Jornal da Praia

PUB

A MAIOR COMPETIÇÃO DO MUNDO

Terça, 01 de Agosto de 2017 em Opinião 85 visualizações Partilhar

A MAIOR COMPETIÇÃO DO MUNDO

Há uns anos foi famoso o refrão “connecting people”, difundido por uma conhecida marca de telefones portáteis. Recentemente, a emergência das redes sociais conferiu novo impulso à expressão.

Todavia, tornou-se evidente que o império da publicidade reproduz coisas diametralmente opostas à realidade da vida. É assim que, à revelia das aparências, avulta a total desconexão entre humanos submetidos ao crivo da tecnologia comunicativa.

É que aqui a lógica é toda ela imediata, feita de cliques, frases feitas, quase sempre plagiadas e espetadas numa plataforma coletiva dispensando a linguagem corporal que era própria da interação humana.

Mas não se diabolizem as redes. São meios de difusão cultural extensos, abrangentes; instrumentos de progresso com cidadãos interessados, pro-ativos; mas por outro lado verdadeiros “cancros” sociais com as gentes vazias, carentes, criadas pelo hedonismo reinante.

O paradigma por detrás da “overdose” de exposição virtual materializa o tipo de carência que se propõe ser suprida pela aprovação e aceitação alheia, e o fenómeno mostra-se evidente com toda a torrente de fotos mostrando sorrisos “colgate”.

No processo, o usuário cria uma personagem de si mesmo; a máscara com a qual acredita que irá fazer sucesso e colher reconhecimento. É por isso que tantos perfis do facebook e afins apenas focam o utilizador enquanto início e fim de si mesmo.

Nada de ideias sobre nada, artigos, perspetivas ou reflexões sobre um qualquer assunto; tão só ele/ela com suas fotos, milhares de likes e mais umas centenas de comentários expressando “lindo/a ou “belo/a”.

É a busca pelo momento feliz, pela atenção positiva; e quanto mais gente aparentemente feliz se tem na rede, mais felicidade se quer mostrar também.

É a maior competição do mundo.

Paulo Santos

NE: Texto publicado na edição impressa n.º 501 de 21 de julho de 2017