Jornal da Praia

PUB

A IMPORTÂNCIA DA NOSSA IMPRENSA (II)

Sexta, 05 de Maio de 2017 em Opinião 125 visualizações Partilhar

A IMPORTÂNCIA DA NOSSA IMPRENSA (II)

Numa altura em que se fala e escreve, cada vez mais, sobre a necessidade de a sociedade civil intervir e fazer-se ouvir com maior atenção, sobretudo quando surgem problemas de certa utilidade para o interesse geral da comunidade, a comunicação social, mais precisamente, o jornal impresso tem uma enorme importância e influência. É nele que se registam os acontecimentos, os actos e as dificuldades de maior relevância do nosso quotidiano, bem como os nossos sentimentos, desejos e volições pessoais, isto é, as nossas memória individuais e colectivas.

Recorde-se que, na comemoração dos vinte e cinco anos deste quinzenário, o seu primeiro director, nosso colega e amigo, o dr. João Ornelas do Rego, evocou muito a propósito, no seu longo e bem elaborado discurso, algumas das etapas da actividade jornalística do mais ilustre dos praienses, Vitorino Nemésio, que ambos tivemos o honra e o privilégio de conhecer e usufruir dos seus vastissímos conhecimentos, semeados nas suas aulas (conferências) ele, na História da Cultura Portuguesa e, eu, em Literatura Brasileira, na Faculdade de Letras da Universidade Clássica de Lisboa.

Abordou, ainda, o orador oficial da efeméride várias facetas da vida do burgo praiense, dos costumes, ocorrências e flagrantes do seu tempo de menino e moço, em que nela  viveu, sonhou e reteve, no papel de protagonista e observador atento, num repositório de deliciosos momentos vividos. (in JP. de 15 de Maio de 2007 e seguintes)

Também trouxe a público algumas observações pertinentes, mormente sobre a génese da fundação do Jornal da Praia (29 de Abril de 1982), aludindo à descrença de cassandras e velhos do Restelo, cujos vaticínios de curta existência para o periódico, felizmente, não se concretizaram, para gáudio dos habitantes do concelho do Ramo Grande e de todos os leitores do JP., residentes no arquipélago açoriano ou nas lonjuras da imigração. Sublinhe-se, que isso só foi possível graças à iniciativa e apoio do Grupo de Amigos da Praia da Vitória, e à abnegação de um pequeno número de carolas, que todas as quinzenas se reúne e procede, generosamente, à sua dobragem, colagem das etiquetas dos assinantes, distribuição e expedição.

Foi com essa generosidade, convicção, dedicação e sacrifício que todos os obstáculos e vicissitudes  têm sido superados, no decurso da sua trajectória existencial. E hoje, o Jornal da Praia pode emparceirar na lista das instituições mais duradouras e válidas do concelho, conjuntamente com a Santa Casa da Misericórdia, o Lar D. Pedro V, o Salão Teatro Praiense, sede sa Filarmónica União Praiense, o Sport Clube Praiense, a Associação de Bombeiros Voluntários, e quase a atingir 30 anos, o Orfeão da Praia da Vitória e o Coro Pactis.

Pode-se dizer que a vida social do Ramo Grande está espelhada, em caleidoscópio, e desdobrada em suas múltiplas vivências e constantes mutações, nas quase 500 edições do jornal. Disso e por isso, os praiense(e os terceirenses, igualmente) estão de parabéns e têm também o dever de apoiar o trabalho dos que, com muito empenho e grandes sacrifícios pessoais, levam este orgão de informação aos seus destinatários.

A nossa ilha, com os seus 56 mil habitantes, quase um quarto da população dos Açores ( o que, muitas vezes, é sonegado ou esquecido), precisa de ver resolvidos difíceis problemas e abrir pistas, desfazer clichés ou lugares comuns a seu respeito. A crise actual não se compadece com as intoleráveis demoras do Governo da República sobre as medidas especiais a tomar, na sequência da redução da presença militar americana na Base das Lajes. Veja-se em que ponto está o famigerado PREIT ( Plano de Revitalização Económica da Ilha Terceira ), que até agora nada pariu, apesar de quase um ano de gestação ter passado sobre a sua aprovação na Assembleia da República.

A Terceira continua a ser esquecida e esvaziada, apesar dos muitos milhões  de dólares, que foram entregues pelos americanos à conta da utilização da Base das Lajes, situada no nosso concelho praiense, o mais sacrificado pela  poluição sonora, e a contaminação de que tanto se discute nos dias de hoje. E como se já não chegasse a lista das injustiças perpretadas, agora até se anuncia, para o dia 30 de Abril, o encerramento da delegação e balcão de vendas da TAP, em Angra do Heroísmo, e a transferência dos seus funcionários, alguns com filhos, obrigados a saír para fora da ilha: Lisboa ou S. Miguel.

O delegado, ao que consta, ficará sediado em S. Miguel. Será assim que querem desenvolver o turismo nas cinco ilhas do grupo central dos Açores e promover e valorizar Angra do Heroísmo, a primeira cidade portuguesa classificada, em 1983, pela UNESCO, como património da HUMANIDADE? Será assim que se serve melhor os passageiros açorianos, muitos deles não tendo outro meio de transporte, nem sabendo  sequer utilizar os computadores? No comment. Sem comentários.

A sociedade civil terceirense e das outras ilhas afectadas, e cada vez mais desertificadas, tem de despertar para estas anomalias inaceitáveis, fazendo ouvir a sua voz e manifestando o seu descontentamento e repúdio. Não podemos continuar displicentes a ver a banda passar, ou à espera que chova, ou que os problemas sejam resolvidos por si mesmos, ou pelos outros. É preciso ganhar maior influência e peso político no contexto regional. Não basta ter quatro secretários regionais originários da Terceira no governo do Arquipélago, e continuarmos alienados ou alheados dos problemas graves que vivemos, hoje, nos Açores, que são nove ilhas. E não apenas uma, como parece ser, em cada dia que passa.

A imprensa que é imprescidível meio para alertar os responsáveis políticos e exigir deles o cumprimento das promessas feitas nas campanhas eleitorais e a execução atempada e total dos projectos para cada uma das ilhas, não adiando, anos a fio, o que já devia ter sido realizado, como se tem visto até agora. É preciso dignificar a política e os partidos políticos, que devem auscultar os anseios e necessidades daqueles, que lhes passaram procuração para cargos de governação e  representação parlamentar ( não, para lamentar).

E quando na imprensa, o pluralismo e o debate das ideias que ela proporciona não existem, algo vai mal, no reino da Dinamarca. A sociedade civil, que somos todos nós, não deverá consentir que situações como estas se repitam, e agir publicamente e em consonância, não bastando contentar-se em ir depositar um boletim, na mesa de voto, de quatro em quatro anos.

António Neves Leal

NE: Texto publicado na edição n.º 495 de 28 de abril de 2017