Jornal da Praia

PUB

Subvenções Vitalícias

Quarta, 21 de Setembro de 2016 em Editorial 613 visualizações Partilhar

Subvenções Vitalícias

A democracia produto gerado pelo espirito genuíno dos sábios Helénicos é o governo nítido do povo e para o povo, promovendo a liberdade, a solidariedade e a igualdade social, e por isso diz-se com razão que um povo não é só caracterizado pelos seus grandes feitos ou gestas, mas sobretudo pela justiça material das suas decisões e deliberações, tendo como fim único e exclusivo o bem-estar de todas as pessoas que constituem a sociedade (a polis).

Ora, quando uma Lei consagra subvenções vitalícias para os deputados que passaram nas Assembleias Regionais e da Republica ou para governantes que chefiaram Executivos Regionais ou Nacionais é ilógica e contraditória, contrariando a verdadeira essência da democracia e do Estado Social de Direito; quando na verdade os deputados ou governantes deverão dedicar-se de alma e coração à nobre missão em que foram investidos, na defesa do país, da região e do povo, e não tratarem a si mesmos com uma consideração desmedida salvaguardando os seus exclusivos interesses, porque devem os homens nomeadamente os políticos “deixarem de ser o que são, para serem o que devem”.

Nos Açores vive-se em plena pré-campanha eleitoral para as Eleições Regionais de Outubro, e ainda não surgiram vozes partidárias a defender a revogação da Lei das Subvenções Vitalícias, que enferma de enorme escândalo, não tendo em conta a miséria e as lágrimas dos pobres e marginalizados.

Por isso, não é por acaso que Portugal é classificado no ranking internacional como um dos países mais corruptos do mundo, e veja-se ultimamente o caso Galp, uma das maiores empresas portuguesas que se recusa pagar 100 milhões de euros ao Fisco, mas leva secretários do Estado e deputados ao Campeonato Europeu de Futebol, realizado em França, e aqueles aceitaram tal benesse sem qualquer pejo, defendendo a submissão da política ao capital, com todas as consequências nefastas que tal atitude acarreta, afirmando-se assim com toda a lógica que “as pessoas acostumadas à corrupção são muito difíceis de mudar e quase sempre nunca mudam”, daí que os nossos deputados e governantes teimam em não revogar a Lei das Subvenções Vitalícias para infelicidade nossa.

Assim sendo, é preciso denunciar tal vergonhosa situação, para que os responsáveis políticos não a ignorem e tenham consciência de que o povo não acata leis injustas.

O Diretor
Sebastião Lima
diretor@jornaldapraia.com