Jornal da Praia

PUB

Mar dos Açores

Sexta, 14 de Outubro de 2016 em Editorial 721 visualizações Partilhar

Mar dos Açores

O novo Comandante da Força Aérea Portuguesa da B.A.4 na Base das Lajes, que recentemente tomou posse referiu que a Ilha Terceira "é o ponto mais estratégico de Portugal", é uma verdade inabalável, mas omitiu que no mar dos Açores e no seu leito abundam riquezas incalculáveis, sem paralelo no resto do país.

A aberração da política centralista e neocolonialista da República, relativamente aos fundos marinhos dos Açores, gera graves dificuldades relativas à direção da sua exploração, nomeadamente existe uma intenção nítida do Terreiro do Paço em afastar os Açores, os Açorianos, e os seus órgãos governativos das funções da posição decisória na fruição de tais riquezas.

A Ministra do Mar do Governo da República já apregoou ao mundo inteiro de que iria adjudicar a uma empresa Canadiana a exploração e prospeção mineral dos fundos do mar dos Açores.

O mar dos Açores é dos Açorianos e consequentemente estes através dos seus órgão de governo próprios consagrados com o ressurgimento da autonomia política e administrativa, âncora firmíssima das nossas esperanças no tempestuoso mar que se avizinha, é que devem tomar as rédeas daqueles destinos, e não o Governo da República Portuguesa sedeado em Lisboa.

Logo após o 25 de Abril de 1974, se os Açores fossem uma região muito pobre, sem saídas futuras - pois já há várias dezenas de anos que se sabe das potencialidades enormes dos fundos marinhos dos Açores, onde se tem feito grandes descobertas, existindo grandes jazidas minerais, grandes riquezas e provavelmente enumeras outras que eventualmente irão surgir, o que tem gerado enorme cobiça e inveja das grandes potencias mundiais - ter-nos-iam imposto a independência, porque o Estado Português jamais queria suportar um fardo tão pesado.

A legislação sobre estes assuntos, além de confusa e mal elaborada é prejudicial para os interesses dos açorianos e defende sempre o centralismo colonialista da Republica Portuguesa.

Daí que, será que o povo dos Açores terá de promover outro 6 de Junho? Para que possamos mandar naquilo que é só nosso, e obter-se legislação onde se consagre as nossas justas pretensões e reivindicações, usando-se assim os métodos utilizados para a conquista da autonomia.

Os Açores não são o quintal de Portugal, tem que haver legislação clara e simples, que defenda e que defina que quem manda nos fundos dos mares dos Açores são os Açorianos, posto isto, podemos concluir com uma frase de Montesquieu "quando um povo tem bons costumes, as leis são simples".

O Diretor
Sebastião Lima
diretor@jornaldapraia.com