Jornal da Praia

PUB

CONSIDERA NOÉ COTA: AGUALVA PRECISA DE MAIS TERRENOS PARA CONSTRUÇÃO

Domingo, 16 de Abril de 2017 em Entrevista 131 visualizações Partilhar

CONSIDERA NOÉ COTA: AGUALVA PRECISA DE MAIS TERRENOS PARA CONSTRUÇÃO

Nesta primeira entrevista, conversamos com Noé Cota, 59 anos, aposentado da GNR e presidente da Junta de Freguesia da Agualva (JFA) desde 2009.

A JFA é ainda composta por Márcia Canha, como secretária e Francisco Castro, nas funções de tesoureiro.

Jornal da Praia (JP) – Como caracteriza o seu mandado nas vertentes económicas, sociais, desportivas, recreativas e culturais?

Noé Cota (NC) – O meu mandato, se considerarmos desde o início das minhas funções como autarca o ano de 2009, diria que o caracterizo de um grau de dificuldades bastante elevado, se tivermos em conta não só a grande catástrofe que ocorreu logo no início, mas sobretudo o facto de encontrar uma Junta sem quaisquer meios financeiros para poder sequer satisfazer pagamentos de despesas correntes. No plano material, tivemos portanto de partir do zero. Socialmente, houve necessidade de intervir ativamente no sentido de tentar voltar a pôr as pessoas a assumir uma atitude mais pro-ativa, levando-as a consciencializarem-se que o papel de quem vive em comunidade não pode ser o de estar em casa esperando que tudo aconteça apenas por ação dos outros. Também foi preciso alterar mentalidades no que respeita ao conceito de qual deverá ser o papel da Junta no que concerne à aplicação dos dinheiros públicos, por forma a ser gasto com parcimónia e de modo a beneficiar o mais possível o coletivo. O meu mandato no tocante ao desporto, foi sempre pautado por uma grande atenção e preocupação já que reputo esta atividade de muito importante para a ocupação saudável dos jovens. Dentro do possível, temos sempre apoiado esta atividade, aproveitando as condições e o histórico da freguesia. Apraz-me referir que atualmente, a Agualva está com uma participação muito razoável com a prática de futsal, estando o Grupo Desportivo a funcionar muito bem, mercê sobretudo do trabalho da sua direção que tem recebido também apoio da nossa parte e Câmara Municipal. No aspeto cultural, diria que temos feito bastante desde há sete anos a esta parte, no que respeita a iniciativas da Junta. A Agualva é uma freguesia que tradicionalmente preza-se de valorizar a cultura. Veja-se a Festa das Peras e os bailes de carnaval. Mas além disso, desde que estou na Junta, tem sido feitas em regra, duas exposições por ano, a festa de Natal da Freguesia, funcionamento regular de escolas de música e cursos de bordados, etc. Foi recentemente editado pela Junta, o livro sobre a Freguesia e colaboramos regularmente com as festas, atribuindo um apoio financeiro. Além disso a confeção dos carros alegóricos é feita em instalações desta Junta.

JP – Referiu que começou por incentivar as pessoas a assumirem um papel mais determinante no seio da vida comunitária. Como decorreu este processo de envolvência e quais os resultados obtidos?

NC – Este processo começou desde logo por já ter identificado há muito tempo um certo desinteresse de uma parte significativa da população pela vida da comunidade. Acho que era preciso chamar a atenção das pessoas para que elas assumissem um papel de maior envolvência na vida coletiva. Não quer dizer que este desejo tenha sido totalmente satisfeito, mas procurei – não sei se o consegui – chamar a atenção para que a atitude passiva das pessoas que tendem em viver na comunidade, não está correta. Mantenho o apelo para que haja maior envolvência das pessoas na vida comunitária.

JP – Do trabalho até aqui realizado, qual no seu entender é a realização que marcando a sua presidência auspicia um melhor futuro para a freguesia?

NC – A erradicação das lixeiras dentro da Agualva e a remoção das ruínas no centro da freguesia, acompanhado de uma persistente ação no sentido de motivar as pessoas a zelarem pela limpeza. Devo dizer que esta mudança representa um grande salto no sentido cívico dos moradores. Este trabalho certamente irá refletir-se no futuro. Importante também, terá sido os melhoramentos na distribuição da água à lavoura.

JP – Como classifica o relacionamento institucional da sua Junta de Freguesia com a Câmara Municipal e o Governo Regional?

NC – O relacionamento é bastante bom, tanto assim que os vereadores estão sempre disponíveis para nos atender e dentro das suas possibilidades vão procurando responder ao que lhes é solicitado ou sugerido. O Governo Regional tem sido inexcedível, respondendo afirmativamente às nossas solicitações, atendidos que tem de ser os constrangimentos financeiros.

JP – Anualmente a Agualva organiza a “Onda Cultural”, qual o impacto deste evento no panorama cultural da freguesia?

NC – A Junta leva anualmente a efeito, por altura do Natal, uma festa para a freguesia, totalmente da sua responsabilidade. Este ano, naquela altura, aproveitou-se para fazer também a onda cultural, em que tivemos a prestimosa colaboração da Câmara. A regularidade que temos imprimido a este evento e na época que tem sido realizado, não deixará de ter impacto no meio, contribuindo deste modo para o convívio e sociabilização das pessoas da freguesia.

JP – Desde fevereiro a freguesia passou a dispor de um novo espaço de apoio às atividades culturais, recreativas e desportivas. Que lacunas este novo espaço vem colmatar e qual o seu potencial para a dinamização da vida cultural, recreativa e desportiva da freguesia?

NC – A Construção nos Outeiros, de um pavilhão com a dimensão de 325m2, de facto veio dar resposta a uma necessidade que há muito se fazia sentir. Naquele local estão guardados todos os materiais relacionados com as entidades da Freguesia como sejam coretos, tapais, palcos, etc. Ali se elaboram os carros alegó- ricos da Festa das Peras e depois se guardam de modo a serem remodelados e aproveitados nos anos seguintes. Aquela estrutura que é propriedade da Junta de Freguesia, serve ainda para guardar o seu trator, alfaias e ferramentas.

JP – Recentemente foi homologado o Plano de Intervenção da Freguesia da Agualva. Que importância tem este instrumento quer ao nível da articulação entre os diversos intervenientes em situação de catástrofe, bem como ao nível da prevenção?

NC – Este Plano é de extrema importância e está muito bem elaborado. É importante que os serviços das autarquias disponham desse Plano para que em situação de desastre ou catástrofe em grande escala, se saiba exatamente o papel que cada organismo deverá desempenhar bem como os meios com que pode contar. Se ocorrer um sinistro à escala de Ilha, por exemplo, é importante que os serviços da freguesia saibam como se articular e como cada um deverá proceder, evitando assim perdas de tempo e assim ser mais eficazes na resposta.

JP – Recordou no início da nossa conversa as grandes cheias da Agualva de 2009 e as enormes dificuldades que estas causaram ao seu mandado. Se na altura o presente Plano já existisse, acredita que as dificuldades teriam sido menores?

NC – Entendo que o Plano e penso ser este o espírito que levou à sua criação, visa dar resposta a um cenário de catástrofe de grande amplitude, afetando várias freguesias ou mesmo uma parte da ilha. Neste cenário não é expectável que todos os serviços acorram a uma freguesia em particular, uma vez que todas as restantes precisam de ajuda. Em 2009, foi possível concentrar todos os serviços de socorro na Agualva.

Registei isso e hei-de lembrar isso para o resto da minha vida. A prontidão, a competência e a capacidade dos serviços, mas não significa que seja sempre assim. A freguesia poderá ficar entregue a si mesmo, daí a importância do plano, ao referenciar os serviços e valências da freguesia fazendo que cada responsável saiba exatamente o que tem que fazer. Havendo este conhecimento e esta pré-disposição, acredito que numa situação como a de 2009, em que a Agualva não pudesse dispor de todo o socorro que nos foi prestado, de certa forma estaríamos mais ou menos habilitados numa primeira fase.

JP – É um velho problema que se coloca às freguesias rurais e que se relaciona com desertificação e envelhecimento da população. Nos últimos censos (2011), a sua freguesia registou uma diminuição de população na ordem dos 8,96% em relação a 2001, sendo que no que diz respeito à população mais jovem, dos 0 aos 14 anos, a redução foi de cerca de 40%, enquanto a população idosa, com mais de 65 anos cresceu 19,10%. Face a estes dados, como encara o futuro da freguesia e quais os passos que estão a ser dados para reverter esta tendência?

NC – Os passos que podem ser dados, julgo que estão a sê-lo, ou pelo menos estão devidamente identificados. Sabe-se que uma comunidade só se mantém e se renova, com a fixação de novas pessoas e de pessoas novas. Para isso, é importante tornar a freguesia atrativa e dota-la de serviços que possam facilitar e melhorar o dia-a-dia das pessoas e tornar a sua permanência agradável. Imprescindível é disponibilizarem-se espaços para construção a preços convidativos e melhorarem-se as condições de acesso à aquisição e remodelação das casas que já existem. É importante que a Câmara tenha em conta o desejo desta Junta, inscrevendo no PDM novas zonas para construção e arruamentos, pois isso necessariamente, iria baixar muito o preço dos locais para construção.

JP – O PDM encontra-se precisamente em fase de revisão até junho, altura em que está previsto a sua submissão a discussão pública. De alguma forma obteve da Câmara alguma garantia que esta sua aspiração será contemplada?

NC – A garantia que tenho por parte da Câmara é que eles conhecem as minhas pretensões. Foi-lhes dado conhecimento atempadamente, aliás, desde que vim para a Junta de Freguesia que sabem da necessidade que se faz sentir na Agualva de mais espaços para construção. É provável que com a abertura que tenho encontrado dentro da Câmara que essa nossa pretensão seja tida em linha de conta, em todo o caso, neste momento, julgo que é oportuno voltar a fazê-lo de forma que esta necessidade esteja presente.

JP – Apresentar-se-á como candidato a um novo mandato e se não, quais as características que gostaria ver reunidas no próximo presidente da Junta de Freguesia da Agualva?

NC – Compreendendo embora a pertinência da pergunta e consequente desejo de a ver respondida, porém neste momento não vos irei satisfazer. Faço questão de que os primeiros a saber serão os meus familiares diretos e formalmente, os órgãos do meu partido.

JP – Depreendo da sua resposta que provavelmente será candidato. Reformulando a pergunta: Tem recebido muitos incentivos por parte da população para se recandidatar?

NC – A depreensão é sua, eu nunca disse nada nesse sentido nem faço intenções de acrescentar mais nada que possa trazer mais depreensões parecidas ou de sinal contrário...

JP – Mas diga-nos, tem recebido incentivos à recandidatura? Sente o seu trabalho valorizado pelos agualvenses?

NC – Tenho. As pessoas com quem falo, independentemente de haver um ou outro reparo, que também é bom que aconteça, pois caso contrário era sinal de que na comunidade não havia pessoas com capacidade crítica e falo no sentido da crítica construtiva, embora também tenha abertura para aceitar a crítica negativa. As pessoas que falam comigo têm-se manifestado, ou pelo menos eu fico com esta sensação, de que estão agradadas com a minha prestação.

JP – Para finalizar existe alguma mensagem que gostasse de transmitir aos habitantes da Agualva em particular e do concelho em geral?

NC – Gostaria de dizer aos meus conterrâneos que é importante que se mantenham unidos priorizando a nossa vida coletiva sem alimentarem mal-querenças partidárias que não nos levam a lado nenhum. Igualmente apelo a que se disponibilizem mais na participação da vida coletiva integrando as direções e comissões ou que fazendo parte delas, não se limitem a fazer de conta mas a esforçarem-se para o bom funcionamento das nossas instituições, valorizando o grande legado que os nossos antepassados nos deixaram com muito trabalho e sacrifícios. É justo referir aqui que felizmente, não faltam bons exemplos.

Foto: Rui Sousa

NE: Entrevista publicada na edição impressa n.º 493 de 31 de março de 2017