Jornal da Praia

PUB

Terrorismo

Sexta, 26 de Agosto de 2016 em Editorial 1337 visualizações Partilhar

Terrorismo

Depois do 11 de setembro, o terrorismo tem sido de tal forma eficaz, e sem fim à vista, que conseguiu semear de forma genérica o pânico, o terror sobre as pessoas, atacando países livres e democráticos, por todo o mundo.

A morte recente do Padre Católico na Normandia, Jacques Hamel, grande paladino do diálogo inter-religioso, às mãos de terroristas fieis ao autoproclamado estado islâmico, quando celebrava missa aos seus paroquianos, chocou e desorientou a já frágil e ameaçada sociedade ocidental, que anseia desesperadamente pelo fim do terrorismo, e que impere a paz, a fraternidade e a prosperidade, e assim seria bom para todos nós que não podemos ficar de braços cruzados, nomeadamente os responsáveis pelos governos das nações que combatem o terrorismo, para que se entendem e encontrem medidas de combate a este flagelo dos nossos dias, pois este tempo terá de ser de mudança e de renovação, a nível social, a nível pessoal, em que os valores da dignidade humana, da justiça e da solidariedade se tornem parte essencial e fundamental da nossa maneira de ser.

Neste começo do século XXI, assistimos a transformações impressionantes e difíceis de prever onde possam vir a desembocar, nomeadamente a questão do terrorismo jamais pode ser negligenciada, apesar do alastramento do processo de secularização, e a decadência religiosa, não atirou para segundo plano o terrorismo fanático de algumas correntes islâmicas, ao contrário do que tinha sido vaticinado por importantes estudiosos destes assuntos, antes pelo contrário o terrorismo “monopolizou a nossa atenção no inicio do século XXI” com o único objetivo de desorientar as pessoas, lançando o caos deliberadamente.

Estamos perante um nó górdio de difícil e espinhosa solução, por isso há que combater o trafego de armas, a questão comercial dos petróleos aos islâmicos terroristas do Daesh, os kits na internet promocionais do terrorismo, o combate in loc com lançamento de soldados no terreno no combate ao Daesh, pois como se tem verificado os bombardeamentos aéreos não têm gerado resultados significativos, por isso os países livres onde impere o estado social de direito devem-se irmanar nessa luta para pôr termo ao terrorismo, a fim de que não prevaleça a divisa do Daesh “Deus definiu apenas uma razão para matar… e isso é a jihad… a sharia é a autoridade e as leis de Deus são cumpridas... o resto do mundo é a casa da guerra”.

O Diretor
Sebastião Lima
diretor@jornaldapraia.com