Jornal da Praia

PUB

Pedro Paulo, o homem, uma vida... e um caf

Segunda, 17 de Setembro de 2007 em Atualidade 1403 visualizações Partilhar

Pedro Paulo, o homem, uma vida... e um caf

Falar de uma vida em poucos minutos (cerca de 1 hora que demorou esta entrevista), não é fácil, muito menos de nós próprios. Pedro Paulo Martins Espínola, 67 anos de idade, lajense convicto, com algumas lágrimas, falou da sua vida, como músico na Sociedade Progresso Lajense, ligado às danças de carnaval e, como proprietário do Café Central.

Foi no meio de um café, sentado à mesa que fiz esta entrevista, uma de muitas que tenho vindo a realizar ao longo de mais de 14 anos e, de forma mais acentuada, com vocação para as tradições locais, a partir de 1998.

Esta entrevista, particularmente, trouxe à memória o Café Açores, ponto de encontro na Rua de Jesus, dos pilotos norte-americanos que cruzavam o Atlântico. Lembro-me dos autocolantes e dos galhardetes presos nas paredes e tectos daquele conhecido café praiense...

Localizado no centro da Vila das Lajes, junto à igreja. O Café Central é um desses locais onde a história pode ser vistada todos os dias nas inúmeras fotografias dispostas nas paredes e tecto... é uma autêntica cápsula do tempo!

 

Jornal da Praia –Pode-nos falar um pouco sobre a sua vida ligada à cultura das Lajes?

Pedro Paulo –Desde muito novo, que comecei a participar em danças de carnaval. Participei em mais de 50 danças. No “meu tempo”, as danças eram muito diferentes do que são agora. Vivíamos outros tempos! Eram escritas, geralmente, por duas pessoas: António Homem e Turlu. Os assuntos iam à censura para aprovação. Mas o duplo sentido que se dava ao assunto, apenas o povo compreendia-o. Nas danças de carnaval de agora, até os palavrões são permitidos...

Até bem pouco tempo, participei em danças de carnaval da Terceira Idade.

Fui, também, musico na filarmónica da Sociedade Nova (Sociedade Progresso Lajense) durante muitos anos. Tocava contrabaixo, passei depois para o trombone. Dei muitos anos da minha vida à filarmónica. Tocava por amor à camisola... fui músico até cerca dos meus 45 anos. Todos me conhecem na ilha Terceira...

Todos estes anos que participei, quer nas danças de carnaval, quer como músico na filarmónica, volto a dizer, foram tempos muito bons, numa época muito diferente de agora. Por vezes, sacrificava a minha própria vida para tocar música... Não é como agora, que tudo é tão facilitado... agora, os rapazes trabalham para os carros, para eles próprios. Naqueles tempos, o mais importante era uma casa e todos trabalhava-mos para “casa” (rendimento da família).

 

Jornal da Praia –Para além de conhecer o homem, a vida, um dos motivos para esta entrevista é o Café Central e toda a história visível exposta nas suas paredes. Como é que surge o Café Central?

Pedro Paulo –Este espaço onde nos encontramos, começou por ser uma mercearia. A ideia era construir um negócio que um dia servisse também os meus filhos. Mas, devido ao aparecimento de outros negócios do género junto a este, motivou a mudança para café.

O negócio surgiu como complemento, na medida em que, e dado que trabalhava na Base, na Polícia Americana, seria uma segunda fonte de rendimentos, para ajudar a casa. Agora estou reformado, reformei-me com 51 anos de idade, passo o tempo aqui no café, recebo os meus amigos, as crianças que vão para a catequese, aqui também entram no “Café de Pedro Paulo” e ficam a apreciar todas estas fotografias. É um café feito à minha medida... umas vezes dá lucro, outras nem por isso. Nem dá para água ou para a luz. Devido a um problema de saúde, as pernas também já não ajudam, passo aqui o meu tempo... gosto de ir à tarde a uma tourada.

À noite, estou aqui com os amigos, jogamos às cartas, convivemos.

Neste café não há cerimónias, entram homens e mulheres... não se olham a vestuários. A porta está aberta para todos. É um café típico e, na Vila das Lajes, não há outro igual.

 

Jornal da Praia -... e as fotografias, como é que surgem?

Pedro Paulo –Certo dia, resolvi fazer um quadro com fotografias de amigos que trabalhavam comigo... achamos graça! Depois vieram fotografias das danças de carnaval, oferecidas por um amigo, o Avelino, que trouxe algumas... na altura estavam colocadas na parede, de forma mais ordenadas. Seguidamente, descobri outras fotografias mais antigas, de danças em que participei, também coloquei-as na paredes e, foi crescendo com outras fotografias da freguesia e não só, dadas por várias pessoas. Agora já não tenho lugar para mais!

Muitos amigos continuam a trazer fotografias...

 

Jornal da Praia –Muitas destas fotografias, espelham a historia das Lajes?

Como é que vê as Lajes?

Pedro Paulo –Lembro dum tempo em que a freguesia nem água canalizada tinha, agora é uma das maiores, abriram-se muitos arruamentos, muitas casas estão a ser construídas, com muita gente nova a casar.

Nas fotografias que aqui tenho, podemos ver de danças de carnaval muito antigas, de bois típicos, de soldados aqui iam a guerra em Angola, da própria freguesia mostram o seu desenvolvimento.

Muitas destas fotografias são originais... e não às encontramos em parte alguma.

 

Jornal da Praia –O que vai fazer com todas estas fotografias?

Pedro Paulo –Agora, estou aqui... um dia mais tarde não sei. Quem virá depois, certamente, saberá o que fazer com elas... talvez coloca-las num álbum do tamanho de um “bidão”... quem sabe!