Jornal da Praia

PUB

SESSÃO DE ABERTURA DO XIV CONGRESSO INSULAR DAS MISERICÓRDIAS

Sexta, 02 de Junho de 2017 em No Concelho 1910 visualizações Partilhar

SESSÃO DE ABERTURA DO XIV CONGRESSO INSULAR DAS MISERICÓRDIAS

O Auditório do Ramo Grande, na cidade da Praia da Vitória, acolheu na manhã desta sexta-feira, 02 de junho, a sessão de abertura do XIV Congresso Insular das Misericórdias, que decorrerá até ao próximo domingo, 04.

Organizado este ano pela Santa Casa da Misericórdia da Praia da Vitória (SCMPV), com a colaboração da União Regional das Misericórdias dos Açores (URMA), Secretariado das Misericórdias da Madeira (SMM) e União das Misericórdias Portuguesas (UMP), o Congresso Insular das Misericórdias realiza-se bienalmente, alternando a sua localização entre os Açores e a Madeira, constituindo um espaço de partilha de experiências e de reflexão sobre os desafios atuais e futuros destas instituições quinhentistas que tem como missão ajudar as pessoas.

Na sessão de abertura, que contou com a presença do Bispo de Angra e ilhas dos Açores, D. João Lavrador, o presidente da autarquia da cidade anfitriã, Roberto Monteiro, avançou a ideia que a boa gestão das entidades de caráter social, como as misericórdias, aliada à determinação dos seus colaboradores em ajudar o próximo e ao desenvolvimento de ações inovadoras, que acompanhem a mudança, são fulcrais para responder de forma eficiente aos problemas vigentes nas sociedades do século XXI.

“A sustentabilidade das misericórdias é um fator crucial para a sobrevivência destas instituições num futuro próximo. Os dirigentes e colaboradores destas entidades têm de efetuar uma gestão responsável dos recursos disponíveis para que as misericórdias continuem a existir por mais 500 anos”, referiu o autarca.

“No meu entender, o dinamismo é outra característica essencial a quem gere ou trabalha nas misericórdias. É importante haver espírito de iniciativa e implementar medidas que visem dar resposta às necessidades da população, sempre de olhos postos no futuro. Neste sentido, a vertente da inovação também assume um papel de enorme relevância, tendo em conta que a nossa sociedade está em constante mutação e os desafios de hoje diferem dos desafios de outrora”, realçou.

“Considero fundamental mencionar também a importância das misericórdias na economia local pelo emprego que geram, uma vez que, como todos sabemos, o nosso país atravessa graves dificuldades económicas e a taxa de desemprego tem disparado nos últimos anos. Com o agravamento da crise económica e social que nos assola, o número de famílias a viver no limiar da pobreza aumentou de forma significativa, por isso cabe às misericórdias e às demais organizações não governamentais intervir junto daqueles que mais precisam, transmitindo-lhes credibilidade e confiança”, enfatizou.

“Creio que estas organizações devem ainda reforçar a sua aposta no recrutamento de novos voluntários e parceiros que possam perpetuar o admirável trabalho que tem sido efetuado até aqui”, disse.

“Para finalizar, gostaria de agradecer a vossa presença nesta iniciativa, realizada pela primeira vez na Praia da Vitória, e desejar-vos uma excelente permanência na nossa cidade. Espero que os trabalhos sejam profícuos e que deles resulte a motivação para continuar a apoiar todos os que mais precisam”, concluiu.

Francisco Ferreira, provedor da Santa Casa da Misericórdia, deu as boas-vindas a todos os participantes, salientando a importância deste evento na criação de estratégias que visem a evolução das misericórdias, através do debate e da partilha de experiências entre todos aqueles cuja missão é ajudar o próximo.

Segundo Jorge Spínola, presidente do Secretariado Regional das Misericórdias da Madeira, “a grande meta para o futuro deve passar pela aposta na formação e qualificação das pessoas, tornando-as mais capazes. A realidade social e política mudou e temos de nos adaptar a essa mudança, promovendo a modernização das misericórdias e reforçando as competências da nossa comunidade.”

Por seu turno, o presidente da União das Misericórdias Portuguesas, Manuel Lemos, referiu que a qualidade e a capacidade de inovar são os fatores de distinção destas organizações, que têm em comum a missão de ajudar os outros.

Para Andreia Cardoso, secretária regional da Solidariedade Social, “o serviço social teve início há vários séculos e desde então assume-se como uma área essencial ao desenvolvimento da sociedade. O Governo Regional tem realizado esforços no sentido de otimizar os recursos existentes, delineando estratégias que consigam dar resposta aos problemas sociais que atravessamos atualmente. Deste modo, julgo importante referir que existem mais de quatro mil trabalhadores afetos às valências das diversas misericórdias da Região, o que demonstra o nosso empenho em ajudar os mais necessitados”. Anunciou ainda que o Governo que o Governo dos Açores vai convidar os representantes das Instituições Particulares de Solidariedade Social e Misericórdias para participarem num primeiro encontro que visa analisar a atualização dos contratos de cooperação. “Porque as mudanças também exigem de nós, Governo, que nos adaptemos aos vários contextos, é com muito gosto que partilho convosco que, ainda no decurso do mês de junho, daremos início às conversações com vista à atualização dos contratos de cooperação com as instituições nossas parceiras, à luz das disposições do Código de Ação Social dos Açores”, revelou Andreia Cardoso.

O primeiro dia do XIV Congresso Insular das Misericórdias dos Açores e da Madeira, subordinado à temática “Misericórdias e Modernidade”, contou com um painel cujo tema incidiu na “Economia Social”. O mesmo, moderado por Paula Costa, vice-provedora da Santa Casa da Misericórdia da Praia da Vitória, teve a participação de José Silva Peneda, presidente da Assembleia Geral da União das Misericórdias Portuguesas; António Tomás Correia, presidente da Associação Mutualista Montepio Geral; e António Maio, presidente do Conselho de Administração da Caixa Económica. Relativamente ao segundo painel, no qual foram abordados os cuidados continuados integrados e ao domicílio, este contou com a presença de Manuel Almeida, responsável pela área dos cuidados continuados da União das Misericórdias Portuguesas; e Maria Quintela, presidente da Associação Portuguesa de Psicogerontologia, tendo sido moderado por Vítor Melícias, presidente emérito da União das Misericórdias Portuguesas. Seguiu-se uma visita à cidade da Praia da Vitória e ao Monumento ao Sagrado Coração de Maria (Miradouro do Facho) e um espetáculo no Auditório do Ramo Grande.

O sábado inicia-se com um painel acerca do património ao serviço da comunidade, moderado por Álvaro Monjardino, presidente da Assembleia Geral da Santa Casa da Misericórdia de Angra do Heroísmo. Este conta com as intervenções de Assunção Melo, especialista em História da Arte; e António Tavares, provedor da Santa Casa da Misericórdia do Porto. Segue-se o painel dedicado às emergências sociais e envelhecimento ativo, moderado por Jorge Spínola, no qual intervêm Roberto Monteiro; e Catarina Fernandes, psicomotricista da Santa Casa da Misericórdia da Calheta, na Madeira. O último painel, orientado por José Silva, presidente da Assembleia Geral da União Regional das Misericórdias dos Açores, terá como temática a sustentabilidade, contando com a presença de Margarida Correia, diretora de inovação social da Fundação EDP; e Gualter Furtado, presidente da Comissão Executiva do Novo Banco dos Açores. Após a conclusão dos trabalhos, decorre a intervenção do presidente da república, Marcelo Rebelo de Sousa. O dia termina com uma visita ao concelho de Angra do Heroísmo, com passagem pelo Miradouro da Serra do Cume, seguindo-se um concerto no Teatro Angrense, promovido pelo Grupo Coral da Misericórdia de Vila Verde.

No último dia, após a apresentação das conclusões da iniciativa, será realizado o cortejo das misericórdias e a eucaristia em louvor do Divino Espírito Santo, na Igreja de Santo Cristo das Misericórdias. A mesma será celebrada pelo Bispo de Angra. Segue-se um passeio com paragem num bodo regional e uma visita ao Museu do Vinho e à zona norte da ilha Terceira.

GC-MPV/GaCS/SC/JP