Jornal da Praia

PUB

BRUNO ÁVILA CARACTERIZA MANDATO PELO "GRANDE RIGOR ORÇAMENTAL"

Domingo, 16 de Julho de 2017 em Entrevista 923 visualizações Partilhar

BRUNO ÁVILA CARACTERIZA MANDATO PELO "GRANDE RIGOR ORÇAMENTAL"

Fontinhas, freguesia tipicamente do interior, por não ter qualquer contato com o mar, fazendo fronteira com São Sebastião, Santa Cruz, Lajes e São Brás, localizando-se a escassos 4 Km da sede do concelho. Segundo reza a tradição, o seu nome advém do facto de ali existir um conjunto de pequenas fontes que fertilizando as terras, favoreciam a produção agrícola.

Bruno Ávila, bancário, 34 anos, é desde de 2009, presidente da junta local. O executivo autárquico é ainda composto Adélia Oliveira como secretária e Carlos Godinho nas funções de tesoureiro.

Prosseguindo as entrevistas que vimos fazendo aos presidentes das juntas de freguesia do concelho, nesta entrevista, Bruno Ávila, destaca o rigor orçamental, como marca transversal de todo o seu mandato, caracterizado pela construção da nova sede da autarquia, obras de beneficiação da Casa do Povo, construção de um novo parque de retém e a implementação de um regulamento de apoios às instituições, no sentido de facilitar a execução dos seus projetos, de enorme relevância para toda a comunidade.

Jornal da Praia (JP) – Como caracteriza em termos gerais o seu mandato?

Bruno Ávila (BA) – À semelhança do primeiro mandato, foi um mandato de grande rigor orçamental devido a um Leasing que nos custa cerca de 600€ mensais. Para a nossa dimensão e para o nosso Fundo de Financiamento das Freguesias (FFF) trata-se de um custo com grande impacto no nosso orçamento. Para que desta forma possamos continuar a melhorar a nossa freguesia.

JP – De todo o trabalho realizado, qual é aquele que do seu ponto de vista, marca a sua presidência, assumindo-se fundamental para o futuro da freguesia?

BA – Penso que todos os projetos, desde o mais económico ao mais dispendioso, foram importantes. A construção da sede própria desta freguesia possibilitou as obras de melhoria da Casa do Povo das Fontinhas e poderá trazer, espero que num futuro próximo, novos serviços para a freguesia e para os seus habitantes. A construção de um parque de retém e a melhoria de outro já existente, assim como as melhorias efetuadas em estradas agrícolas possibilitaram, aos lavradores/agricultores, melhores condições para o desempenho da sua atividade. A implementação de um regulamento de apoio a instituições sem fins lucrativos sedeadas nesta freguesia possibilitou um aumento nos apoios concedidos e, consequentemente, melhores condições para a execução dos projetos destas instituições.

JP – Este regulamento visou dar mais transparência aos apoios concedidos às instituições? – De alguma forma sentia que estes apoios careciam de transparência?

BA – Trouxe mais justiça na sua distribuição pelo facto de o valor atribuído estar dependente dos projetos apresentados numa perspetiva de qualidade e não de quantidade. Quanto maior o impacto de determinado projeto na freguesia e no grupo maior será o apoio concedido a determinada instituição.

JP – Quais são as principais dinâmicas culturais e desportivas das Fontinhas e qual o contributo da junta de freguesia nestas mesmas dinâmicas?

BA – Folclore, Filarmónica e Escola de Música, Ténis, Ciclismo, Futebol, Caça, Agrupamento CNE, Grupo Coral, Grupo de Jovens, Catequese, Legião de Maria, Festas de S.º João e em honra de Nossa Sr.ª da Pena, Touradas, Carnaval. Tal como foi referido anteriormente, implementamos um regulamento de apoio às instituições que dão vida a esta freguesia. Este regulamento permite que a junta possa reservar uma maior percentagem do seu FFF para a execução dos projetos destes grupos. As candidaturas decorrem durante quase todo o ano (de 1 de janeiro a 15 de dezembro) sendo que o montante destinado a este fim é distribuído no final de abril, de agosto e de dezembro de cada ano.

JP – Qual o valor do FFF que é afeto aos apoios e como se processa este apoio? – É igual para todos, depende da dimensão das instituições é dado de acordo com os projetos a desenvolver, em suma, como é que é dados este apoio?

BA – O valor total para apoiar as instituições é definido aquando da elaboração do orçamento. No final do 1.º quadrimestre são distribuídos 35%, do valor total definido inicialmente, pelas instituições que se candidataram até essa data. No final do 2.º quadrimestre aplica-se a mesma regra. No final do ano é distribuído o restante valor que está disponível no orçamento. No 1.º e 2.º quadrimestre, uma instituição não pode ser apoiada em mais de 50% do valor disponível para esse período. No final do ano, toda a verba disponível terá de ser aplicada mesmo que isso implique a atribuição de mais de 50% apenas a uma instituição. Depende sempre do número de projetos que cada instituição se candidata mas garante sempre que aquela verba é toda para as instituições, não sendo distribuída para outras rúbricas.

JP – Como classifica o relacionamento institucional da sua junta de freguesia com a Câmara Municipal e o Governo Regional?

BA – Naturalmente, gostaríamos que fosse ainda melhor, porque projetos e ideias não faltam e os nossos recursos são limitados. Mas também estamos cientes de que as receitas regionais e municipais também reduziram e por isso não nos podem apoiar em tudo o que solicitamos. Apesar disso o relacionamento tem sido bom e nas alturas de maior aflição quer a Câmara quer o Governo Regional têm prestado um auxílio de extrema importância para esta freguesia.

JP – Em termos populacionais e comparando os dois últimos censos nacionais (2001 e 2011), a freguesia das Fontinhas registou um crescimento de 3,44%, tendo na faixa etária dos 25 aos 64 anos, registado um crescimento de 13,59%. Enquanto presidente nota que freguesia continua a crescer na sua população e este crescimento repercute-se na vida social da freguesia, ou tendo em conta a proximidade à Praia da Vitória e à via rápida, que lhe permite chegar rapidamente a qualquer lugar da ilha, transforma as Fontinhas num dormitório, à semelhança das manchas urbanas de Lisboa e Porto?

BA – São meios completamente diferentes. Concordo que a localização da freguesia e os vários acessos a essa via fazem com que as Fontinhas estejam próximas quer da Praia da Vitória, quer de Angra do Heroísmo quer da BA4, ou seja, dos locais onde uma grande parte da população trabalha. Mas isso também significa que perdendo menos tempo em transportes/viagens as pessoas têm mais tempo para a vida social, para a vida na freguesia, o que se denota na quantidade e qualidade de dinâmicas culturais, desportivas e recreativas das Fontinhas e na participação das pessoas.

JP – E qual é a sua perceção relativamente ao crescimento populacional, cresceu ou diminuiu em relação aos censos de 2011? – Recordo que segundo estes, a população residente era de 1594 habitantes.

BA – Tenho a perceção de que diminuiu devido à crise que se instalou, principalmente na Construção Civil, e devido à emigração.

JP – Na Ladeira da Pena existe uma excelente vista, para quando a construção de um miradouro e a inclusão do mesmo no circuito turístico?

BA – Este é um projeto que estamos a tratar há algum tempo. No entanto, como pretendemos que seja um miradouro e um trilho com paisagem natural, com história e cultura está a prolongar-se no tempo e a adiar a sua estreia/apresentação.

JP – No manifesto eleitoral da sua candidatura, prometia-se a colocação dos chafarizes que fazem parte do património cultural da freguesia a correr água. Essa promessa foi concretizada?

BA – Está prestes a ser concretizada num dos vários chafarizes desta freguesia. Naquele que nos parece ser o mais emblemático das Fontinhas. Possivelmente estará concluído até ao final do presente mandato.

JP – E que chafariz é este?

BA – Trata-se do chafariz sito na Estrada Municipal junto à Rua do Coxo.

JP – Apresentar-se-á como candidata a um novo mandato?

BA – Se for essa a vontade das pessoas desta freguesia afetas ao partido que me apoiou nestes dois mandatos, sim, estarei disponível para me candidatar a novo mandato.

JP – A questão já foi abordada pelos órgãos locais do partido? Já falou com a sua equipa sobre o assunto? Apresentar-se-á com uma nova equipa?

BA – A questão já foi apresentada ao líder do partido na freguesia. A minha decisão foi tomada em conjunto com os atuais Tesoureiro e Secretária, sendo nossa intenção manter a equipa que é a mesma desde 2009.

JP – Por fim, existe alguma mensagem que gostasse de deixar aos habitantes das Fontinhas em particular e aos praienses em geral?

BA – Sim, gostaria de apelar à participação das pessoas nos órgãos e instituições das nossas freguesias e do nosso concelho porque é na execução dos projetos destas entidades que promovemos a melhoria e o crescimento da nossa terra. E quem melhor do que nós, que nascemos e crescemos aqui, para fazermos da nossa terra o melhor lugar do mundo.

NE: Entrevista publicada na edição impressa n.º 497 de 26 de maio de 2017.

JP | Foto: Rui Sousa