Jornal da Praia

PUB

Faculdade de Teologia

Sexta, 28 de Abril de 2017 em Editorial 403 visualizações Partilhar

Faculdade de Teologia

Não se percebe, e custa acatar a tendência de alguns eruditos em criar ou transformar o Seminário de Angra do Heroísmo numa Faculdade de Teologia, o que actualmente parece inoportuno.

Na verdade, já existem no país Faculdades de Teologia, que são essenciais para responder às necessidades que na prática surgem no seio dos cristãos. E numa altura em que o novo Bispo de Angra, D. João Lavrador toca na ferida de que padece agudamente a sociedade Açoriana, e inclusive a Terceirense, que apesar de simpatizar profundamente com a religião católica no dia-a-dia, a participação nas missas, nas cerimónias religiosas é muitíssimo baixa, se compararmos com o que ocorria há 30 ou 40 anos atrás – exceptua-se neste contexto oculto ao Divino Espirito Santo, que se encontra arreigado nestas ilhas, e nas comunidades Açorianas espalhadas pelo mundo.

A Igreja Açoriana tem que considerar pertinentes tais factos e tomar medidas urgentes de pôr termo a esta triste situação, e hoje mais do que nunca temos de reaprender a fazer coisas positivas, e o seminário deverá actuar como principal facilitador de combate para tirar lições uteis a fim de removermos tal flagelo.

O seminário tem um papel preponderante na formação de pastores humildes para lidar com o rebanho, e ocupar-se da salvação das almas, num convívio estreito com as pessoas, a família, as escolas, e não descorando a evolução dos tempos, a revolução informática que têm provocado mudanças de tal maneiras grandes, que por vezes se torna difícil acompanha-las.

A Diocese de Angra jamais deveria ter encerrado o jornal “A União”, que teria tido sempre um papel fundamental na catequização dos fiéis, em versão de papel e também on-line, por isso deve-se tomar medidas urgentes para o seu ressurgimento.

Entendemos que a Diocese de Angra deve gastar sinergias, recursos financeiros, num jornal e não numa Faculdade de Teologia da qual o grosso dos fiéis não aproveitam.

Nietzsche com alguma razão ironizou ao comparar os eruditos às solteironas, porque entendia que aqueles, na verdade não conheciam os problemas e os males dos homens.

O diretor,
Sebastião Lima
diretor@jornaldapraia.com