Jornal da Praia

PUB

UMA NOVA HEROÍNA DA SALGA

Domingo, 09 de Abril de 2017 em Opinião 164 visualizações Partilhar

UMA NOVA HEROÍNA DA SALGA

No passado dia 15 de Março de 2017, foi comemorado o 525º aniversário do Hospital de Santo Espírito da Ilha Terceira, como noticiou na devida altura o JP. E tal efeméride me fez evocar um importante discurso de Nicolau Anastácio de Bettencourt, proferido no dia 20 de julho de 1856, sobre uma nova heroína da Vila de S. Sebastião, de nome Sabina Eugénia. Pedro de Merelim, bem conhecido dos Terceirenses e dos leitores deste quinzenário, exumou esse discurso das suas incansáveis pesquisas e o deu à estampa, há meio século, com o merecido destaque.

E para começar aqui vão uns breves elementos biográficos  sobre Nicolau Anastácio Bettencourt, o orador do texto que abaixo se transcreve.

Nasceu no Funchal, ilha da Madeira,  em 1810 e faleceu em Angra, no ano de 1874.

O seu nome foi incluído na toponímia de diversas povoações, com especial realce nas cidades de Angra, Aveiro, Horta e Ponta Delgada, onde desempenhou as funções de governador civil dos respectivos distritos.

Chega à Terceira, incorporando o Batalhão de Voluntários da Rainha, D. Maria II, que aos 19 anos, vem reforçar as forças liberais ali acantonadas, tendo-se aboletado, na Rua da Graça,  na Vila da Praia, em casa  do capitão de ordenanças Luís Boaventura e Brito e de D. Isabel Jacinta, seus futuros sogros. Casará, em 1833, com Balbina Cândida de Brito, nascida na então Vila da Praia.

Em 11 de Agosto de 1829, toma parte na Batalha da Praia.

Integra, em 1831, a expedição preparada na Terceira para submeter as outras ilhas açorianas, ainda sob o governo miguelista, participando no combate da Ladeira da Velha, em S. Miguel, a 2 de Agosto de 1831.

A 3 de Março de 1832, participa na recepção feita a D. Pedro, imperador do Brasil e nos preparativos para a expedição dos 7500 bravos, que desembarcariam no Mindelo, tendo dado Nicolau Anastácio de Bettencourt provas de grande valentia no cerco do Porto.

Após a vitória dos liberais, é nomeado secretário-geral da Prefeitura dos Açores, sediada em Angra, e exerce mais tarde muitos outros cargos no arquipélago, sobretudo na Terceira, que considerava a sua segunda pátria e na qual realizou notável acção como político e filantropo.

Uma das obras mais importantes deixadas, em Angra, foi a Caixa Económica (hoje incorporada na Caixa Económica da Santa Casa da Misericórdia e o Asilo da Infância Desvalida, actualmente o Lar do Livramento.

Após a sua aposentação, fixou residência na cidade de Angra, onde morou e faleceu na sua casa, sita na actual Rua Recreio dos Artistas, em frente à Cozinha Económica, hoje sede do Alpendre.

 

O discurso de Nicolau Anastácio na Vila de S. Sebastião

Sabina Eugénia, neste dia festivo para a vossa terra natal, eu venho apresentar-vos, em nome da Real Sociedade Humanitária da cidade do Porto, a mui honrosa medalha de prata com que vos distinguíu a mesma Sociedade. Igualmente vos entrego o respectivo diploma, e com ele uns brincos de ouro, que vos são oferecidos pelos ilustres directores de tão benéfica e pia instituição.

A voz da imprensa periódica, levantada em primeiro lugar pelo jornal O Angrense, fez conhecer o acto de valor que praticastes, livrando uma infeliz de afogar-se como projectava. Desde logo, nesta Ilha Terceira, a notícia desse facto memorável produziu a grata impressão por mim partilhada como geral dos povos do importante distrito, que tenho a honra de administrar e então, como testemunho do muito apreço em que era considerado o vosso bom proceder, vos entreguei imediatamente um leve sinal da estima da autoridade.

Depois, a voz da imprensa, torno a repetir, essa voz eléctrica que por toda a parte se derrama, lá foi também ecoar, ao longe, apregoando o vosso denodado comportamento. Daí resultou a simpatia e admiração dos nobres filhos da cidade invicta, conspícuos fundadores dessa preclara Associação, destinada a premiar acções realmente meritórias.

Nem outra coisa podia acontecer, tanto em respeito à Real Sociedade como em relação ao acto praticado.

A Real Sociedade Humanitária, porque criada sob os auspícios de Sua Majestade Fidelíssima, o Senhor Dom Pedro V, nosso adorado soberano, e de Sua Majestade El-Rei, o Senhor Dom Fernando, composta de cidadãos distintos por sua posição social, ilustração e patriotismo, certamente ao constar-lhe o facto aludido, não deixaria de aproveitar o ensejo para satisfazer, como sempre satisfaz, os filantrópicos fins do seu compromisso.

Ao acto praticado por vós, cidadã benemerente, adquiristes todo o direito à distinção que recebeis. Com risco da própria vida, com decisão e presteza, acudistes, arrostando as ondas, a quem alucinada se propunha ser presa delas. Tivestes que lutar para conseguir vosso generoso intento; mas, alfim, após essa luta, folgou felizmente a humanidade, triunfando a vossa coragem.

E se acções tais são sempre credoras de merecido louvor, quando praticadas pelos homens; a quanto maior grau de apreço não deverão elas subir, e em quanto mais elevado quilate não deverão ser aferidas, se uma pessoa do sexo feminino, uma débil mulher, foi quem as levou a efeito?!

Demais, neste sucesso, como em tudo, se nos revela visível a Protecção Divina, a Omnipotência do Altíssimo.  Sabina Eugénia, senhores, esteve outrora quase sendo vítima de uma morte desastrosa. Caindo a um profundo poço, sem haver nos arredores quem lhe valesse apesar dos seus gritos de socorro, e já nos últimos paroxismos, foi contudo preservada do sepulcro que via naquele seu abismo, para ser o instrumento, guiado pela mão de Deus, da salvação de outra existência!...

Adoremos, senhores, os sábios Decretos da Providência. E saudemos, nesta solene ocasião, a cidadã prestante, a nossa Sabina Terceirense, que honrando-se com a dignidade moral da sua abnegação, faz reflectir a glória que alcançou na terra que lhe deu berço.

Saudemos, respeitosos, a Real Sociedade Humanitária da Cidade Invicta Eterna( sic)—essa salutar instituição  que, organizada para conferir justos prémios a serviços de tal ordem, nos aponta exemplos a seguir em favor da humanidade, nos excita a iguais cometimentos.

Saudemos, finalmente, esta tão antiga Vila de S. Sebastião, onde teve lugar o facto valioso, esta histórica Vila, notável povoação de há muito enobrecida por ilustres feitos bem próprios dos Anais da Terceira.

E daqui vamos, senhores, ao templo de Deus, render graças, que lhe são devidas, pondo assim completo o remate ao modo por que solenizamos uma acção digna de geral aplauso».

Aqui está um bom exemplo a seguir contra os escolhos do nosso presente e o remédio contra a abulia, a negligência e o desinteresse.

António Neves Leal

NE: Texto publicado na edição impressa n.º 493 de 31 de março de 2017