Jornal da Praia

PUB

A SAGA DO POVOAMENTO DE SANTA CATARINA

Quinta, 20 de Julho de 2017 em Opinião 246 visualizações Partilhar

A SAGA DO POVOAMENTO DE SANTA CATARINA

No próximo ano, ocorrerá o 280 º aniversário o povoamento de Santa Catarina, no sul do Brasil. Foi sobre a vila do Desterro que despontou e se ergueu a progressiva cidade de Florianópolis, para onde largaram os primeiros colonos açorianos num movimento emigratório dirigido pela Coroa portuguesa. Com efeito, D. João V, para justificar tal empreendimento, refere-se, em edital, à situação de indigência em que viviam as ilhas.

Sobre o povoamento e a história de Santa Catarina um nome se impõe mencionar, desde já, o do Professor da Universidade Federal de Santa Catarina, Osvwaldo Rodrigues Cabral, nascido em Laguna (11.10.1953) e falecido em Florianópolis (17.02.1978). Para além de médico, historiador e político brasileiro, ele foi um dos mais destacados investigadores da história de Santa Catarina com a qual os Açores mantiveram fortes laços históricos que merecem ser assinalados e preservados

João Afonso, laborioso e incansável investigador natural de Anga do Heroísmo, enumera na Bibliografia Geral dos Açores, tomo II, 1985, uma dúzia de obras, da autoria de Osvwaldo R. Cabral, de entre elas: Os Açorianos; Assuntos Insulanos. Contribuição ao Estudo do Povoamento de Santa Catarina pelos casais Açorianos e Madeirenses; Nossa Senhora du Desterro; Raízes Seculares de Santa Catarina (in Boletim do Instituto Histórico da Ilha Terceira, 11); A vitória da Colonização Açoriana (Monografia) e As defesas da Ilha de Santa Catarina no Brasil Colónia.

É de assinalar a coincidência de pontos de vista entre Oswaldo R. Cabral e Alfredo Silva, Sampaio retomando o primeiro, na íntegra, aquilo que o autor de Memória sobre a Ilha Terceira escrevera, em 1904:

«Justamente nesse ano, os moradores das ilhas dos Açores pediram a El-Rei  que lhes fosse permitido emigrar para o Brasil, pois o arquipélago superpovoado, já não comportava população de tão elevada densidade e a miséria batia a todas as portas, devido às escassas colheitas».

Daí que o Brigadeiro José da Silva Pais, governador de Santa Catarina e Rio Grande do Sul, desde 1738, tenha pedido quatro mil casais para o plano de povoamento a realizar, dada a precariedade da presença portuguesa ali reinante. Para isso, as condições de recrutamento eram muito claras: os homens não deviam exceder os quarenta anos e as mulheres trinta.

Estes motivos de fome acima invocados, são contrariados pelo nosso grande historiador terceirense, Francisco Ferreira Drummond, que alude, nos Anais da Ilha Terceira, à embarcação de cereais no ano de 1745 e frisa que em 1746 «só o ramo do Porto Martins produziu de dízimo 120 moios de trigo. Também não aborda esse episódio da saída de avultado número de casais. Todavia, no ano de 1751, considera este último« um dos mais escassos dos frutos da ilha em todos os géneros e declara não ter alcançado«a causa de que proveio tamanha escassez, nem alguma outra circunstância sobre que se possa ajuizar dos resultados»( in Anais,II Volume,pág,260).

Dos quatro mil casais, o Corregedor das ilhas, João Álvares de Carvalho, anunciava ao Rei apenas duas mil quinhentas e oitenta e cinco pessoas alistadas.

Mais tarde, no ano de 1774, Francisco Ferreira Drummond alude a seiscentos homens para os regimentos das capitanias do Rio de Janeiro e ao estado de perturbação que havia na Terceira, pelo que el-rei mandou, por aviso de 15 de Julho, que se embarcasse o regimento do Porto até ao dia 23, em cinco navios de transporte, rumo à ilha de Santa Catarina, onde era preciso lutar fortemente contra os espanhois. E ficaram-se preparando duzentos e vinte recrutas para embarcarem em duas naus.

O que se sabe, apesar do laconismo das informações das fontes, «é que toda esta gente, ainda a 14 de Novembro, não tinha seguido viagem, devido a uma grande tempestade que durou nove dias. O mar alteroso, tendo atingido extrema violência, fez naufragar quatro navios dos cinco que estavam carregados no porto da cidade.

Regressada a bonança, arribou a Angra o navio Princesa do Brasil, com os duzentos recrutas, aos quais se juntaram 245. E mais adiante escreve o historador, nascido na Vila sebastianense:

«para se preencher aquele regimento, e acudir à guerra que tínhamos nos estados do Brasil, foram tão repetidos os recrutamentos, e o general  procedeu com tanto rigor, que estiveram estas ilhas a ponto de despovoar» (Anais, III vol., pág.40).

(Foi utilizada a edição de 1981 dos Anais da Ilha Terceira)

António Neves Leal

NE: Texto publicado na edição impressa n.º 500 de 7 de julho de 2017