Jornal da Praia

PUB

Crise económica

Sexta, 03 de Fevereiro de 2017 em Editorial 862 visualizações Partilhar

Crise económica

A crise económica neoliberal que desembocou no crash de 2008, parece não ter fim e será dificilmente removível.

Na verdade o ultracapitalismo está na sua génese, daí que as soluções encontradas, quer políticas, quer económicas não têm tido qualquer eficácia na extinção da profunda crise económica e financeira que estamos a atravessar.

Este impasse vicioso em que a crise económica caiu deve-se ao facto da alta finança dominar os governos legitimamente eleitos pelo povo, maniatados por interesses egoístas estritamente económicos impondo uma austeridade que pune simplesmente os trabalhadores, e as gerações mais desfavorecidas, gerando-se uma espiral desigualitária sem fim.

Os governos democraticamente eleitos não podem estar sufocados pelo imperialismo financeiro, que se for deixado actuar desenfreadamente, sem restrições e regulamentações, levará ao desaparecimento da própria democracia.

As democracias políticas que não podem democratizar o seu sistema económico são infrutíferas, e jamais conseguirão a paz e a solidariedade entre os povos.

Um país como o nosso que “cada vez mais dolorosamente restringido ao cálculo e às estatísticas, no qual os homens são considerados como coisas reais em função apenas da sua rendibilidade e patrimonialidade, desaparecendo a vertente humanista” conquista tão cara ao mundo Ocidental, traz na sua essência mau agoiro.

Ora, o âmbito e a complexidade desta problemática económica que impera na nossa sociedade, não poderá ser ultrapassada sem um diálogo profundo com as forças políticas, sociais e económicas que permitam delinear saídas sustentáveis e equitativas para se construir uma sociedade mais justa e solidária, que ofereça iguais oportunidades a todos de forma sustentável, preparando o nosso futuro, afastando-se das ideias neoliberais que defendem paulatinamente “que os direitos dos trabalhadores e os salários decentes são um bloqueio à reactivação do capitalismo e devem desaparecer. Este é o verdadeiro projecto de austeridade: baixar os salários e os padrões da vida no Ocidente durante décadas, até que estes sejam equiparados aos das classes médias da China e da India, que estão a subir”.

O Diretor
Sebastião Lima
diretor@jornaldapraia.com