Jornal da Praia

PUB

TOIRO BRAVO E PASTOR ARROJADO

Sexta, 28 de Julho de 2017 em Opinião 361 visualizações Partilhar

TOIRO BRAVO E PASTOR ARROJADO

O desejo pela festa brava palpita no sangue dos portugueses açorianos, legítimos descendentes dos lusitanos, povo que ainda hoje cultiva todos os divertimentos tauromáquicos.

As atuais festas tradicionais são uma coisa natural, e ao começar a época de toiros que se renovam a cada ano, com o chegar do verão, com dias maiores de radioso sol a convidar as touradas à corda nas nossas freguesias. Depois, o fado acompanhando as guitarras, são artes juntas. O aficionado terceirense é alegre, amigo de visitar, de cantar, como bom latino que é.

Por hora, vamos recordar um terceirense que toda a sua vida trabalhou e lidou com toiros – é uma forma de o homenagear.

Os aficionados alentam uma profunda admiração pelo Sr. João Caetano Lopes, natural das Fontinhas, falecido em 2014, com 92 anos de idade.

A conversa teve lugar na sua casa, um ano antes de partir. Então, começou a dissertar sobre toiros, que desde muito novo era levado pelo pai às touradas das Lajes e outros locais, indo também desde cedo às corridas na praça de são João, onde recordou o toiro descornado toireado pelo cavaleiro Simão da Veiga.

A partir de aí sentia gosto em dar algum passos de guarda-sol em vários arraias da ilha, mas a sua maior faceta foi a de pastor no tratamento do gado bravo de José Eduardo Fernandes.

E foram 30 anos de labuta constante. Recordou-me as épocas em que os toiros eram levado para as freguesias a pé, por vários pastores famosos, um deles que me citou com emoção, trabalhou na casa das fajãs do criador de gado bravo Sr. Pedro de Meneses Parreira, no tempo em que era seu pastor de confiança. Este homem que eu próprio conheci, conhecido por Manuel “Rasteiro”, residente no Posto Santo era ele que destinava o gado depois dos divertimentos para o trabalho, eram cangados no curral para aprender a lavrar na charrua e depois do dia de trabalho voltavam ao campo de alimentação.

Destacou-me muitos criadores do seu tempo e vários toiros bravos. Um que me realçou foi o “Malhinha”, nº 31 do senhor José Diniz Fernandes. Primeiro correu na praça correspondendo satisfatoriamente, e foi com ele que encerrou os seus passos de guarda-sol na tourada à corda da Feteira. O toiro foi puro na corda esse dia e colheu-o sem gravidade, por tal e por outros sinceros contributos é justo recordar o “Ti João Pancinha”, nome pelo que era conhecido.

Este toiro provinha da ganadaria de Barata Nechas de Vila Franca de Xira. Enumeramos algumas touradas em que foi corrido, duas das quais eu assisti, a primeira no Porto Martins em 1960, saindo a cumprir em todo o arraial onde se mostrou agressivo e bravo, até colheu no ultimo degrau do império um homem da Fonte do Bastardo chamado Joaquim “Carambola” vindo para ao terreiro junto com o toiro que bastante o mal tratou, recordo-me da nuvem de terra que levantou naquela colhida de temer. Voltou aos degraus mais vezes, tantas ao ponto de a polícia aconselhar a recolher o toiro à gaiola. Voltei a ver correr este toiro, 4 anos depois, no caminho de São Lázaro na Praia da Vitória, onde há cerrados perto do paúl. Não havia capinhas que se aproximassem dele, eram os pastores e o toiro, os donos do chão que pisavam.

Por testemunhos, este célebre toiro foi corrido no cantinho, e aí, foi temido por todos os que estavam no paredão da ermida das almas retirados pela sua bravura nesse dia. Também na tourada na Ladeira Grande ao ser apartado pelo pastor “Chico Marques” que o tocou de aguilhão, o toiro dobrou-se e investiu no pastor com agressividade.

É conhecida a ótima qualidade co-semental da ganadaria de José Luís Fernandes, elevando-a ao máximo pelos filhos que deu pelos anos fora de excelente bravura como por exemplo os toiros nº58, 71, e o 90 o “terrorista”, o famoso celeiro e tantos que horaram esta ganadaria dos Açores, ainda hoje na posse da família Fernandes.

Silveirinha

NE: Texto publicado na edição impressa n.º 501 de 21 de julho de 2017