Jornal da Praia

PUB

A TERCEIRA E A REVOLTA DE 1931

Quinta, 18 de Maio de 2017 em Opinião 1740 visualizações Partilhar

A TERCEIRA E A REVOLTA DE 1931

Há exatos 86 anos, a 7 de abril de 1931 começava a revolta de 1931 na Terceira. Depois de ter começado na Madeira, a revolta passou para a Terceira, onde teve algum impacto junto de militares e de deportados.

Os muitos deportados políticos que se encontravam na Terceira, com um sentimento anti-ditadura, e o crescente descontentamento militar face ao Governo de Lisboa, vão ser a acendalha necessária para o início da revolta. A maioria dos deportados que se encontravam na Terceira decidiu apoiar este movimento como uma forma de se começar uma onda de ações de revolta em várias frentes, que não pudessem ser paradas pelo Governo de Lisboa e assim chegar ao continente.

O Coronel Fernando Borges recebeu o cargo de Delegado Especial do Governo para restabelecer a ordem, partindo para a Madeira, onde a revolta começara a 4 de abril. Quando chegou ao Porto Santo, acabou por rumar para os Açores, por terem entretanto começado os movimentos revolucionários na Terceira e em São Miguel.

Com o início da Revolta na Terceira, vários deportados e oficiais reuniram-se em casa de Maia Rebelo, como os Tenentes Manuel Severo dos Reis, Albino Estanislau Bettencourt de Quadros e Artur Tavares do Regimento de Infantaria 22, e o tenente Fernando Mesquita Pimentel Gabriel da Bataria de Artilharia. Nesta reunião, Maia Rebelo informou que a revolta na Madeira tinha repercussões no Continente, onde deveria rebentar brevemente. Era preciso ter uma boa base de apoio para depois conseguir-se o êxito no Continente.

O tenente Agostinho José Vieira d’Areia foi avisado do que se estava a passar. Alguns revoltosos foram a casa do Coronel Silveira Lopes, comandante do regimento, convidando-o a aderir. Este recusou, embora dissesse que não iria antagonizar o levantamento. Depois de ultrapassadas algumas divergências e com algum apoio militar na Ilha, os rebeldes passaram a controlar as unidades militares e os serviços públicos. Formou-se uma Junta Revolucionária presidida pelo Almirante João Manuel de Carvalho, pelos Comandantes Aragão e Melo e Maia Rebelo, pelo Major Lobo Pimentel, pelos Tenentes Severo dos Reis, Vidal Pinheiro e pelo civil Avelino Ribeiro.

A Junta Revolucionária publicou então um edital sobre as requisições de viaturas e falava da garantia das liberdades e das propriedades individuais. Foi restaurada ainda a lei de separação de poderes que foi revogada pela Ditadura Militar e que fora apresentada a 20 de abril de 1911. A liberdade de culto era permitida dentro das Igrejas, com limites, pois era preciso não criar ondas subversivas à nova ordem revolucionária. As festas do Espirito Santo eram aceitáveis. Suspendeu-se a censura à imprensa.

A revolta estendeu-se à então Vila da Praia da Vitória e a Ponta Delgada. Na madrugada de dia 8, o Regimento de Infantaria, que tinha o Tenente Vieira d’Areia de serviço, assistiu à constante entrada de oficiais deportados e civis. Conseguiu-se a adesão de vários militares. Os que não aderiram à causa revolucionária foram enviados para casa, onde eram vigiados. A Junta Revolucionária queria travar qualquer possibilidade de haver uma contrarrevolução.

O Professor António dos Reis foi proclamado novo Governador Civil de Angra do Heroísmo. O tenente Artur Tavares tornou-se comissário da polícia civil e o major Lobo Pimentel ocupou o lugar de Governador Militar dos Açores. A Junta Revolucionária publicou Proclamações e deu Garantias à população que as ações dos revoltosos eram para o bem do país e que a população confiasse no movimento revolucionário, chegando estes até a fazer comícios de incentivo à população da varanda da Alfândega.

Na Terceira, a circulação à noite foi limitada. Foi criado também um Batalhão de Voluntários, conseguido através de uma palestra, pedida pelos estudantes e organizada no Liceu. Este Batalhão integrava pessoas entre os 15 e os 65 anos, que treinaram no parque de artilharia do Castelo, pelo tenente Ernesto de Almeida. De início houve muitas inscrições, mas no fim, segundo parece, terminou com 20 pessoas.

A maior parte dos serviços foram mantidos pelos antigos funcionários, não havendo adesão popular suficiente para se mudar de facto as coisas e ter apoiantes em pontos-chave. Essa situação veio a enfraquecer o movimento dos revoltosos. Embora, muitos funcionários tivessem continuado no seu posto, não boicotando a ação do movimento. Da Ilha Terceira foi-se levar o espírito da Revolta para a Graciosa e para São Jorge, onde se conseguiu alguma adesão. Rapidamente depois estas ilhas foram controladas pelo Governo central.

No dia 13 de abril, chegou à Horta as tropas governamentais e o coronel Fernando Borges fazia uma proclamação, repudiando a ação dos revoltosos e impondo um bloqueio aos portos da Terceira e de São Miguel, assim como a censura à correspondência telegráfica. No dia 15 de abril, a rebelião em São Jorge foi controlada. Em São Miguel, continuava a preparar-se a defesa da Ilha. Mesmo antes da chegada das tropas governamentais, criaram-se alguns projetos de contrarrevolução na Terceira. Não avançando nenhum sobretudo porque estes implicavam a tomada do Castelo de São João Batista e as portas principais da maior fortaleza do Atlântico norte estavam ocupadas pelos revoltosos. Houve alguns infiltrados que tentaram destruir o levantamento por dentro mas não o conseguiram.

A 16 de abril, os hidroaviões governamentais sobrevoaram a Terceira, lançando proclamações, convidando a população à revolta contra as autoridades ilegítimas e à dos soldados contra os seus oficiais. As deserções dos revoltosos foram crescendo. As populações estavam assustadas com possíveis ataques militares governamentais. Na noite do dia 17, o comandante do Carvalho Araújo intimou os revoltosos de Angra do Heroísmo a renderem-se. Já na madrugada de dia 18, os rebeldes de Angra do Heroísmo se rendiam, entregando-se à prisão na casa do Governador Militar. Logo de seguida os revoltosos localizados na Praia da Vitória também se rendiam. Os principais responsáveis militares da Ilha, em conjunto com os oficiais não revoltados, tomaram depois o castelo e prenderam os que tiveram no levantamento, permitindo o desembarque do Coronel Fernando Borges.

O Delegado Especial do Governo conseguiu a rendição do último bastião açoriano a 20 de abril, com a rendição do Forte de São Brás, em Ponta Delgada. De seguida a diligência governamental seguiu para a Madeira, terminando com a revolta a 2 de maio.

A revolta na Terceira falhou, pois o movimento foi feito pelos militares sem base de apoio popular, não conseguindo motivar os locais a fazer parte desta revolta, além disso, o facto de esta não ter atingido o continente, nem sequer todas as ilhas, limitou à partida a hipótese do movimento crescer e fazer a diferença.

É importante relembrar estes momentos esquecidos da nossa História, relembrando o nosso ADN dos Bravos, dos insatisfeitos quando a situação não é a melhor para a Terceira e para o país. A Revolta de 1931 marcou um ano cheio de movimentos contrários à Ditadura, que fracassaram, mas que mostra-nos que é importante lutarmos por aquilo que acreditamos e queremos. Não tenhamos medo de defender os nossos princípios.

Historiador: Francisco Miguel Nogueira

NE: Texto publicado na edição impressa n.º 496 de 12 de maio de 2017.