Jornal da Praia

PUB

Editorial - Borges Martins

Sexta, 12 de Setembro de 2014 em Editorial 1334 visualizações Partilhar

Faleceu no dia 24 de Agosto, o escritor, o poeta e o investigador, José Henrique Borges Martins.

Borges Martins, nasceu em 1947 em Angra do Heroísmo, onde tirou o curso na Escola Comercial. De 1968 a 1970 cumpriu o serviço militar na Força Aérea Portuguesa em Angola, desempenhando as funções de mecânico, foi escriturário dactilografo dos Serviços de Viação, e foi colaborador da Imprensa local, nomeadamente do extinto Jornal União, no suplemento literário “Glacial”, também colaborou com inúmeros artigos no Jornal da Praia.

Considerado um dos grandes poetas açorianos da sua geração, na sua poesia há palavras ”vindas do fundo dos tempos, palavras carregadas de história e de promessas que fecundam os acontecimentos e lhes investem prodigiosos futuros.”

Borges Martins, autor de diversos livros: Silêncio Vertical, Por Dentro das Viagens, nas Barbas de Deus, autor de obras de investigação, desde a Cantoria Popular à Justiça da Noite.

Borges Martins viveu fazendo frente à arrogância de um elitismo académico doentio e soberbo, com uma poesia que exercitava o medo de existir, e que encarnava no espaço e no tempo a geografia e a história das gentes das ilhas.

Poeta e investigador, em que os seus olhos ensinavam “a pedir socorro à fé” contra o mau-olhado ou seja quebrante.

Borges Martins, que vivia na freguesia dos Biscoitos, era um “homem letrado resolvendo os escrúpulos por si mesmo”, sujeito de grande sabedoria e virtude, independente e respeitável. Era douto, e não necessitou de ser “mestre pelos graus, nem ainda pelas cadeiras da Universidade, senão pela ciência sólida e bem fundada”, de onde desabrochou belas obras e variadas opiniões.

Borges Martins, foi um paladino da liberdade e da democracia, os Açores ficaram-lhe a dever muito pela sua notável obra literária, legado importantíssimo que urge conservar e estudar.

Borges Martins, foi um visionista impar de uma ”insularidade de forma universal”, foi um homem que da lei da morte se libertou, dignificando a sua terra e sua região.

 

Diretor, Sebastião Lima