Jornal da Praia

PUB

V Centenário da Dedicação da Igreja Matriz

Sexta, 07 de Julho de 2017 em Editorial 878 visualizações Partilhar

V Centenário da Dedicação da Igreja Matriz

A escolha do tema do Editorial neste nº. 500 do Jornal da Praia decorre da necessidade perante todos os Praienses de reflectirem sobre a comemoração do V Centenário da Igreja Matriz de Santa Cruz da notável cidade da Praia da Vitória, e que de forma alguma não deixa de ser um monumento que enaltece e enche de orgulho todas as pessoas do concelho da Praia da Vitória “ao comemorar a caminhada de uma comunidade cristã que ao longo de cinco séculos reconheceu neste tempo um sinal da presença real de Jesus que caminha e congrega o seu povo”.

O Conselho Pastoral Paroquial de Santa Cruz, no dia 11 de Junho de 2017, celebrou com solene festividade o V centenário da dedicação da Igreja Matriz de Santa Cruz, com a celebração da Eucaristia, presidida por D. João Lavrador, Bispo de Angra e Ilhas dos Açores, seguida de uma sessão pública para a apresentação da reedição do “Álbum Literário” com textos recolhidos pelo Padre Francisco Rocha de Sousa para o IV centenário da sagração da Igreja Matriz a 24 de Maio de 1917, cuja apresentação desta histórica obra, coube ao Drº. José Adriano Borges de Carvalho, destacado advogado destas ilhas.

A Igreja Matriz da Praia da Vitória foi fundada pelo primeiro donatário, Jácome de Bruges, em 1456 e segundo descreve a história no dia 24 de Maio de 1517, foi sagrada pelo Prelado Diocesano da altura, D. Duarte, Bispo Dumense, e tem por orago Santa Cruz.

A Igreja Matriz apesar de várias vezes reformulada ao longo destes cinco séculos por causa dos terramotos que assolaram a Ilha Terceira, ainda preserva o estilo Manuelino, nomeadamente nos dois principais pórticos e abóbadas da igreja e das capelas laterais.

A Igreja Matriz da capital do Ramo Grande é o maior monumento religioso do concelho da Praia da Vitória, com reconhecido valor artístico e histórico e é frequentada por inúmeros visitantes que se deslocam à Praia da Vitória, e tornou-se quase um ponto de passagem obrigatória.

Finalmente, permitam-me destacar as palavras do Padre Francisco Rocha de Sousa, em maio de 1917, que reflectem bem a importância desta temática: “não é um aniversário que temos de comemorar é um centenário, mas não temi, nem tremi ante a prespectiva da, para mim, arrojada empresa. É impróprio de um cristão temer ou tremer na concessão de um ideal benéfico, ou no cumprimento de um dever, quer religioso, quer social”, por isso temos de fazer eco, dar testemunho do amor à verdade para que a paz perpetue na família e na sociedade, e que seja uma realidade profícua de acordo como os ensinamentos doutrinais da Igreja Católica.

O Diretor,
Sebastião Lima
diretor@jornaldapraia.com