Jornal da Praia

PUB

OLIVÉRIO RIBEIRO - UM ARTISTA PRAIENSE

Segunda, 27 de Dezembro de 2010 em Atualidade 1471 visualizações Partilhar

OLIVÉRIO RIBEIRO - UM ARTISTA PRAIENSE

No âmbito da sua actividade anual o Clube Rotário de Praia da Vitória promoveu uma homenagem ao destacado artista praiense Olivério José Ribeiro de Sousa. Na verdade, se qualquer profissão é digna de registo pelo contributo para a comunidade, é indiscutível que o voluntariado, o amadorismo dirigido para o serviço dos demais, é sem dúvida o motor que movimenta a sociedade em prol do bem-fazer. Acresce que devemos prezar o que é nosso, não nos deixando enredar em teias de globalizações que retiram o timbre de cada povo e localidade, transformando tudo e todos em números, apreciando os comportamentos por conceitos que são feitos longe de nós, por gente que nada tem a ver conosco, com a nossa história, com os nossos valores.

Olivério Ribeiro é natural de Santa Cruz, onde nasceu no ano de 1933 na rua de São Salvador, na então Vila e hoje Cidade de Praia da Vitória. Foi baptizado na matriz da Praia pelo pároco Pe Luís Cota Vieira, e aí mais tarde crismado na Fé Católica pelo Bispo D. Guilherme Augusto. Frequentou a Primária (qualquer confusão com o actual 1º ciclo é pura coincidência…) na Escola Dr Sousa Jr, no Largo João de Deus da cidade da Praia; e desde muito jovem se tornou Escuteiro do Agrupamento 23 de Santa Cruz, onde veio a ser Explorador, Caminheiro e Dirigente.

À semelhança de muitos jovens praienses, no início dos anos 50 do século passado foi trabalhar para a Base das Lajes durante cerca de 2 anos, e no ano do centenário da Matriz da Praia, em 1955, ingressou no quadro da Câmara Municipal da Praia como Fiscal de Obras, sendo presidente da mesma o sr Diogo de Menezes Ávila. Transitou depois para Encarregado da Biblioteca Municipal que na altura funcionava no 1º andar da casa do Dr Eugénio Neves, na Praça Francisco Ornelas da Câmara da cidade de Praia da Vitória. Durante a sua permanência como funcionário da autarquia trabalhou com vários presidentes da mesma, entre os quais o Dr Jorge Neves, Pe Cândido Botelho Falcão e sr Manuel Pinheiro.

Porém, se como profissional denotou qualidades e diligência, procedendo com organização e urbanidade, foi com a sua voz inconfundível que desde muito jovem se destacou. Aliás a inclinação musical existia na família, pois seu tio materno, sr José Ribeiro, escriturário no Registo Civil, “escrevia umas músicas”.

Olivério já cantava quando o sr José Bettencourt era regente da Filarmónica União Praiense e organeiro da Igreja Matriz, curiosamente quando nesta se encontrava o distinto professor de música Pe Dr Edmundo Machado Oliveira. Dessa feliz conjugação resultou que a Missa Choralis a quatro vozes, pérola do coral do Seminário de Angra do Heroísmo, foi executada na Matriz da Praia.

A voz de Olivério Ribeiro, timbrada, agradável, potente e melodiosa, sempre se adaptou a diversos estilos e géneros, desde a música sacra à canção ligeira, passando pelo folclore e o fado. E naturalmente foi sendo conhecido na sua terra natal, por toda a Ilha Terceira, e até noutras Ilhas.

Em 1967 solicitam-lhe a gravação do Hino do Sport Clube Lusitânia, na altura dos melhores Clubes Desportivos Açoreanos, e ainda hoje essa gravação é um símbolo escutado com emoção pelos simpatizantes lusitanistas, e admirado pelos desportistas em geral, para o que contribui a excelente qualidade da interpretação.

No ano de 1968, com Gabriel Carvalho, Ezequiel, José Manuel Pereira e Jorge Moço, Olivério é co-fundador do conjunto musical “Os Bárbaros”, actuando em variados Salões, Clubes, Sociedades Recreativas e outros locais, inclusive em Acampamentos Escutistas, em apoio aos mesmos.

No Clube Praiense, então uma destacada associação recreativa e cultural da sede do concelho, no vulgo conhecido por “Clube dos Velhos”, Olivério Ribeiro canta modas regionais, participando também nessas iniciativas José Custódio, Aldevino (do Cabo da Praia), Carlos Lima e Margarida Neves. E já nos anos 80 faz parte da “Sapateia Açoreana”, Agrupamento Folclórico criado pela polifacetada artista praiense D. Eduarda Ferraz, que modificou duma forma notável a maneira de coreografar e apresentar as modas regionais açoreanas.

Como solista Olivério Ribeiro é solicitado para cantar por toda a Ilha Terceira e fora dela, nomeadamente no Faial, Graciosa e até São Miguel. E essas actuações são feitas de forma voluntária e graciosa, colaborando nas mais diversas iniciativas, desde as mais singelas e ignoradas às de maior destaque. Por exemplo são várias as vezes que deu a sua voz e sentimento para alegrar os idosos utentes do Lar D.Pedro V da Praia da Vitória.

Desde criança que faz parte do coral da Igreja Matriz onde foi baptizado, o que ainda hoje sucede, apesar de ser já um artista reconhecido, tendo atingido um nível tal que não causaria estranheza caso se escusasse a integrar qualquer naipe de vozes.

Actuou recentemente no programa Atlântida da RTP Açores, realizado ma Praia da Vitória, e o conhecido apresentador do programa, Sidónio Bettencourt, não regateou elogio à voz e interpretação do Olivério.

No reconhecimento dos muitos e valiosos serviços à comunidade, duma forma generosa e desinteressada, Olivério Ribeiro foi justamente distinguido pela Câmara Municipal de Praia da Vitória com a medalha de valor cultural, que recebeu em 2009.

A voz que este artista praiense colocou ao serviço da sua Terra é um dom de Deus, mas a doação que fez e faz da sua arte, do seu sentimento, é uma opção de vida que o dignifica.

Este Jornal, e o Grupo de Amigos da Praia de que provem, orgulham-se do privilégio de poder apreciar a voz e o talento invulgar do praiense Olivério Ribeiro, e almejamos que possa brevemente gravar a sua voz a interpretar as melodias que o tornaram conhecido, para que as gerações vindouras e nós próprios possamos usufruir do prazer de o escutar.

Cota Moniz