Jornal da Praia

PUB

ABDICAR DA DEMOCRACIA

Quinta, 20 de Abril de 2017 em Opinião 157 visualizações Partilhar

ABDICAR DA DEMOCRACIA

25 de Março. No topo do edifício Municipal impõe-se a bandeira azul com 27 estrelas em circulo. Dizem tratar-se da celebração dos 60 anos do Tratado Constitutivo da UE. Se questionados os transeuntes povoando as ruas nessa solarenga tarde, metade diria nada “pescar” do assunto e os restantes mais não emitiriam do que resignada indiferença.

Ainda que a maioria das normas resultem da transposição de atos da UE, isso diz zero ao cidadão comum, alienado face ao edifício político da união. Os poderes que se querem glorificados mas não escrutinados movem-se sempre na obscuridade, na sombra. É assim que os tratados se perdem em intermináveis remissões, fazendo das “regras” verdadeiros “puzzles” normativos que o cidadão comum logo desiste de compreender.

A preocupação com a viabilidade dos bancos, dos mercados, é equivalente à indiferença face às pessoas. A estas, às pessoas, diz-se que a cedência soberana é natural continuação dos acordos económicos do tempo da CEE, e portanto não é preciso perder tempo com o assunto.

Um acordo sobre taxas alfandegárias é igual a outro que cria um parlamento? Não parece. Mas há pior. A sobreposição da união monetária, a do capital transnacional, à união política, a dos povos, extinguiu de vez a ideia de cidadania europeia.

O “covil” de Estrasburgo a que chamam parlamento age à sombra da comissão, do “cartel” que a dirige e que ninguém jamais elegeu; tal e qual a “nossa” Assembleia Nacional do Dr. Salazar, que sem poder de iniciativa, legislava sob comando do “autoeleito” Conselho de Ministros.

Disfarçada pelo tom colorido da propaganda, é pois a “eurolândia” plena seguidora do autoritarismo fascista que tantos ingenuamente julgam extinto. 25 de Março “celebra” a abdicação da soberania, mas também e sobretudo da democracia.

Paulo Santos

NE: Texto publicado na edição impressa n.º 494 de 14 de abril de 2017 e originalmente publicado no DI.