Jornal da Praia

PUB

A CAMINHO DA SERRA DE SANTA BÁRBARA

Sexta, 19 de Maio de 2017 em Opinião 62 visualizações Partilhar

A CAMINHO DA SERRA DE SANTA BÁRBARA

Embora o exercício proporcione leveza, capacidade de trabalho, firmeza e tolerância face às dificuldades, a par da eliminação das impurezas do organismo, e do fortalecimento da digestão e do metabolismo, registe-se que, quando praticado em excesso, pode ser tão prejudicial como a falta dele. Por isso se recomenda que sem o mínimo de preparação não se aventure, por exemplo, em caminhar esforçadamente até ao cimo da Serra de Santa Bárbara, ou até atravessá-la porque pode ser surpreendido pelo mau tempo. Entretanto, e em relação ao mau tempo importa conjugar duas ideias que se devem a ilustres desconhecidos (Exley, 1996). Primeira: «o mau tempo aparece sempre pior quando visto por detrás de uma janela»; Segunda: «nunca olhes para trás, a não ser que pretendas seguir por esse caminho». Quanto às subidas registe: «fazer subidas como parte da rotina de treinos aumenta a força, e melhora a eficiência e a confiança» (Galloway, 2017).

O nº 4 do Guia da Corrida de 2016 da Revista Sport Life aponta alguns problemas que podem ocorrer quando se exagera na corrida, ou não se está devidamente preparado, embora existem medidas correctoras de fácil compreensão e aplicação. Esses seis problemas são os seguintes: (a) a desidratação, que se previne ou compensa facilmente com a ingestão de líquidos, especificamente água e bebidas isotópicas, antes, durante e depois, e com o evitamento de bebidas alcoólicas; (b) as cãimbras, fáceis de evitar com a progressão dos treinos, e com uma boa base de força, alongamentos, e alimentos ricos em cálcio, potássio e magnésio;  (3) a dor de burro, que se acautela não ingerindo muitos líquidos antes da corrida, ou caso ocorra, diminuindo a intensidade do treino e massajando o sítio onde ocorre; (4) a contratura ou contracção muscular, o que pode exigir a suspensão da actividade por algum tempo, e a prática dos alongamentos; (5) as bolhas e assaduras, que podem sugerir a utilização de meias, calçado e roupa adequada ou até à utilização de vaselina; e (6) problemas digestivos, que se podem aliviar não correndo após refeições pesadas.

Apesar dos problemas referidos poderem ocorrer em resultado da actividade física existem alguns mitos acerca da sua prática, de que são exemplo os apresentados pelo Guia Total Sport TV: (a) correr faz mal aos joelhos, o que não se verifica, antes pelo contrário; (b) quanto mais longe melhor, coisa que também não podemos generalizar nem em distância, nem em esforço; (c) importância dos alongamentos antes de correr, o que é falso, dado que pouco previnem as lesões, além de que, contrariamente aos exercícios dinâmicos, reduzem a capacidade para a corrida; (d) o ácido láctico, resultado dos exercícios violentos não é desnecessário ou mau, visto que estimula a libertação da testerona e das hormonas do crescimento, poderosos componentes que tornam o corpo mais forte, jovem e funcional; (e) a passadeira é igual ao correr no exterior, no que até se acreditaria, se a temperatura não fosse controlada, e o ginásio oferecesse as condições ambientais que nos obrigam a resistir; e (f) correr ao frio prejudica os pulmões, o que se provou não ser verdade, na medida em que mesmo os problemas respiratórios, e a asma que ataca alguns não são perigosos.

Enfim, com estes pormenores o que se pretende é sensibilizar para a importância da prática da actividade física como qualquer coisa que deve ser levada muito a sério na vida de cada um de nós. Não podemos fazer só como o “Manel”, ou lá como o chamavam, e que se encontra divulgado em vários blogues, que dizia: «Inscrevi-me num ginásio o ano passado, gastei cerca de 200 Euros. Não perdi nem um quilo. Só depois é que me explicaram. Parece que é preciso ir lá». E como aponta a Revista Super Interessante, no seu nº Saúde Inverno 2016, não há hoje especialidade médica que não recomende o exercício como um dos pilares para evitar problemas de saúde. E embora os desportos mais lembrados sejam a corrida, as caminhadas e o andar de bicicleta, para a maioria dos problemas o que se recomenda é que a actividade se realize regularmente.

Aurélio Pamplona

Referências
Exley, H. (1996). Filhos: Citações escolhidas. Mem Martins Códex: Publicações Europa América.
Galloway, J. (2017). Linha de partida: Dicas de um expert para principiantes. Em Runners World: A revista de corrida nº 1 do mundo.

NE: Artigo publicado na edição impressa n.º 496 de 12 de maio de 2017