Jornal da Praia

PUB

Mistério ambiental

Sexta, 09 de Junho de 2017 em Editorial 355 visualizações Partilhar

Mistério ambiental

A contaminação/descontaminação da Ilha Terceira, está envolta em mistério, e estamos fartos de viver ilusões fictícias e de mastigar mentiras.

As Forças Militares Norte-Americanas estacionadas na Base das Lajes, não são únicas e exclusivas responsáveis pela contaminação dos solos e aquíferos com produtos tóxicos muito perigosos na Ilha Terceira, e com maior incidência em terrenos pertencentes ao concelho da Praia da Vitória, e é facto notório que a Força Aérea Portuguesa ao longo de décadas tem partilhado com os militares das Feuzaçores a utilização da Base Aérea das Lajes, e também sempre beneficiaram descaradamente de ajudas em benefícios de vária ordem como contrapartida da utilização pelos Estados Unidos da América da Base das Lajes, ao invés dos Açorianos que sempre foram lançados para um plano secundário aquando dos acordos para utilização da base entre o Governo Português e o Governo Norte-Americano, por isso a Força Aérea Portuguesa não está imune a quaisquer responsabilidades sobre este complicado e grave assunto.

Pela pegada ecológica como vimos, não podem ser atribuídas culpas só às Administrações Norte-Americanas, mas também devem ser em parte atribuídas aos vários Governos da República Portuguesa, que sempre beneficiaram de quinhão de leão nos acordos bilaterais à volta da Base Militar das Lajes.

O problema da contaminação da Ilha Terceira deve ser estudado de forma credível, e por entidades internacionais independentes, a fim de se apurar a sua real dimensão, as suas consequências nefastas, e a sua perigosidade para a saúde pública, porque não é por acaso que proliferam doenças cancerígenas nesta Ilha de Jesus em percentagens anormais, quando comparadas com o resto dos Açores e mesmo do país.

O Governo dos Açores deve pugnar de forma firme junto do Governo da República para que este dê prioridade na resolução deste alarmante problema, em que de forma alguma pode fugir às suas responsabilidades, que não são pequenas, tarefa que não se vislumbra fácil perante a nova Administração Americana encabeçada por Donald Trump, que defende argumentos absurdos sobre a poluição e nega radicalmente as alterações climáticas, por isso não se veem boas perspectivas para a solução deste problemas de forma justa e equitativa.

É possível tecnologicamente e economicamente racional salvar a Ilha Terceira de tão malgrado problema, mesmo quando “se mede tudo isto em termos de dinheiro”, porque como estipula o artigo VIII, número 5 da NATO SOFA, que estabelece indemnização por poluição e que aplicada ao caso em apreço, o Estado Português é responsável por 25% da indemnização a determinar, e a Administração Norte-Americana, por sua vez responsável pelos outros 75%, considerando que os Açores têm direito para se verem livres de uma vez por todas da poluição de hidrocarbonetos, metais pesados e lamas betuminosas, a obter-se por via judicial ou extrajudicial através do Governo da República nas instâncias internacionais competente para dirimirem problemas ambientais.

O diretor,
Sebastião Lima
diretor@jornaldapraia.com