Jornal da Praia

PUB

NÃO HÁ NADA MELHOR

Terça, 02 de Maio de 2017 em Opinião 188 visualizações Partilhar

NÃO HÁ NADA MELHOR

Até os cagarros sabem que, após um esforço de actividade física que os leva habitualmente em grandes bandos a alimentarem-se no mar, em associação com outros predadores, e a efectuarem migrações transequatoriais, não há nada melhor do que o regressarem à terra e lugar onde nasceram, para descansar e até nidificar. Entretanto antes de dar algumas dicas sobre o que é um bom descanso convém esclarecer o que se pode ganhar com a actividade física, e em oposição, o que se pode perder quando a sua execução não é adequada. Não podemos esquecer do que afirma Alain (1928); «é impossível ser feliz se não o desejar»; por isso necessitamos de «desejar e de criar a nossa felicidade».

O que se pode ganhar com os exercícios físicos consta, de forma geral, nos benefícios enunciados no Cantinho anterior, embora especificamente há muito mais a referir em relação ao exercício, de que se apresentam alguns elementos (Oaklander, 2016): (1) é óptimo para o cérebro; (2) aumenta a felicidade; (3) torna o envelhecimento mais lento, podendo prolongar a vida por mais cinco anos; (4); melhora a saúde da pele, e mesmo as feridas saram mais rápido; (5) ajuda a recuperar de doenças graves crónicas, que podem ir da diabetes tipo, até à insuficiência cardíaca; (6) embora possa causar espanto, com os treinos curtos mas mais intensos, obtêm-se melhorias idênticas na função cardíaca e no controlo do açúcar no sangue, aos treinos menos intensos, mas que podem ser até cinco vezes mais longos; e (7) fortalece o sistema cardiovascular e, consequentemente, é metabolizada mais gordura.

Antes de prosseguir conviria perguntar: porque é que tudo isso acontece? A resposta é simples. Isso acontece porque, de acordo com a pesquisa (Lucas, 2016), o exercício: (a) tem efeitos positivos em alguns neurotransmissores, à semelhança de medicamentos antidepressivos; (b) produz substâncias químicas no cérebro, as chamadas endorfinas, que promovem a sensação de bem-estar e satisfação; (c) liberta a tensão dos músculos, susceptível de contribuir para a dor relacionadas com a depressão e insónia; (d) reduz os níveis de hormonas do stress, como o cortisol, aliviando os sentimentos de ansiedade e depressão; e (e) aumenta a temperatura do corpo, promovendo a sensação de relaxamento e de calma.

Quanto ao que se pode perder com a actividade física, isto é, quanto à segurança da sua prática, o mesmo autor refere que, se por um lado ela é segura para quase toda a gente, por outro, é possível tomar algumas medidas para se conseguir garantir essa segurança, como se refere a seguir. Primeira: ser activo numa base regular, para aumentar o seu nível de aptidão. Segunda: as actividades devem encaixar nos seus objectivos de saúde, e no seu nível de condicionamento físico, sendo possível depois o seu aumento. Terceiro: distribua a actividade física pela semana, e varie os tipos que faz. Quarta: use as engrenagens e o equipamento adequados para se proteger. Quinto: pratique as actividades em ambientes seguros. Sexto: siga as regras e políticas de segurança. E Sétimo: faça as escolhas sensatas sobre quando, onde e como estar activo.

Se, após serem escrutinados alguns dos benefícios que se pode obter com a prática da actividade física, ainda há alguém que se mantém cheio de preguiça, agarrado ao sofá, é caso para recordar a anedota do maior preguiçoso conhecido duma freguesia que, ao lhe ser perguntado no confessionário pelo padre para onde esperava ir quando morresse respondeu (Marks, 2013): «não tenciono ir, antes espero ser levado». O problema é que, infelizmente, os preguiçosos, que conduzem a vida com um estilo de vida sedentária, não compreendem as consequências dos seus actos, a não ser demasiado tarde, habitualmente quando nada há a fazer. Porquê? Porque vão desta para melhor, mais cedo do que lhes competia se acabassem com a preguiça, e “abandonassem” o sofá.

Apesar de a nossa mente ser a ferramenta mais incrível na terra, há pessoas que não a usa correctamente, originando miséria e infelicidade, nomeadamente por se esquecerem da solução de criar o “vício” da actividade física, como o faz cagarro.

Aurélio Pamplona

Referências
Alain, E. C. (1928). Propos sur le bonheur. Paris: Éditions Gallimard.
Marks, E. 2013. Salvado em 10 Nov. de Fonte: Anedota do dia. Tema: O maior preguiçoso da freguesia. Site: http://www.anedotadodia.net/anedotas/religiosas /o-maior-preguicoso-da-freguesia.
Lucas, M. (2016). 9 Estratégias psicológicas para superar a depressão. Salvado em 05 Nov. de Fonte: Escolapsicologia. Tema: Terapias psicológicas. Site:http://www.escolapsicologia.com/categoria/terapias-psicologicas/
Oaklander, M. & Jones, H. (2016). 7 Surprising benefits of exercise. Salvado em 10Nov. de Fonte: Time Health. Tema: Exercise/Fitness. Site: http://time.com /4474874 /exercise-fitness-workouts/

NE: Texto publicado na edição impressa n.º 495 de 28 de abril de 2017