Jornal da Praia

PUB

Editorial - BES

Segunda, 11 de Agosto de 2014 em Editorial 1081 visualizações Partilhar

Editorial - BES

O Banco Espírito Santo, vulgarmente conhecido por BES, transformou-se recentemente em dois bancos: o Novo Banco, o banco bom, e o BES, o banco mau, bad bank, por iniciativa do Banco de Portugal, pois mais vale tarde do que nunca, os erros detectados pela supervisão e pelos reguladores, nomeadamente o Governador do Banco de Portugal só tardiamente se aperceberam de graves problemas no maior banco privado português, administração fraudulenta, crimes relacionados com actividades ilícitas e alguns alegados branqueamento de capitais, factos estes extensivos aos grupos financeiros associados ao BES.

O BES dos Açores, faz parte do Novo Banco, pois trata-se de um bom activo, em que o Novo Banco passa a ser accionista maioritário, ora felizmente que os depositantes do BES dos Açores têm os seus depósitos garantidos, o responsável do BES dos Açores, Gualter Furtado, divulgou que brevemente esta instituição bancária irá surgir com nova designação, “mantendo a qualidade, segurança e credibilidade como factor chave que sempre o caracterizaram”.

Ricardo Salgado, ex-presidente do BES, está sob a alçada da justiça, pelo envolvimento no negócio de venda à Sonangol de empresas criadas pelo empresário Hélder Bataglia e pelo Grupo Espírito Santo, a ESCOM, com investimentos variados, nomeadamente explorações mineiras, petrolíferas, obras públicas, energia, etc.

Não foi há muito tempo que sucedeu um caso similar com o BPN, que custou ao erário público uma pesada factura, e convencendo-se o país que estaria imune a situações idênticas, pois a Supervisão do Banco de Portugal falhou negligentemente mais uma vez ao não actuar atempadamente, cortando o mal pela raiz.

Causa espanto, o facto de ter sido preciso Ricardo Salgado deixar a Presidência do BES, para que o Regulador e a Justiça actuassem, o que é lamentável num Estado Social de Direito.

Os Banqueiros e os Políticos a eles0 colados, continuam com linguagens enganosas, que tanto enganam, e tanto falam, e são os que mais falam, para iludir o povo, que cada vez mais está mais ciente de que aqueles “furtam, furtaram, furtavam, furtariam e haviam de furtar mais se mais houvesse”, é este o resultado deste agir criminoso em que se tornou num modo de vida no nosso país.

 

Diretor, Sebastião Lima