio e 0utubro, através da implementação de um Posto de Observação Astronómica, já que é uma zona privilegiada para a observação dos fenómenos astrológicos. Além disso, devia-se incentivar a pesca desportiva nesta zona, tão rica para este desporto e estrategicamente acessível a todos.

O Forte de S. Fernando foi importante na defesa da baía com o mesmo nome, assim como na protecção da parte sul da Ilha, especialmente durante o período em que a Terceira foi a mais importante encruzilhada dos descobrimentos portugueses. Atualmente, a nossa Ilha, navega “noutros mares”, o turismo, que tem de continuar a ser incentivado e a desenvolver novos caminhos.

Francisco Miguel Nogueira

NE: Texto publicado na edição impressa n.º 501 de 21 de julho de 2017