Jornal da Praia

PUB

Carnaval

Sexta, 24 de Março de 2017 em Editorial 577 visualizações Partilhar

Carnaval

Mais um Carnaval se realizou nesta Ilha Terceira, e como já vem sendo habitual, voltou a ser um sucesso sem par nos Açores e mesmo no país.

O Carnaval Terceirense tem uma mística muito própria e faz parte do ADN do povo Terceirense.

O Entrudo nesta Ilha de Jesus tem-se adaptado e metamorfoseado, a fim de responder às evoluções sociais e políticas ao longo dos tempos, afirmando-se coisas a rir e a brincar que tocam em cheio nas vivências do dia-a-dia.

O Carnaval Terceirense tem as suas origens nos primórdios de colonização da nossa ilha, e ano após ano os grupos foram evoluindo, aparecendo danças de espada com exímios puxadores, danças de pandeiro, bailinhos e comédias onde a temática aborda temas históricos, trágicos, familiares, políticos e religiosos de impacto relevante.

Este nosso Carnaval, segundo os estudiosos do assunto, é a maior manifestação de teatro popular, não só a nível regional, mas também a nível nacional e mundial, sendo uma festa feita pelo povo e para o povo, onde durante 4 dias os lugarejos da ilha são palcos onde o povo actua com danças e bailinhos distraindo e animando o povo que esquece as agruras da vida lançadas pela feroz crise que teima em persistir.

Este ano a Ilha Terceira pelo Entrudo engalanou-se para receber nos salões da ilha cerca de seis dezenas de bailinhos, comédias e danças da Ilha Terceira, três danças dos Estados Unidos e uma do Canadá.

O Carnaval está vivo, este genuíno teatro popular da nossa ilha tem o futuro assegurado, pois é sempre notória e louvável a adesão em massa da juventude a estas tradições carnavalescas.

O nosso Carnaval tem um potencial turístico ainda por explorar, e não temos dúvidas algumas, que em breve esta festa do povo será um cartaz turístico apetecível.

Para quando a classificação das tradicionais danças e bailinhos carnavalescos, como Património Imaterial de Portugal?

O Diretor
Sebastião Lima
diretor@jornaldapraia.com

NE: Texto publicado na edição impressa n.º 492 de 17 de março de 2017.