Jornal da Praia

PUB

Mário Soares

Sexta, 20 de Janeiro de 2017 em Editorial 676 visualizações Partilhar

Mário Soares

Mário Alberto Nobre Lopes Soares, nasceu a 7 de dezembro de 1924, no seio de uma família puramente republicana e democrata, licenciou-se em Ciências Histórico-Filosóficas, na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, em 1951 e em Direito na Faculdade de Direito da mesma universidade em 1957.

Foi advogado e professor no ensino secundário particular, na qualidade de advogado foi defensor de inúmeros presos políticos, participando em julgamentos realizados no Tribunal Plenário e no Tribunal Militar Especial, defendendo importantes figuras da nossa vida política, nomeadamente Álvaro Cunhal, Adelino da Palma Carlos, e a família de Humberto Delgado.

Mário Soares foi um homem de ideais sólidos e de convicções firmes, homem corajoso que lutou contra a tirania fascista do Estado Novo, e que jamais teve interesse em ser exemplar, cometeu erros, é verdade, mas soube sempre reconhecê-los, e melhorando sempre as suas atividades políticas em prol de um país melhor.

Mário Soares, faleceu no dia 7 de janeiro de 2017, este paladino da liberdade e da democracia, foi Primeiro-ministro e Presidente da República Portuguesa, e para ele não havia liberdade sem democracia e democracia sem liberdade, por isso foi considerado por todos o pai da liberdade e da democracia instalada em Portugal com a Revolução do 25 abril de 1974.

O papel do Mário Soares na luta contra a atroz ditadura fascista do Estado Novo que isolou Portugal da Europa e do Mundo, foi determinante para que os portugueses pudessem viver democraticamente, e não se pode esquecer também a sua luta imprescindível contra a deriva comunista do pós 25 de Abril que sob a influência da União Soviética pretendia instaurar em Portugal uma ditadura do proletariado.

Mário Soares, foi o primeiro político que conseguiu pela primeira vez que os mencheviques triunfassem contra os bolcheviques, desembocando a revolução portuguesa numa democracia pluralista, e servindo de modelo às demais revoluções que seguiram na Europa e no Mundo.

Mário Soares colocou novamente Portugal na Europa e no Mundo, com a adesão de Portugal à CEE, o que implicou a modernização do Estado Português.

Foi um amigo e defensor das autonomias político-administrativas dos Açores e da Madeira, e por isso muito lhes devem os Ilhéus na consolidação dos regimes autonómicos.

Mário Soares um dos principais obreiros para a consolidação da democracia em Portugal, foi um extraordinário resistente contra o fascismo, tendo sido preso, torturado, perseguido e desterrado pela PIDE, policia fascista ao serviço do Estado Novo, nunca desanimou, nem lhe faltou coragem para lutar por um país melhor, livre e democrático.

Portugal, os Açores, Madeira, e as gerações vindouras, perderam um grande político, um amigo, um herói impar, não só a nível nacional mas também Europeu e Mundial.

O Diretor
Sebastião Lima
diretor@jornaldapraia.com