Jornal da Praia

PUB

Editorial - Espírito Santo

Domingo, 08 de Junho de 2014 em Editorial 1316 visualizações Partilhar

Editorial - Espírito Santo

Nos Açores o Culto do Divino Espírito Santo, é por excelência um elo de ligação deste povo, e um processo de alcançar solidariedade e consequente bem estar não só moral, mas também material.

Os Açores são uma espécie de morgadio do Espírito Santo, onde guardem com a mais pura, a mais perfeita alta observação, preservação a veneração e adoração à Diviníssima Terceira Pessoa da Santíssima Trindade.

Por isso não é por acaso que o dia da Região Autónoma dos Açores é a segunda feira do Espírito Santo, onde se festeja, nos Açores, no Canadá, na América do Norte, no Brasil, nas Bermudas enfim onde existem açorianos  espalhados por este mundo, a solenidade ao Espírito Santo que é um selo de coesão do povo açoriano, porque trazem-no em sim, e consigo os seus louvores no coração, na boca e nas mãos, parafraseando o Professor Agostinho da Silva «… o ponto fundamental do Culto do Espírito Santo, não é, porém, nem o banquete comum e livre, nem o soltar de presos, nem a procissão que segue a Pomba, no Estandarte ou Coroa, é a instalação de uma criança como Imperador do Mundo… declara-se que todos os imperadores de qualquer Império declarado Santo pela vontade, os interesses e as aptidões dos homens, devem ceder o seu trono às características infantis», pois o único, maior, melhor, inesgotável e mais valioso resplendor, o do Espírito Santo, são as crianças.

No passado dia 9 do corrente mês, segunda-feira, celebrou-se o dia da Região Autónoma dos Açores, onde novamente foi oportuno lembrar e defender que a autonomia foi criada para ser caminho político-administrativo progressivo tendo como único limite a vontade soberana do povo açoriano, por isso peçamos a graça do Espírito Santo, para nos dar força e saúde na luta contra o centralismo e neocolonialismo no combate dos intuitos característicos dos governos da República, em que tudo fazem para que aos açorianos lhes sejam retiradas as suas capacidades reivindicativas, o que é lamentável, pois «a justiça é uma perpétua e constante vontade de dar a cada um o que merece», os Açores merecem a sua Autonomia.

 

Diretor, Sebastião Lima

 

Foto/ Adelina Fontes