Jornal da Praia

PUB

MIAS UM GOLPE DO “GANG”

Quarta, 03 de Maio de 2017 em Opinião 113 visualizações Partilhar

MIAS UM GOLPE DO “GANG”

Vejamos em português claro a “conspiração” que anda na banca; um sinal destes tempos de capitulação. Enquanto que o Estado para capitalizar a CGD é obrigado ao pagamento de 53 mil milhões ano em “rendas perpetuas de cujo real desdobramento é ainda hoje um mistério, o Novo Banco irá ser “disponibilizado” quase de borla.

Já se percebeu que os 3,9 milhões “dispensados” pelo fundo de resolução composto pelos bancos do sistema para limpar a inevitável lixeira que lá anda, para além de insuficientes nem sequer existem, e então a coisa (a porcaria que se sabe dali vir) só se resolve com um empréstimo da República que jamais será reembolsado.

Não há 4 mil milhões para ficar com parte do banco, mas parece já haver para “doar” aos privados no pressuposto de ficarem com o banco; pois nas mãos do erário público fica “desvirtuada” a concorrência.

Nada de tretas. O Banco de fomento alemão não tem constrangimentos destes. Ainda que sorrateiramente disfarçada com enganador tom técnico-forense, a admirável seletividade com que se aplicam as receitas é bem ilustrativa das escolhas ideológicas da “Eurolândia”.

É que o “Diktat” de Bruxelas não quer Estado na banca nem em lado nenhum; o único modelo em que ali o tolera é no enfoque de nacionalizar os prejuízos para depois privatizar lucros e dividendos que anualmente saem para o estrangeiro.

Não é por acaso que é recorrente a recusa do BCE em prestar informação essencial à Assembleia da República para exercício das suas competências soberanas. Nesta “coisa do “Novo Banco”, em vez de pagar para ficar com a coisa, pagar-se-à na mesma mas para ficar sem ela. É a muito humilde oferenda da República para a manutenção do “status quo” que implacavelmente comanda os destinos da UE. Mais um golpe do “gang”, e à vista de todos.

Paulo Santos

NE: Texto publicado na edição impressa n.º 495 de 28 de abril de 2017