Jornal da Praia

PUB

POR DETRÁS DAS APARÊNCIAS

Sábado, 06 de Maio de 2017 em Opinião 111 visualizações Partilhar

POR DETRÁS DAS APARÊNCIAS

Foi votada na sexta-feira pela AR a condenação ao recente massacre de civis na Síria. Uma hipocrisia, sobretudo porquanto vem de quem apoiou a guerra desde o início; e é por isso que os lamentos e juízos de reprovação não passam de “engodos” destacando-se numa opinião pública infantilizada, “esvaziada” pelos lugares comuns e frases feitas dos que “compram” notícias à CNN ou à FOX.

O real conteúdo da coisa é perverso, e passa por consolidar a convicção da responsabilidade do governo Sírio no ataque para depois justificar o seu derrube.

Mesmo sem provas; mesmo sabendo-se que o regime não tem armas químicas, que o ato foi levado a cabo por aviões não identificados e que a ONU ordenou uma investigação, para os falcões da guerra avulta a obsessão em retirar Assad do poder dê por onde der, para depois colocar no seu lugar um dos “fantoches” do costume. E assim, à revelia do direito internacional, lá começaram os bombardeamentos.

A receita é sempre a mesma, a do elemento provocador. No Iraque eram as armas de destruição maciça que nunca apareceram; aqui é o tal ataque, provavelmente da autoria dos “talibãs” disfarçados de rebeldes apoiados por potências ocidentais, à luz do desespero em remover do poder todos quantos não colaborem com o “diktat” dos tempos.

Foi assim com o Iraque, Afeganistão ou Líbia. No meio do frenesim mediático passa despercebido o logro que é começar guerras e depois lamentar os mortos. Nada de dúvidas.

Quem patrocina votos como o de sexta-feira está-se marimbando para vítimas civis; para estes e para as tantas que caíram em resultado das “cowboyadas” do tio Sam e seus capangas. O objetivo é explorar emoções fáceis mas perigosas; daquelas que justificam todas as guerras, todas as agressões.

Por isso houve quem votasse contra. E bem.

Paulo Santos

NE: Texto publicado na edição impressa n.º 495 de 28 de abril de 2017.