Jornal da Praia

PUB

A CASA DA SALGA

Segunda, 01 de Maio de 2017 em Opinião 3339 visualizações Partilhar

A CASA DA SALGA

Há exatos 455 anos, no ano de 1562, terminava a construção da Casa da Salga. Este edifício foi importante durante a Batalha da Salga e para muitas pessoas esta era a casa de Brianda Pereira, ideia que a lenda e a tradição oral criaram mas que não é verdade. Esta propriedade pertencia e ainda pertence aos Merens de Távora.

A Casa da Salga foi construída na segunda metade do século XVI, em 1562, pela família Távora, tal como a Ermida do Bom Jesus, que foi fundada em 1682. Este tronco dos Távora veio parar à Terceira nos princípios do século XVI, chegando a ocupar funções de senadores de Angra. Os fundadores desta Casa também eram descendentes da família Merens, responsável pelo governo da cidade de Angra desde o início da colonização dos Açores.

Esta Casa foi edificada durante um período em que se assistiu ao início da construção de uma linha de fortes na Ilha devido aos sistemáticos ataques de piratas e corsários nos mares dos Açores, pois a Terceira, sobretudo Angra, era um ponto de escala essencial para o comércio do Império Português no Atlântico Norte. Com a morte do Cardeal-Rei D. Henrique, Portugal passou a fazer parte do Império Espanhol, aí os ataques dos corsários, no mar dos Açores, aumentaram consideravelmente e o Corregedor da região, Ciprião de Figueiredo, percebeu a importância do reforço da linha de Fortes. Havia contudo um ponto do país que não se rendia ao rei Filipe II de Espanha, a Ilha Terceira, que recebeu D. António, o Prior do Crato, preparando-se então para um inevitável ataque. Ciprião de Figueiredo reorganizou as milícias da ilha e tomou a iniciativa de concluir a construção de fortificações presentes no plano de defesa elaborado por Tommaso Benedetto, em 1567.

A 25 de julho de 1581 acontecia a Batalha da Salga. As tropas espanholas ao desembarcarem em terras terceirenses, começaram a incendiar as searas e as casas existentes nas imediações da Salga, ocupando a Casa da Salga, onde hastearam a sua bandeira, contra a vontade da família Merens de Távora. Nesta fase dos combates distinguiu-se Brianda Pereira, momento em que história e lenda se misturam. Os espanhóis atacaram muito provavelmente a casa de Brianda, aprisionando os homens que encontraram. Entre os prisioneiros figurava Bartolomeu Lourenço, que se encontraria ferido, marido de Brianda. Esta, em sentimento de revolta e de defesa, incentivou como podia, cheia de força e garra, os terceirenses a lutarem e pegou no que tinha à mão e também foi para os combates.

A batalha endureceu, pelas 9h, varrendo os espanhóis a costa com a sua artilharia, o que, dificultava a tarefa dos defensores. Cerca das 12h, Frei Pedro, que participava ativamente na luta, teve a ideia de, como estratagema, dirigir gado para as posições espanholas e assim desbaratá-las. Rapidamente foi reunido mais de um milhar de bovinos, que, à força de gritos e tiros de mosquete, se lançaram sobre o inimigo. Isso levou os espanhóis a recuarem, muitos caíram ao mar, e deu tempo aos terceirenses para se reagruparem e preparem nova defesa da Ilha. Centenas de castelhanos morreram nos combates ou afogados na fuga do gado.

A bandeira castelhana foi arriada e a Casa da Salga era novamente controlada pelos seus proprietários. Deve ter sido aí que nasceu uma suposta vontade dos Merens de Távora em construir algo em homenagem e lembrança daquele dia de luta e de bravura, que foi passando de pai para filho, pois depois do Desembarque da Baía das Mós, em 1583, a Terceira passou a estar ocupada efetivamente pelos espanhóis. E assim, 120 anos depois, já com a Restauração da Independência de Portugal de 1640, com Alexandre Merens de Távora, em 1682, nascia a Ermida do Bom Jesus. O espírito da Restauração deve ter dado ainda mais força a este desejo.

A escolha do orago do Senhor Bom Jesus para esta Ermida faz sentido porque esta imagem do Bom Jesus é a figuração iconográfica do Senhor no quadro da sua paixão em que foi exposto à população na varanda de Pilatos, pelo próprio procurador romano. Imagem muito frequente no Norte do País, zona de muitos nossos povoadores, nunca se denomina apenas por Bom Jesus, pois esta invocação pelas ditas regiões mantém-se, como regra, vinculada à imagem de Cristo crucificado.  Assim, nesta Ermida nascia a imagem do Senhor Bom Jesus da Salga. Ligando o orago ao local. Pode-se perceber que a ideia que se queria passar provavelmente era que embora a Terceira tivesse estado exposta a uma época difícil, com a união ibérica e consequentes ataques de piratas e corsários, inimigos do Império espanhol, a Ilha não se tinha rendido. Mesmo sofrendo com a presença espanhola, o orgulho português continuava forte.

A Ermida do Bom Jesus foi construída em continuidade à Casa, em prolongamento uma da outra. Foi também provavelmente Alexandre de Merens Távora que mandou fazer a imagem do Bom Jesus da Salga, que data do século XVII. Infelizmente não há muitas informações. Até 1978, encontravam-se uns belos quadros da Via Sacra na Ermida, pendurados nas paredes, mas o estado em que esta Ermida se encontrava e se encontra, obrigou os responsáveis a retirá-los. A imagem do Senhor Bom Jesus da Salga encontra-se na casa de José Teixeira a pedido de José Silva, rendeiro da Quinta da Salga. José Teixeira era filho do antigo capataz. Isto aconteceu devido ao estado desta Ermida e pelo roubo desta mesma por três rapazes. Felizmente a imagem foi recuperada. O Bom Jesus da Salga não está assim longe do seu lugar.

O estado desta Ermida deixa-nos tristes por estarmos a ver um símbolo da nossa História a deteriorar-se, a desfazer-se. Há que haver uma recuperação para a preservação da memória do nosso povo, da nossa História e da nossa Cultura. Que as entidades competentes se unem à família Merens de Távora e que não deixem cair de vez mais um vestígio indelével da nossa História. Temos de preservar o que é nosso.

Francisco Miguel Nogueira

NE: Texto publicado na edição impressa n.º 495 de 28 de abril de 2017