Jornal da Praia

PUB

QUEM SAI AOS SEUS…

Domingo, 07 de Maio de 2017 em Opinião 187 visualizações Partilhar

QUEM SAI AOS SEUS…

No dia 13 de abril, houve uma família que cresceu e muito. Uma já muito conhecida mãe teve uma menina, que se assemelhava, em muito, aos seus irmãos, só que era muito maior. Era a menina de ouro de um pai, por si só, obcecado com ouro.

Esta menina, devo dizer, mulher (mas que não merece o título de senhora, porque de senhora nada tem), chamada GBU-43 / MOAB (Massive Ordenance Air Blast), que recebeu logo a fantástica nomeação de a mais potente e mortífera arma não nuclear, pesa 9,5 toneladas, das quais 8.165 quilos são de tritonal (uma mistura de TNT e pó de alumino) e é capaz uma explosão com um diâmetro de 1,4 quilómetros. A mãe o pai estavam muitíssimo orgulhosos com a sua criação. De todos os seus filhos e filhas, esta era a melhor, era muito mais do que um sonho, ela era o sonho, afinal de contas, era uma verdadeira “bad ass” pronta para qualquer luta, mesmo que esta não tivesse nada que ver com ela. Era mesmo filha dos seus pais! Quem sai aos seus… E tinha tudo para ser um sucesso!

Por isso, deram-lhe os meios necessários para que esta expressasse os seus talentos bombásticos e mandaram-na para um local que os pais muito cobiçavam, ou melhor, com o qual muito se preocupavam, claro. Como este casal era muito caridoso, adorava salvar o mundo de todos os males, tinha a fama de ter expulsado ideologias horríveis da face da Terra (e substituí-las por uma praga mundial, que corroí os bolsos de quem mais trabalha e multiplica o capital onde ele já está mais do que multiplicado — mas isso é outra história, dirão eles, afinal sempre deixam 1,002% para obras sociais!), mandaram a sua filha para o Afeganistão!

O resultado foi explosivo! Os “maus da fita” perderam de novo, viera o casal anunciar! «Acabamos com uns tantos militantes do Daesh!» O Mundo, como sempre, aplaudiu de pé.

Pena é que se continue a olhar para o brasão desta família e não se consiga ver a hipocrisia, a corrupção, a mentira, a opulência desdenhosa que ofusca o já fraco brilho das suas 50 estrelas capitalistas.

Pena é que se olhe para as suas sete listas vermelhas e não se veja o sangue dos milhares de civis inocentes que morrem devido aos sucessos dos seus filhos bombásticos, as milhares de crianças que continuam a nascer com mutações em Hiroxima e Nagasáqui, as famílias que morrem devido ao seu belo e perfeitérrimo sistema económico.

Pena é que nas suas 6 faixas brancas não se veja que a única coisa possível de elas simbolizarem é uma nação de brancos em prol da guerra e do sofrimento como meios de dominação social e económica, de imperialismo brutal e de procura de uma nova Guerra Mundial.

Mas fiquemos descansados, porque este casal, a velha América e o seu (novo) marido, Trump, vão estar cá, como sempre, para nos livrar de todos os males (em que eles próprios nos vão meter). E, nós, como sempre, vamos aceitar de bom grado a “ajuda” à frente (e a facada atrás!).

Ana Fagundes

NE: Texto publicado na edição impressa n.º 495 de 28 de abril de 2017.