Jornal da Praia

PUB

Charlie Hebdo

Sexta, 23 de Janeiro de 2015 em Editorial 1266 visualizações Partilhar

Foi dizimada brutalmente a redacção do jornal francês Charlie Hebdo, no dia 7 de Janeiro do corrente ano por radicais ismaelitas.

Os jornais, os jornalistas não podem baixar os braços, perante uma das maiores e mais horrenda atitude terrorista, no coração de Paris, a França, a Pátria onde se defende nobres ideais que iluminam o mundo inteiro – Liberdade, Democracia, Igualdade e Solidariedade – denunciando-a firmemente para que não volte a repetir-se.

O jornal Charlie Hebdo, germinado em Maio de 1968 era um baluarte da liberdade de expressão e de pensamento, jornal satírico de primeira linha, ironizando políticos e política, religiosos e religiões, capitalistas e banqueiros, mas os fanáticos que seguem o Islão de forma radical, são inimigos da liberdade de expressão, de pensamento e religião de forma soberba e governada com arrogância e sem qualquer razão.

Os terroristas agarenos que procederam a tão horrendo acto, no fundo quiseram para além de matar a liberdade de imprensa, intimidar, semear o medo e o caos no mundo ocidental, mas felizmente não o conseguiram, com notoriamente se pode verificar com as inúmeras manifestações de solidariedade a nível mundial para com o Charlie Hebdo, em particular e em geral com todos órgãos de informação que lutam contra a censura e ou qualquer forma de pressão política, religiosa, económica que tente interferir nas suas linhas redactoriais.

Há que preservar a liberdade de imprensa e de mais conquistas sociais herdadas da Revolução Francesa, em que o homem é o centro de todas as coisas e não um objecto alienado por filosofias e correntes de inspiração terrorista que pretendem reinar com dolo, julgar contra a verdade, amando a mentira.

O terrorismo é o maior monstro dos nossos dias, que cuida saber tudo, e de forma traiçoeira impõe os seus objectivos, por isso tem que se ter paciência e persistência para se lutar contra a sua exterminação, porque “sem igualdade, e igualdade com todos não há paz, a paciência é a ciência da paz”.

A forma calculista, a sangue frio e de grande determinação que os terroristas actuaram, gera ódio e aborrecimento, a que as pessoas de bem devem saber superar.

Neste momento crítico e em todos os momentos o Jornal da Praia é Charlie Hebdo.

Diretor, Sebastião Lima