Jornal da Praia

PUB

Transporte de bagagem - CDS-PP quer acabar com discriminao nos voos da Dispora

Quinta, 19 de Maio de 2011 em Atualidade 774 visualizações Partilhar

Transporte de bagagem - CDS-PP quer acabar com discriminao nos voos da Dispora O Presidente do Grupo Parlamentar do CDS-PP Açores Artur Lima apresentou, esta quinta-feira, um Projecto de Resolução que visa repor “justiça” e acabar com “uma penalização e discriminação” no transporte de bagagem de porão nas ligações aéreas entre os Açores e os nossos destinos da Diáspora, em voos operados pela SATA.
Concretamente, os populares recomendam ao Governo Regional “para que, tão rápido quanto possível, os passageiros que pretendam vir da diáspora às suas ilhas e os Açorianos que queiram deslocar-se à diáspora usufruam, nos voos inter-ilhas, da mesma capacidade de carga dos voos intercontinentais operados pela SATA Internacional, sem custos adicionais”.
Isto porque, esclareceu Artur Lima, “os nossos emigrantes que visitam os Açores ou os Açorianos residentes que querendo visitar os seus familiares e amigos na diáspora escolhem a SATA Internacional para viajar estão a sentir dificuldades para transportar a sua bagagem de porão. Estão em causa duas situações que se conjugam prejudicando gravemente os passageiros: A alteração da taxa cobrada pela bagagem que exceda a franquia estipulada, passou de 1,60€ para 7€ por quilo, representando um aumento da ordem dos 440%, desde o passado dia 11 de Abril; A diferença entre a quantidade de carga de porão incluída na tarifa aérea para um voo intercontinental e um voo inter-ilhas”.
Para os populares, “os emigrantes que venham aos Açores e o seu destino final não seja São Miguel, com excepção da operação sazonal para a Terceira, embora cumprindo os limites de peso da bagagem de porão na viagem intercontinental, têm que pagar excesso de peso nas ligações às suas ilhas, na SATA Air Açores, caso o peso da bagagem de porão exceda os 20kg”. Por outro lado, acrescentou Lima, “os Açorianos residentes em outras ilhas com destino final à diáspora, em voos operados pela SATA Internacional, são penalizados e discriminados, pois a franquia livre de bagagem nos voos inter-ilhas, só lhes permitem transportar 20kg de bagagem de porão, sendo o limite de peso na viagem intercontinental superior”.
Inaceitável
Ora, para a bancada parlamentar democrata-cristã, “esta situação é inaceitável”. “Como é que se pode falar em mercado da saudade quando o dono da mesma companhia aérea que permite aos passageiros trazerem 50 kg de bagagem até Ponta Delgada é o mesmo que só permite levar 20 quilos para outra ilha, aplicando uma simpática prenda de boas vindas de mais de 200 euros de excesso de bagagem, o que significa metade de uma passagem entre Boston e os Açores”.
Perante isto, Artur Lima questiona: “Onde está a justiça? Onde está a saudade? Justiça não há e o emigrante que nos visita regressa sem saudades da sua terra e do seu Governo”.
O CDS-PP alerta, ainda, para “o facto de a SATA Air Açores, aquando da renovação da sua frota, ter aduzido como argumento para a compra uma maior capacidade de carga dos novos aviões”.
Para os centristas “é preciso mais do que discursos bonitos. É preciso acarinhar os nossos emigrantes e permitir que os seus familiares e amigos na Região tenham a possibilidade de os visitar sem penalizações”.
Assim, “no âmbito da nossa acção parlamentar, mas, acima de tudo, por uma questão de obrigação moral e ética assumimos, aqui e agora, uma critica frontal a esta discriminação e construtivamente apresentamos uma solução perfeitamente exequível”, afirmou o Líder Parlamentar.
Estreitar laços
Segundo Artur Lima, “o chamado mercado da saudade é muitas vezes falado pelos responsáveis políticos e muitas vezes recordado por esta Assembleia. É certo que, por diversos factores de índole económica e financeira, a contribuição dos nossos emigrantes para o desenvolvimento da nossa Região já não tem comparação com impactos de décadas passadas. Hoje, o contributo da nossa diáspora já não se faz pelas divisas. Faz-se pela saudade! Hoje, o contributo da nossa diáspora materializa-se no turismo”. Desta forma, acrescentou, “é preciso estreitar os laços, entre os que cá ficaram e os que partiram”.  

Artur Lima lembrou que “há muito que o CDS-PP afirma que o turismo só pode ser viável com uma boa política de transportes aéreos, algo que a Região tem possibilidade de promover porque é dona de duas companhias: a SATA Internacional e a SATA Air Açores”.