Jornal da Praia

PUB

Estupefacientes

Sexta, 24 de Fevereiro de 2017 em Editorial 719 visualizações Partilhar

Estupefacientes

Os Órgãos de Comunicação Social, têm-nos dado notícias relacionadas com o consumo e tráfico de estupefacientes no País e nas Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira.

O SICAD, Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências, sedeado em Lisboa, concluiu que os Açores era uma das regiões do país que apresentavam as maiores percentagens de consumo e tráfego das chamadas drogas duras (cocaína, heroína, etc.), no ano de 2015.

Esta situação, infelizmente é sem dúvida vergonhosa para os Açores, porque uma sociedade onde abunda o consumo e tráfico de estupefacientes é uma sociedade doente, é uma sociedade sem esperança, é uma sociedade com futuro incerto.

É um dever imperativo, que recai sobre todos, nomeadamente os políticos, os governantes, as instituições sociais e mesmo as religiões combater de forma enérgica e decisiva este flagelo social, que afecta sobretudo os nossos jovens, retirando-lhes o optimismo, a coragem para saírem deste desairo familiar e social.

Quem vive sem esperança, dependente das drogas, não tem sentido no futuro, muito menos na crença num mundo melhor e na transformação dos corações humanos abertos à solidariedade e à paz, necessitando urgentemente de soluções, quer políticas, quer sociais no sentido de libertar os jovens oprimidos por este vício absurdo que lhes bloqueia o desenvolvimento das suas capacidades de compreensão a si e aos outros que os rodeiam.

As pessoas isoladas, os desempregados de longa duração, os pobres sem perspectivas futuras, os filhos de famílias desavindas são grupos sensíveis e vulneráveis às armadilhas das drogas, que leva ao consumo de qualquer droga ao longo da vida, e que tem vindo a aumentar na população mais jovem desde 2001.

Olhando para este quadro negro que em nada nos deve orgulhar, leva-nos a ponderar saídas para esta nefasta situação, encontrando medidas de combate preventivo ao consumo de estupefacientes, tentando cicatrizar esta chaga social em prol de um futuro melhor, para que os Açores possam deixar de ser campeões do consumo de drogas.

O Diretor
Sebastião Lima
diretor@jornaldapraia.com