Jornal da Praia

PUB

PESADELOS

Terça, 11 de Abril de 2017 em Opinião 70 visualizações Partilhar

PESADELOS

Li, no “Diário Insular” de 2 Março de 2017 (pág.20) um artigo, intitulado “Pesadelo”, em que a autora, pessoa que não conheço, faz a denúncia de um possível erro patrimonial (no caso na Ilha do Pico) à custa de um suposto progresso, que passa pela insensibilidade cultural que grassa nestas ilhas.

Vou selecionar alguns parágrafos do dito artigo: “Documentada pelo artigo assinado por Zilda França, vulcanóloga, cuja leitura vos recomendo. Trata-se de um desabafo muito bem escrito, sentido, informativo, acompanhado por fotos alusivas aos fenómenos vulcânicos tal como lavas, lagidos, cabeços, maciços, foi então que decidi rabiscar o que me dói cá por dentro (…)

O Pico é preto, pedra negra, não gosta de cimento, nem argamassa, nem de pisos, dois andares já são demais, quanto mais cinco (nota: referência a um projectado hotel). Gosto das suas adegas e tudo o mais que se assemelhe, aldeias rústicas, novas ou recuperadas, refrescadas pela vegetação que esta Ilha oferece - salgueiros, dragoeiros, sicas, figueiras, araucárias, metrosíderos, gosto de ver rebentar entre as lavas e lajes, perregil, vinha brava e outras plantas endémicas (…)

Por isso considero uma afronta emplastrar aquele mamarracho no limite, tampão da zona classificada. Entre o por ou não por a primeira pedra, cheira-me que precisarão da concordância do Governo Regional. Então, além de apelar ao Presidente da Câmara Municipal da Madalena, aos presidentes das juntas de freguesia mais chegadas, peço acima de tudo ao Presidente do Governo Regional que evite tal desrespeito e contra-senso (…)

Termino como comecei: os Açores são no conjunto das nove ilhas, o que resta do Paraíso na Terra”. (Maria Silva).

É fundamental que a população dos Açores perceba que, para quem que nos visita, o que atrai é a natureza, em muitos casos ainda pouco alterada com os “monstros arquitectónicos” que se veem noutros locais.

A Ilha do Pico é um bom exemplo (mas não só) do que resta da autenticidade paisagística e construída, que ainda se vê por estas ilhas. Infelizmente, no caso da Terceira, a maioria das habitações que se constroem (ou reconstroem), nos nossos dias, são de péssimo desenho (amador?), e com materiais inapropriados; com efeito, o cimento, utilizado em blocos e revestimentos, nas habitações actuais, é um produto pouco saudável para as pessoas que aí vivem.

O que quer dizer que os edifícios em pedra, ainda que reforçados com cimento, são um material mais apropriado para a saúde dos seus habitantes; e, para concluir: é mais vantajoso (e talvez mais barato) recuperar uma casa antiga, mesmo com todas as comodidades no interior, do que construir construções deselegantes, quase sempre mais dispendiosas.

Henrique R. B. Parreira

NE: Texto publicado na edição impressa n.º 493 de 31 de março de 2017