Jornal da Praia

PUB

Lavaredas mortais

Sexta, 21 de Julho de 2017 em Editorial 699 visualizações Partilhar

Lavaredas mortais

Ao longo destas últimas décadas houve grandes catástrofes devido aos incêndios florestais no continente Português, e apesar das muitas abordagens e estudos sobre este tema a nossa cegueira paira irreversivelmente na busca de soluções para que se possa minimizar esta caótica situação, que traz para o país e suas gentes danos grandes e incalculáveis, com consequências nefastas sem precedentes.

Mas poder abrir os olhos certamente que está ao alcance de qualquer pessoa, para tal basta fazer análises críticas concretas para que possam surgir soluções verdadeiramente risonhas e obter-se uma política florestal frutífera e economicamente viável para o nosso país.

A política, não pode alimentar-se da desgraça que ultimamente assolou drasticamente Portugal Continental, ou seja os incêndios florestais no Distrito de Leiria e o roubo de armamento militar nos paióis bélicos da Base de Tancos, por isso não podemos estar condenados eternamente a um espirito derrotista, onde não há nenhuma ordem mas permanente caos e terror.

Na verdade a catástrofe de Pedrógão Grande é o incêndio florestal mais mortífero que há memória em Portugal, resultando 64 mortos, provocando enormes danos materiais, o que causou profundo pesar a todos os Lusos pela tragédia que se abateu no Distrito de Leiria, o que levou o Governo da Republica a decretar luto nacional nos dias 18, 19 e 20 de Junho.

Quanto ao roubo de material bélico da Base de Tancos, não é difícil de concluir que a culpa cabe única e exclusivamente às chefias militares, aliás que se consideram humilhadas, e é facto notório que uma das funções primordiais das Forças Armadas é de zelar e guardar o material bélico que tem à sua responsabilidade, e se há meios económicos para que as nossas Forças Armadas participem em missões internacionais, por maioria de razão deve se dar prioridade à segurança das instalações militares, pois se tal não suceder, elas são inábeis, assim sendo podemos concluir com toda a segurança que neste caso não pode, nem deve a culpa morrer solteira, sem ser necessário recorrer a um casamento forçado…

Relativamente aos incêndios florestais, a culpa paira sobre os sucessivos governos, que vêm lidando muito mal com este problema, apesar de existir há várias décadas legislação sobre o assunto, que se na prática fosse levada a sério, teria sido possível evitar, pelo menos em parte tais catástrofes, nomeadamente a manutenção de corredores de segurança nas aldeias, nas vias de comunicação, nas fábricas, praticar uma política do eucaliptal estruturada, manter os madeireiros informados das boas práticas florestais, combater a desertificação do interior do país que tem acarretado consequências negativas para a agricultura, ora tudo isto não tem sido levado a sério pelas políticas agrícolas encetadas depois do 25 de Abril.

Há que ter coragem para acompanhar o ritmo do progresso tecnológico sem precedentes na história e que não dá sinais de estabilizar, para que de uma vez por todas se ultrapassem este processo “de políticas fracas, de estratégias de investimentos pobres próprias de um sistema financeiro arrogante”, para que as políticas agrícolas e florestais tenham o sucesso desejável por todos.

O Diretor,
Sebastião Lima
diretor@jornaldapraia.com