Jornal da Praia

PUB

Centenário de Fátima

Sexta, 26 de Maio de 2017 em Editorial 393 visualizações Partilhar

Centenário de Fátima

O país viveu com muita euforia um acontecimento exceptional, a celebração do centenário das Aparições de Fátima, que atingiu o rubro com a vinda do Papa Francisco ao Santuário de Fátima na Cova da Iria, nos dias 12 e 13 de Maio, Santuário que realça de forma grandiosa “o rosto da Igreja em Portugal e no Mundo”.

O Santuário de Fátima durante 100 anos resistiu a muitas vicissitudes, por vezes agressivas à centralidade do bem, que este Papa elegeu como divisa máxima e a sua visita visou reforça-lo.

Fátima resistiu à Primeira Republica, ao Estado Novo, ao 25 de Abril, às guerras, ao egoísmo e à inveja que envenenaram o Mundo durante estes últimos 100 anos, e de forma inabalável venceu a fobia do transcendental, chamou e chama a atenção dos crentes para a perigosidade do materialismo relativista.

A Europa e o Mundo vivem uma crise de evangelização, vivem em parte de costas viradas para Deus, que é essencialmente misericórdia, cujo parte do seu manto infinito de luz se reflete no Santuário de Fátima, ponto de chegada e partida duma peregrinação incansável na busca de um Mundo melhor, mais humilde, e solidário, mais pacífico e cordato, e por isso como muito bem defende o Papa Francisco que o clericalismo é uma peste que urge dizimar.

O Papa Francisco veio como peregrino a Portugal, para no Santuário de Fátima pedir a Deus e a Maria “as suas intenções pessoais e as intenções do Mundo e da Igreja que traz no seu coração”, para que a Luz da Luz irradiada de Fátima, Altar do Mundo semeie ventos perenes de paz, de concórdia entre os países, os povos, as famílias e as pessoas, porque “a paz é artesanal”, constrói-se todos os dias.

Fátima é o pronúncio da Luz do Evangelho, na luta pela justiça que não pode persistir com a construção de barreiras e muros entre os povos.

O Papa Francisco veio a Fátima canonizar os bem-aventurados Jacinta Marto e Francisco Marto, os mais novos santos, não-mártires eleitos pela Igreja Católica, apresentando-os como exemplo a seguir e a ensinar-nos “o amor de predileção pelos pequeninos e pelos pobres, pelos excluídos e sofredores, pelos pecadores e os desorientados…”

O diretor,
Sebastião Lima
diretor@jornaldapraia.com